segunda-feira, 31 de julho de 2017

1972-07-31 - Novaport Nº 01 - ANPP

EDITORIAL

A vida política portuguesa, enquadrada pelo aparelho repressivo do estado fascista, é em grande parte desconhecida tanto do povo português como da opinião pública mundial. A censura, o controle cerrado de todos os meios de informação pelos órgãos de opinião da burguesia dominante e a constante oposição à livre difusão de notícias são meios usados pelo regime caetanista para impedir o conhecimento das contradições em que se debate o sistema capitalista e as lutas revolucionárias do povo. Estas medidas opressivas fascistas visam isolar as lutas populares e são uma condição essencial à sobrevivência da ditadura da minoritária burguesia portuguesa.

1972-07-31 - Semana Portuguesa Nº 37

EDITORIAL
“UNIDADE COM QUEM?”

Com o senhor Álvaro Cunhal e seu partido, com suas divisões e subdivisões.
Com o senhor Mário Soares e seus socialistas e com todos os outros socialistas.
Com os democratas cristãos, com os republicanos de todos os matizes.
Com os maçons de todos os ritos e de todos os Oriente e Ocidentes.
Com a Igreja Católica Apostólica Romana e com todas as outras igrejas e seitas.
Com todas as ideologias políticas e fés religiosas.
Com todas as nações, desde que todos tenham um único objectivo; dar seu apoio unicamente em benefício da soberania do POVO PORTUGUÊS, pondo acima de suas convicções ideológicas e suas implicâncias, pondo acima de suas crenças e fés religiosas, os legítimos interesses do POVO PORTUGUÊS.

1977-07-31 - Vanguarda do Povo Nº 32 - MRML

QUE FAZER?

A "Convergência Democrática" começa a estalar. O PPD desentende-se com o CDS. O PS, enquanto faz a sua política de recuperação capitalista, ataca o M.I.R.N. de Kaulza de Arriaga. Entretanto consolida-se o empréstimo de vários milhões de contos que transforma ainda mais o Governo português em marioneta do capitalismo internacional.
Mas, entendidos ou desentendidos, zangados ou contentes, estes senhores concordam todos quando se trata de consolidar a recuperação capitalista à custa dos trabalhadores. O PS prepara-se para fazer aprovar a nova lei da Reforma Agrária, que vai devolver aos antigos patrões cerca de 500.000 hectares de terra do Alentejo. O Governo devolve as empresas a antigos patrões e consolida o capitalismo em Portugal.

domingo, 30 de julho de 2017

1972-07-00 - Vietnam Nº 01 - CEALPV - Movimento Estudantil

VIETNAM Nº 1

PORTO 
JULHO - 72

COMISSÃO ESTUDANTIL DE APOIO A LUTA DO POVO VIETNAMITA

A JUVENTUDE ACUSA O IMPERIALISMO
A luta dos povos da Ásia pela sua independência foi e é a resposta à dominação colonialista e imperialista de países tais como a França, a Inglaterra, o Japão e os Estados Unidos. Quer se trate da Índia, da China ou do Vietnam o anseio de liberdade dos povos, que assume muitas vezes formas violentas, nasceu da opressão de que eram é são vitimas.

1977-07-00 - Jovem Comunista Nº 03 - JCR

A NOSSA POSIÇÃO
POR UM GOVERNO OPERÁRIO

A manutenção de Rui Gomes na prisão é a expressão clara do carácter reaccionária do actual regime.
Sob a máscara da legalidade "democrática e constitucional" são atacados cada um dos direitos mais elementares e cada uma das conquistas da classe operária e da juventude.
Um jovem anti-fascista é mantido no cárcere por mais de 20 meses sem julgamento, enquanto os pides são libertados.
O "socialismo em liberdade" apregoado por Mário Soares mostra-se naquilo que é: nem socialismo nem liberdade, mas sim o capitalismo em crise, gerido por traidores contra a classe operária, e apoiado no exército burguês.

1977-07-00 - A Ideia Nº 07 - Anarquistas

carta à ex-ORA

Foi com considerável atraso que tomámos conhecimento da decisão tomada num vosso Encontro Nacional de mudar o nome da vossa organização de O.R.A.- Organização Revolucionária Anarquista, para O.C.L. - Organização Comunista Libertária. Não nos surpreendeu muito tal mudança, pois sabíamos que, ao longo dos anos, essa proposta era regularmente apresentada mas, e até então, nunca obtivera o consenso dos militantes.
Certamente que a mudança de nome em si pouco significaria se não simbolizasse qualquer coisa de mais profundo: o afastamento progressivo mas claramente perceptível da vossa organização da esfera tradicional do anarquismo, que vos levou a não mais vos sentirdes correctamente identificados com tal designação.

1977-07-00 - Combate Nº 50

PORTO DA PAIÃ
Continuar a luta nos tempos difíceis

Queremos ou não, nunca uma sociedade como a actual, em que as classes sociais fundamentais e os variados grupos sociais se interpenetram, são raros os processos de luta que não juntam grupos sociais que possuem, na verdade, objectivos últimos bem diversos. Quando os processos de luta perduram e se desenvolvem, os antagonismos entre os vários grupos sociais explodem a certo momento dessa expansão, Mas na maioria dos casos os processos de luta degradam-se ou suspendem-se sem chegarem a tal ponto de ruptura, e então não são claramente visíveis os antagonismos entre os grupos sociais que se integravam nesse processo. Em tais casos é preciso proceder a uma análise mais detalhada dos processos de luta, escutar pessoas cujas posições possam exprimir os vários grupos intervenientes e, sobretudo, distinguir muito bem entre as formas de organização que cada um desses grupos sociais promovia e passava à prática. Qual o carácter das reuniões que se efectuavam? Como eram elas conduzidas? Qual a forma de participação dos trabalhadores e a sua actividade? — são estas algumas das questões fundamentais que nos permitem ver, por detrás de um processo de luta aparentemente uno, as, várias posições contraditórias que se debatam.

sábado, 29 de julho de 2017

1972-07-00 - Seara Nova Nº 1521

MEANDROS E LIMITAÇÕES DA CONTRATAÇÃO COLECTIVA
- análise de um caso concreto
por A. Proença Varão

Quem se decida a digerir o compacto articulado do Boletim 46 (Suplemento) do I.N.T.P. (1), ver-se-á recompensado com o conhecimento de factos singulares. Nele se contém o relatório e decisão da comissão arbitral chamada a dirimir a contratação colectiva entre a Federação de Sindicatos dos trabalhadores da indústria de lanifícios, e a respectiva Federação de Grémios (F.N.I.L.).
A história que a comissão se propõe narrar começa em 25 de Agosto de 1970 com a denúncia, pela parte sindical, do contrato colectivo vigente havia dez anos, e tem o seu fecho em 6    de Dezembro de 1971 com o despacho homologatório do secretário de Estado do Trabalho. Parece, porém, não poder classificar-se de feliz o epílogo, pois que o árbitro sindical entende, em declaração de voto (2), «que são legítimas as dúvidas quanto à forma como a comissão arbitral se desempenhou da sua missão de arbitrar os interesses das partes em litígio». E após acrescentar que a actuação da dita comissão «favorece a posição assumida pela F.N.I.L. (3), sublinha que o novo contrato «não pode deixar de suscitar um profundo sentimento de decepção nos trabalhadores».

1977-07-29 - ELEIÇÃO DO SECRETARIADO PARA O TRIÉNIO DE 1977/80 - União Sindicatos do Porto

UNIÃO DOS SINDICATOS DO PORTO CGTP-INTERSINDICAL

ELEIÇÃO DO SECRETARIADO PARA O TRIÉNIO DE 1977/80
(EM 29 – JULHO – 77)

PROGRAMA DE ACÇÃO E LISTA DOS CANDIDATOS
Reestruturação da União dos Sindicatos do Porto

UNIDADE NA ACÇÃO, A FORÇA DOS TRABALHADORES

LISTA DOS CANDIDATOS À ELEIÇÃO DO SECRETARIADO DA USP/CGTP - INTERSINDICAL PARA O TRIÉNIO DE 1977 a 1980
A REALIZAR EM 29 DE JULHO DE 1977

1977-07-00 - Juventude Nº 24 - UJC

UMA FORMA DE CORRUPÇÃO
CAMARADAS
A droga é um dos problemas com que a nossa juventude se debate.
O número de drogados aumenta de dia para dia. Muitos jovens entram por isso no meio da droga inconscientemente. Fumam a primeira «passa» de liamba, continuam e facilmente adquirem o vício pois o seu organismo pede-lhe cada vez mais droga. O indivíduo aumenta assim a quantidade de droga que consome, passando progressivamente de liamba ao haxixe e deste ao LSD e à morfina.
A droga é assim tal como outros meios de alienação uma forma de corrupção da juventude. Levar um indivíduo a drogar-se é faze-lo esquecer os seus problemas. Daí o grande número de jovens que se drogam nas sociedades onde existe exploração, nos países sob o jugo imperialista, nas sociedades capitalistas.

1977-07-29 - Paginas Vermelhas Nº 12 - UCRP(ml)

27/7/77 RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO DO C.C.
MAIS VALEM MENOS, MAS MELHORES!

Realizou-se recentemente a 13a. Reunião Plenária do C.C. (extraordinária) convocada expressamente para analisar a situação no Movimento Comunista Internacional, após a publicação dum Editorial provocatório no "Zeri i populitt" a 7 do corrente e doutras actividades declaradamente cisionistas dos dirigentes do PTA.
A Resolução aprovada nesta Reunião Plenária foi publicada no nosso Órgão Central.

OFENSIVA CONCERTADA DO SOCIAL-IMPERIALISMO E DO TROTSQUISMO INTERNACIONAL
Os dados principais da situação presente são os seguintes:

sexta-feira, 28 de julho de 2017

1977-07-28 - Comunicado Assalto à Sede da A.I.L. - Associação dos Inquilinos Lisbonenses

Associação dos Inquilinos Lisbonenses
(SOCIEDADE COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA)
um lar para cada família

Lisboa, 28 de Julho de 1977

Comunicado
Assalto à Sede da A.I.L.
A A.I.L. recebeu em várias ocasiões cartas e telefonemas anónimos de senhorios e grupos fascistas ameaçando colocar bombas. A impunidade dos bombistas faz-nos temer que a ameaça seja posta em execução.
Na madrugada de 23 de Julho uma força da PSP protegeu um grupo que veio arrancar e roubar um grande pano, posto sobre a frontaria da sede desta associação e que constituía os seguintes dizeres, pelos vistos subversivos "CASAS SIM, BARRACAS NÃO; NÃO AO AUMENTO DAS RENDAS; NÃO AOS DESPEJOS; OBRAS SIM; RUÍNAS NÃO; - POR UMA HABITAÇÃO DIGNA!

1977-07-28 - O Proletário Vermelho Nº 85

Editorial
GOVERNO PS-PSD?
A REFORMA AGRÁRIA OU A TORMENTA DESTE VERÃO

Passou a lei Barreto com as bases para a Reforma Agrária. Agora só falta tudo.
Falta aplicar a lei contra as manobras de Cunhal e perante a resistência ou o apoio, no mais das vezes ingenuamente manobrados, dos trabalhadores que trabalham a terra.
Falta dar à lei um conteúdo prático e extrair dela resultados palpáveis para os interessados.
Falta dotar a lei com uma política agrícola, coisa em que, Finalmente, esta lei se pode distinguir da outra lei não só «pela quantidade», como confirmou o prof. Henrique de Barros, mas também pela qualidade como o exige o interesse do país todo. DO PAÍS TODO e não só do partido do governo. Interesse de facto, na base de uma sensível melhoria das actuais condições de vida, e não interesse apenas na base das negociatas e da “pastorícia eleitoral" dos votos a favor ou contra o partido de governo.

1977-07-28 - Unidade Popular Nº 127 - PCP(ml)

Declaração do Secretariado do Comité Central
A posição do PCP(m-l) sobre a proposta de lei da Reforma Agrária

O Secretariado do Comité Central do Partido distribuiu, no passado 18 de Julho, uma declaração em que expõe a posição do Partido sobre a proposta de lei da Reforma Agrária discutida na Assembleia da República.
Eis o teor dessa declaração:
A proposta de lei da Reforma Agrária em discussão na Assembleia da República constitui um esforço para retirar das mãos dos sociais-fascistas parte das posições que estes detêm no Centro e Sul do país e que utilizam para sabotar a economia e subverter a democracia. A proposta reflecte, apesar disso, a política de conciliação do governo de Mário Soares, contando com numerosas concessões aos sociais-fascistas, que não deixarão de utilizar a demagogia socializante do Governo e as indefinições da lei para desferir novos ataques à independência nacional e à democracia.
Na proposta de lei, o PCP(m-l) apoia o regime de uso de terra expropriadas e nacionalizadas, que possibilita a expulsão dos sabotadores sociais-fascistas das terras que ocupam;

1977-07-28 - Luta Popular Nº 554 - PCTP/MRPP

EDITORIAL
A FORÇA SEM PALAVRAS CONTRA A FORÇA DAS PALAVRAS

I
Não será exagerado concluir que o recente desenvolvimento da crise política que se manifestou aquando da discussão parlamentar da Lei Barreto, produziu um conjunto de alterações na correlação de forças entre as diversas classes na sociedade portuguesa, cujos efeitos, de enorme alcance, se começam já a fazer sentir, mesmo sob uma cada vez mais falsa e menos enganadora aparência de retorno à acalmia.
Cada sobressalto da crise, como já o nosso Órgão Central teve oportunidade de analisar, constituindo o fruto de um maior e mais profundo amadurecimento da situação da Revolução, provoca alterações mais fundas e acumula um crescentemente explosivo volume de tensões.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

1977-07-27 - Revolução Nº 109 - PRP-BR

LUTAR CONTRA A CHAMADA LEI DA REFORMA AGRÁRIA É LUTAR CONTRA A FOME, A REPRESSÃO, A RECUPERAÇÃO CAPITALISTA E O FASCISMO

1. A chamada Lei da Reforma Agrária que na passada semana foi aprovada na chamada Assembleia da República, não é nem uma lei da Reforma Agrária, nem uma lei dos srs. Barreto e Portas. E uma lei dum poder reaccionário que tem como objectivo repor em funcionamento os mecanismos do sistema capitalista, sobretudo nos locais onde eles foram mais afectados pelas conquistas dos trabalhadores, como no caso do Alentejo. Assim, surge uma lei que visa fundamentalmente corrigir a estrutura de propriedade em termos que o próprio Marcelo Caetano já previra ("lei do parcelamento e do empar­celamento"). Com efeito, o chamado capitalismo industrial tem necessidade, em determinada fase do seu desenvolvimento, de sacrificar a agricultura para libertação de mão de obra, acumulação de capitais e fornecimento de matérias primas e produtos alimentares a preços mais baixos.

1977-07-27 - CONTRA AS REPROVAÇÕES MASSIVAS! - Movimento Estudantil

COMUNICAÇÃO À IMPRENSA

CONTRA AS REPROVAÇÕES MASSIVAS!
EXIJAMOS A 2ª ÉPOCA PLENA EM SETEMBRO!
EXPULSEMOS AS DIRECÇÕES TRAIDORAS!

1   - Os recentemente publicados resultados dos exames nacionais são a prova de que a luta que os estudantes do Ensino Secundário têm vindo a travar ao longo de todo o ano lectivo não pode parar, mas, pelo contrário, deve continuar e adoptar novas formas.
As reprovações massivas têm gerado uma grande revolta nos estudantes e no Povo. Os estudantes, que foram obrigados a fazer pontos de exame sobre matéria que não estudaram - caso do ponto de Geografia ou mesmo o de Filosofia do Curso complementar - vêem invariavelmente traçado a vermelho nas pautas dos exames "reprovado... reprovado... reprovado...", sendo as percentagens de reprovação as mais elevadas dos últimos anos, situando-se entre os 60% e os 90%; temos, por exemplo, no Liceu D. Dinis uma percentagem de 84%, na E.C. Veiga Beirão de 70%, no Liceu D. João de Castro de 60%, na E.C. Patrício Prazeres de 90%, etc., etc.

1977-07-27 - AVANÇAR NA LUTA CONTRA O PLANO DE REESTRUTURAÇÃO: - FEML

Federação dos Estudantes Marxistas-Leninistas

AVANÇAR NA LUTA CONTRA O PLANO DE REESTRUTURAÇÃO:

1 - A publicação do plano de reestruturação veio confirmar aquilo que sempre afirmámos sobre o seu conteúdo, e provar que ele se inseria na reforma ria burguesia para o ensino.
Tal plano, pelo seu conteúdo, satisfaz os interesses da classe dominante em relação ao ensino: tal política consiste na formação de um restrito número de quadros que sejam fiéis seguidores e aplicadores de tal política.
Malgrado todas as tentativas de esconder o plano aos estudantes quer por parte do CP que se recusava a dar quaisquer informações sobre tal, quer pelos social-fascistas da UE"C"/U”DP” que na Assembleia de Representantes jamais exigiram a publicação deste; foi a nossa célula que divulgou aos estudantes o seu conteúdo genérico.

1977-07-00 - O Comboio Nº Esp - UCRP(ml)

NÚMERO ESPECIAL
JULHO 77

BOLETIM DA UCRP-ML NA CP

SOBRE A PARALIZAÇÃO DO DIA 27

CAMARADAS:
A Comissão Negociadora Sindical do ACT convocou uma paralisação de todos os sectores da empresa para o dia 27, durante 10 minutos, entre as 11 horas e as 11, 10, reivindicando o reinício das negociações e o fim do congelamento dos salários decretado pelo Governo.
De facto, os Ferroviários encontram-se numa situação difícil e injusta, pois o Governo publicou uma portaria em que proíbe o aumento da massa salarial da C.P., com base em argumentos demagógicos e divisionistas.

1977-07-27 - PELA LIBERDADE! CONTRA A REPRESSÃO! - Rui Gomes

PELA LIBERDADE!
CONTRA A REPRESSÃO!

BOLETIM INFORMATIVO DA COMISSÃO DE LUTA PARA A LIBERTAÇÃO DE RUI GOMES Nº 13 27-7-77

DEFENDAMOS AS CONQUISTAS DO 25 DE ABRIL!
"Gravíssimos atentados à liberdade foram cometidos nos últimos dias. É com apreensão que o Povo português vê serem atropelados elementares direitos democráticos. E com justificada preocupação que os democratas vêem avolumar-se ameaças sobre a liberdade política.
(...)
"Quando começa a haver feridos graves e um jovem de 17 anos é ceifado à vida seria cumplicidade não levantarmos a nossa voz.

1977-07-27 - Bandeira Vermelha Nº 080 - PCP(R)

Editorial
Pela Liberdade e pela Reforma Agrária

A recente discussão da lei anti-Reforma Agrária do sr. Barreto foi o sinal de partida para um novo ascenso da direita reaccionária e para novas investidas, sempre mais furiosas e arbitrárias, contra os direitos dos trabalhadores. O criminoso assassinato pela PSP do jovem camarada Luís Caracol é o expoente máximo desta nova investida.
Não é por acaso que as coisas assim acontecem. Como afirma a resolução do II Congresso do Partido, a Reforma Agrária "constitui a principal transformação revolucionária resultante do 11 de Março de 1975. Foi uma histórica iniciativa do proletariado rural do Sul que atestou a sua combatividade e fez dar um salto em frente ao processo revolucionário".

quarta-feira, 26 de julho de 2017

1977-07-26 - MONCADA - Ass. - Por. - Cuba


1977-07-26 - CONFERÊNCIA DE LISBOA SOBRE A AMEAÇA RUSSA

CONFERÊNCIA DE LISBOA SOBRE A AMEAÇA RUSSA

I REUNIÃO PREPARATÓRIA
DOCUMENTOS

LISBOA, 26 E 27 DE JULHO DE 1977

Correspondência: Apartado 21 029, Lisboa 2 — Portugal. Conta Bancária: Banco Fonsecas & Bumay, n.° 02/17872/1

ÍNDICE
Um grito de alerta - 5
A necessidade de um amplo debate - 6
Os participantes - 7
Os trabalhos da I Reunião Preparatória - 11
Alocução de boas-vindas - 14
Apelo aos patriotas e democratas da Europa - 17
Moção sobre a Checoslováquia - 21

1977-07-26 - APELO AOS PATRIOTAS E DEMOCRATAS DA EUROPA

CONFERÊNCIA DE LISBOA SOBRE A AMEAÇA RUSSA

LISBON CONFERENCE ON THE RUSSIAN THREAT.
CONFERENCE DE LISBONNE SUR LA MENACE RUSSE

APELO
AOS PATRIOTAS E DEMOCRATAS DA EUROPA

APROVADO NA I REUNIÃO PREPARATÓRIA LISBOA, 26 E 27 DE JULHO DE 1977

A I Reunião Preparatória da Conferência de Lisboa sobre a Ameaça Russa realizou-se numa altura em que chefes de Estado, partidos políticos democráticos, personalidades representativas dos meios culturais e forças sociais diversas das nações europeias começam a tomar consciência da verdadeira dimensão da ameaça russa, intensificando esforços para lhe fazer frente.

terça-feira, 25 de julho de 2017

1972-07-00 - O Tempo e o Modo Nº 093

LEI DE IMPRENSA

Como toda a superestrutura, a imprensa reflecte a relação de classes existente numa dada sociedade e os interesses da classe que se exprime através dela. Falar pois da imprensa como de coisa transcendente e autónoma, com os seus problemas complexos, arrevesados e «difíceis», que só especialistas ou a «classe» (profissional, entenda-se) podem resolver, é uma maneira reaccionária de raciocinar.
A imprensa são as ideias, as propostas, as palavras de ordem, as teorias que são postas no papel para as grandes massas, e lhes explicam ou escamoteiam o quotidiano. Quem explica, e, portanto, como se explica esse quotidiano às massas, eis o fundamental, que em última análise deve ser entendido em termos classistas.

1977-06-00 - O Comboio Nº 03 - UCRP(ml)

ELEIÇÕES: PORQUE GANHOU A LISTA A FERROVIÁRIOS

As recentes eleições para o nosso Sindicato e a vitória da Lista proposta pela anterior direcção, traz implicações importantes que interessa analisar em profundidade e daí tirar as devidas lições.
A U.C.R.P.(m-l) sempre defendeu que a anterior direcção, tal como a actual, não defendem nem representam os interesses dos Ferroviários, justificando as suas afirmações a partir da análise das suas atitudes, que vão em toda a linha contra os interesses dos trabalhadores.
Porque ganhou então, a Lista A?
Em primeiro lugar, porque a partir do Outono de 75 a anterior direcção passou a apresentar-se como a oposição aos governos da burguesia que entretanto foram caindo em total e merecido descrédito junto do povo trabalhador. Descrédito esse que no caso dos Ferroviários foi justamente acentuado com a recente portaria do governo que veio oferecer à Gerência a anterior direcção o melhor argumento possível para a sua campanha.

1977-07-25 - O Comunista Nº 44 - II Série - UCRP(ml)

EDITORIAL
MERCADORES DE CANHÕES

Vieram, recentemente, a público na imprensa diária notícias que impõem um esclarecimento claro e total.
Negócio de armas é o assunto.
A revista espanhola «Câmbio 16» denunciara que as Forças Armadas Portuguesas (FAP) pretenderiam vender 4 navios de guerra portugueses, por intermédio da Colômbia — uma ditadura fascista latino-americana —, ao regime racista sul-africano de Vorster. Regime que se vem armando até aos dentes, no vão intuito de impedir a libertação da Azânia e manter o baluarte imperialista encravado na África Austral. As declarações tinham sido prestadas pelo subdirector da Empresa Nacional Bazan (ENB), empresa naval espanhola, que construíra, por encomenda do governo marcelista, 4 corvetas para a Marinha portuguesa. As quatro corvetas foram entregues às FAP já depois do 25 de Abril, entre Dezembro de 1974 e Outubro de 1975.

1977-07-00 - LEIA! informação democrática - PCP

LEIA!
informação democrática

A «CONVERGÊNCIA» ATACA EM RIO MAIOR
Em 13 de Julho de 1975, um bando de caceteiros e arruaceiros comandados por conhecidos caciques reaccionários, dava, em Rio Maior, o sinal de partida para uma violenta ofensiva terrorista contra a democracia portuguesa. Os centros de trabalho do PCP e da FSP foram assaltados e incendiados. Com os votos dos representantes do PPD e do CDS na Câmara de Rio Maior, o 13 de Julho foi agora transformado em feriado municipal. Uma vergonha e uma provocação que a Assembleia da República firmemente condenou, apesar da oposição do PPD e do CDS.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

1977-07-00 - UNIDADE SOCIALISTA Nº 01 - USR

EDITORIAL

"A Revolução Portuguesa vive uma hora decisiva. Una crise profunda - a mais profunda de todas as crises desde o 25 de Abril - abala, praticamente, todos os sectores da sociedade portuguesa. Crise da economia, das relações sociais e das condições de vida das massas populares, crise das instituições políticas e do aparelho militar; mas crise também do movimento operário e popular, crise das organizações e dos partidos operários, crise das forças revolucionárias”.

1977-07-24 - CONTRA AS REPROVAÇÕES MASSIVAS! - Movimento Estudantil

CONTRA AS REPROVAÇÕES MASSIVAS!
EXIJAMOS A 2a ÉPOCA PLENA EM SETEMBRO!
EXPULSEMOS AS DIRECÇÕES TRAIDORAS!

Camaradas:
Os recentemente publicados resultados dos exames nacionais são a prova de que a luta que os estudantes do Ensino Secundário têm vindo a travar ao longo do ano lectivo não pode parar mas, antes pelo contrário, deve continuar a adoptar novas formas.
Os resultados desses exames vêm mais uma vez deitar por terra as teses dos dirigentes traidores da UE"C" que nos procuraram convencer de que "a lei das compensações vinha resolver o problema dos exames nacionais", e provaram igualmente a justeza da palavra de ordem "UE'C' - Cardia, o mesmo combate". Não é, alias, por acaso que, após isso, a denominada "comissão coordenadora da luta contra os exames nacionais" entrou em absoluto silêncio.

1977-07-00 - Viva o MES Nº 07B - MES

VIVA O MES! 7B

JULHO 1977
COMISSÃO ORGANIZADORA DA II CONFERÊNCIA NACIONAL DE QUADROS

EU FRENTE COM III CONGRESSO!

IV SECÇÃO - ALIANÇAS
1. Presentes 35 camaradas, 6 dos quais do C.C.
Intervieram 22 camaradas
A mesa foi constituída por 4 camaradas do C.C.
2. Funcionamento
1ª parte - definição do bloco social revolucionário e de qual o seu eixo central.
2ª parte - noite de sábado e manhã de domingo - definição do sistema de alianças políticas que o MES deve estabelecer (fusão dos temas propostos para a 2ª e 3ª partes)

domingo, 23 de julho de 2017

1977-07-23 - ML Informação Nº 10 - Série I - PCP-ml

ARRANCAR A MÁSCARA DO MARXISMO-LENINISMO E DA DEFESA DE STALIN AOS REVISIONISTAS ALBANESES!
Com este título, o número 127 de Unidade Popular publica uma declaração do CC do PCP(m-l) sobre as actividades contra-revolucionárias dos revisionistas albaneses em Portugal e no movimento comunista internacional. A declaração denuncia as manobras dos revisionistas albaneses desde 1970 nas suas relações com o PCP(m-l), os ataques de Hoxha a Mao Zedong, o seu apoio às teses de Khruchtchev nomeadamente sobre a questão de Stalin, o seu apoio a Brejnev, a Cunhal e ao partido dos «rachados», etc. O mesmo número de Unidade Popular publica um artigo intitulado Os Revisionistas Albaneses contra o Materialismo Dialéctico.

1977-07-23 - I COLECTIVO DOS TRABALHADORES COMUNISTAS DA PREVIDÊNCIA - PCTP/MRPP

I COLECTIVO DOS TRABALHADORES COMUNISTAS DA PREVIDÊNCIA
 (23 de Julho de 1977)

RESOLUÇÃO SOBRE O TRABALHO DO PARTIDO NO SECTOR DA PREVIDÊNCIA

I - Em execução da convocatória saída do II Plenum do Comité Central do Partido, realizou-se no dia 23/7/77, em Lisboa, na nossa Sede Nacional o I Colectivo dos Trabalhadores Comunistas da Previdência.
O Colectivo procedeu a um longo debate de ideias sobre as questões políticas principais que se levantam aos trabalhadores, da Previdência e à sua luta; definiu os objectivos que devem nortear o trabalho dos comunistas no sector da Previdência, pôs em relevo a necessidade de melhorar e intensificar o trabalho político entre as massas, alargar a influência do Partido e materializar a sua direcção neste importante sector da luta das massas trabalhadoras.

1977-07-23 - RESPONDEREMOS TACO-A-TACO ÀS PROVOCAÇÕES DA “DEMOCRÁTICA” GNR - PCTP/MRPP

RESPONDEREMOS TACO-A-TACO ÀS PROVOCAÇÕES DA “DEMOCRÁTICA” GNR

Já desde há muito tempo que a GNR tem feito as mais vis e descaradas provocações ao nosso Partido e ao Povo da Brandoa. Foi assim que essa "democrática" força repressiva, agindo sob a cumplicidade da Câmara de Oeiras tratou de nos provocar mais uma vez.
A meio da tarde da última 6ª feira, 2 funcionários da Câmara de Oeiras, protegidos por mais de uma dúzia de GNRs armados de G3, dirigiram-se ao Largo da Brandoa e, sob o pretexto de andarem a fazer limpeza às paredes, arrancaram um cartaz mural - colado na noite anterior - onde se denunciava a lei anti-greve aprovada nesse covil da burguesia que é a Assembleia da República. Este acto juntou no local algumas pessoas que, indignadas com aquilo, comentavam o sucedido. É então que um popular, por dizer que não concordava com tal acção, foi levado preso para o posto da GNR. É nessa altura que um agente da GNR diz "os gajos do MRPP deviam, ser todos fuzilados".

1977-07-23 - Democracia CDS 76 Nº 19 - CDS

EDITORIAL
Uma nova mistificação

Culminando um longo processo, foram aprovadas na Assembleia da República as novas bases gerais da Reforma Agrária. Ciente, por um lado de que tinha neste domínio as portas fechadas pelo lado do Partido Comunista — já que o PC não aprecia que mexam naquilo que lhe «pertence» — e não estando, por outro lado, muito disposto a alterar substancialmente o conteúdo da Reforma Agrária em relação ao que fora feito por Vasco Gonçalves, o Partido Socialista entrou uma vez mais pelo caminho da mistificação deliberada, fazendo anti-comunismo a torto e a direito na esperança de iludir o fundo real do problema, realizar uma campanha propagandística fácil e captar votos e simpatias à sua direita para a lei de que foi proponente.

sábado, 22 de julho de 2017

1972-07-00 - O Comunista Nº 13

SOBRE TROTSKY E STALINE

Proliferando graças ao desenvolvimento do capitalismo, o trotskismo voltou a aparecer, ressuscitando as velhas discussões e polémicas com a orientação leninista para a revolução. Produto directo da nova burguesia dos serviços, do teoricismo e da tecnocracia, reaparece como tradicional inimigo dos interesses do proletariado, continuando a significar una ponta de lançada ideologia burguesa, dentro do movimento revolucionário.
Perante, este fenómeno, muitos militantes que se afirmam m-l tem posições erradas, consistindo as era mais frequentes em menosprezar e esconder a contradição antagónica que existe com o trotskysmo, ou em defender a todo custo a prática do Partido Bolchevique sob a direcção de Staline. Com a primeira posição, servem objectivamente os interesses da burguesia, deixando desenvolver-se uma linha política hostil aos interesses do proletariado; com a segunda posição deixam aos trotskystas a sua única razão de existência, que é precisamente a de propagandearem e fazerem alarido sobre os erros de Staline.

1977-07-22 - REFORMA AGRÁRIA (II) - PCP

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS
Célula da Standard Eléctrica

COMUNICADO
REFORMA AGRÁRIA (II)

A S.I.P. da célula do Partido Comunista na S.E. emitiu um primeiro comunicado em que se pretendia dar uma imagem, rápida sem dúvida, do desenvolvimento da reforma agrária, do seu significado social e político e da sua projecção económica. Hoje, traz aos trabalhadores da S.E. uma informação do que tem sido, por cima das leis e da justiça, por cima da Constituição e do esforço dos trabalhadores, o ataque descarado e subserviente à grande realização do proletariado rural do Alentejo e Ribatejo.

1977-07-22 - Câmara do Porto: BASTA DE DEMAGOGIA! - PCP(R)/UDP

Câmara do Porto:
BASTA DE DEMAGOGIA!

A LUTA, MORADORES POBRES DO PORTO!
A TODOS QUANTOS LUTAM PELO DIREITO A UMA CASA DIGNA E DECENTE!
    1. Os moradores pobres estão de novo a recuperar forças. Desde o 25 de Abril todas as conquistas dos moradores foram arrancadas com dura luta e avançaram a par e passo com a sua consciência e organização.
Após o 25 de Novembro, reorganizado, um aparelho de Estado contra o Povo, as dificuldades aumentaram mais e muitos moradores desmobilizaram-se, deixaram de acreditar que só a luta conduz à vitória, desligaram-se das suas organizações. Comissões e Associações não conseguiram tomar medidas face a nova situação nem explicá-la claramente, isolaram-se. Começou a instalar-se um clima de dúvidas e alguns quiseram resolver o seu problema individualmente, tentando conseguir para si o que antes reivindicavam para todos. Sé este clima se desenvolvesse a política anti-popular do governo e câmara poderia prosseguir sem resistência.

1977-07-00 - Viva o MES! Nº 07A - MES


VIVA O MES! 7A
JULHO 1977
COMISSÃO ORGANIZADORA DA II CONFERÊNCIA NACIONAL DE QUADROS

EM FRENTE COM III CONGRESSO

RELATÓRIO dos TRABALHOS da 2ª SECÇÃO da C.N.Q

1. INTRODUÇÃO
Esta secção debruçou-se sobre a acção do C.C. e de outras estruturas de direcção do Partido. Estiveram em questão as questões dos métodos de direcção, a forma de avançarmos na transformação do nosso Partido e o papel que nessas transformações cabe às transformações do C.C. e outras estruturas de direcção. Foi abordada de forma particular a questão da eleição do novo C.C. e dos critérios políticos que a devem orientar.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

1977-07-21 - BIDAE Nº 03 - Movimento Estudantil - Magistério Primário Guimarães

EDITORIAL

Este é o nosso último BIDAE, antes do começo das férias, pelo que assume um carácter especial; não porque as funções da direcção cessem neste momento, mas porque os estudantes "vão embora e, infelizmente, durante os próximos meses a sua vinculação" à associação é quase nula. Por esse motivo este BIDAE  vai ter o carácter duma retrospectiva do que foi a associação de estudantes nesta escola desde Fevereiro até ao momento.
Este boletim, já vai no seu 3º número e continuará a sair regularmente durante as férias. A sua existência é de facto muito importante. Nasce na sequência duma prática associativa que vai vinculando as pessoas e as vai consciencializando que não estão sós no mundo que têm problemas específicos a resolver e só organizando-se o conseguem.

1977-07-21 - Dia 22 de Junho FORA COM A CANALHA QUE EXPLORA QUEM TRABALHA.- PRP-BR



1977-07-00 - Informação Militante Nº 34 - MES

INTRODUÇÃO

A II Conferência Nacional de Quadros veio comprovar a progressiva correcção dos métodos de direcção adoptados pelo C.C. no sentido de incentivar e alargar a todo o Partido o debate sobre as grandes questões politicas que temos pela frente.
A reunião alargada do C.C. no Porto, faz quase um ano, a I C.N.Q. e a 9ª Reunião alargada do C.C. em Lisboa, constituíram passos nesse sentido, mas revelaram a improvisação dos métodos de direcção, ligada aliás a debilidade de uma prática de discussão assente nas estruturas do Partido. A forma como decorreu a II C.N.Q. permite afirmar que se deu um passo em frente, que se transpôs uma barreira, no que respeita a dois níveis de actividade do Partido, distintos mas indissociáveis: o exercício da direcção e o alargamento organizado do debate político.

1977-07-21 - QUANDO A BURGUESIA ATACA O PCTP/MRPP... - PCTP/MRPP

Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)

QUANDO A BURGUESIA ATACA O PCTP/MRPP...
Hoje, 5ª feira, um grupo de cerca de dez polícias acompanhados de um delegado da C.M.L. vieram provocatoriamente junto da Sede Nacional do nosso Partido, roubar o fio que serve de demarcação entre a faixa de rodagem e o passeio, aí colocado com o fim de impedir o estacionamento de veículos como medida de segurança, quer para a nossa Sede Nacional onde já várias vezes os provocadores e bombistas fascistas e social-fascistas tentaram provocar danos, quer para o povo nosso vizinho e as pessoas que constantemente frequentam e passam junto à Sede Nacional do nosso Partido.

1977-07-21 - Luta Popular Nº 553 - PCTP/MRPP

EDITORIAL
O AGRAVAMENTO DA CRISE

Ainda não há um mês, no seu Editorial de 30 de Junho, o nosso «Luta Popular» ao analisar as características peculiares do desenvolvimento das crises politicas após o 25 de Novembro, chamava a atenção para o carácter inteiramente ilusório e aparente da acalmia que parecera estabelecer-se na situação política após o 10 de Junho. Indicava ai que ela representava na realidade «o acumular de novas tensões sociais e a tentativa frenética dos partidos burgueses e pequeno-burgueses de escamotear grosseiramente essas mesmas tensões». E acrescentava noutro passo: «Todos os factores da crise se desenvolveram, neste mar aparentemente calmo e neste céu indiscutivelmente azul. Mas como subsiste acumulado e em maior tensão o mesmo potencial, como persistem sem solução as contradições fundamentais, seria um erro grosseiro tomar a aparência por realidade e decidir que a crise estava passada».

quinta-feira, 20 de julho de 2017

1977-07-20 - A POLÍCIA DE HOJE É A POLÍCIA DO FASCISMO! - PCP(R)

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS (RECONSTRUÍDO)

A POLÍCIA DE HOJE É A POLÍCIA DO FASCISMO!

Luís Augusto Caracol era um jovem de 17 anos, operário metalúrgico, dirigente da UNIÃO DA JUVENTUDE COMUNISTA REVOLUCIONÁRIA.
No dia 13 deste mês veio assistir ao julgamento de Rui Gomes, veio juntar a sua voz ao clamor popular de protesto contra a prisão e o julgamento-farsa daquele anti-fascista.
Por fazer isto, que milhares e milhares de pessoas já fizeram, incluindo todos os deputados da Assembleia da República, Luís Caracol foi perseguido e espancado pela polícia, como o foram outros anti-fascistas. Dos ferimentos veio a morrer no dia 18.

Arquivo