sexta-feira, 19 de maio de 2017

1977-05-19 - PROPOSTA AO PLENÁRIO DA ACADEMIAS - Movimento Estudantil

PROPOSTA AO PLENÁRIO DA ACADEMIAS

     CONSIDERANDO:
   1 - O carácter não só anti-democrático mas também altamente repressivo da política do ministro Cardia que passou nomeadamente pelo encerramento da Universidade de Coimbra e do respectivos Serviços Sociais e pela cobertura dada à intervenção brutal da polícia de choque contra os estudantes do Porto na sequência de provocatoriamente ter marcado exames de psicologia para o Governo Civil.
   2 - Que as medidas repressivas exercidas contra os estudantes, saldando-se em algumas dezenas de feridos, um dos quais a tiro, vários presos, e no levantamento de graves problemas ao próprio funcionamento normal da Universidade, atingiram um tal grau que levou que as Academias do Porto e Coimbra venham encetando vigorosas formas de luta numa demonstração de sólida unidade entre os estudantes portugueses.
    3 - Que o ministro Cardia tenta actualmente isolar as Academias para as poder esmagar uma a uma e deste modo poder dar largas à aplicação total da sua política de destruição das conquistas democráticas nas escolas, de promoção duma cada vez maior elitização do ensino em total contradição com os interesses estudantis e dos trabalhadores portugueses.
4 - Que em Lisboa se verificaram já na esmagadora maioria das escolas importantes reuniões gerais cujas decisões são de inequívoco apoio aos colegas do Porto e de Coimbra como parte integrante da luta estudantil nacional. Que todos estes factos apontam a necessidade de a nossa Academia tomar uma posição clara e unitária de apoio às restantes lutas em curso.
5 - Que o ministro Cardia num calunioso, demagógico e provocatório discurso público ecoado por diversos órgãos desinformação, vem tentando falseara opinião pública, isolar a luta estudantil para que o carácter repressivo e reaccionário da sua política não seja alvo da contestação dos trabalhadores. Todas as jornadas de luta encetadas no Porto e Coimbra têm sido alvo do apoio popular com particular relevo para a junção da manifestação estudantil do Porto com a dos trabalhadores dos STCP sob a justa palavra de ordem "TRABALHADORES, ESTUDANTES - A MESMA LUTA", situação esta que aponta a necessidade imperiosa dos estudantes saírem dos muros das escolas em amplas campanhas de informação à população.
6 - Que na actual fase em Lisboa, há que articular a necessidade de encetar formas justas e consequentes de luta com a de alargar cada vez mais este já amplo processo de solidariedade a um número ainda (…?). Que a solidariedade com o Porto e Coimbra não se deve restringir à realização do passado Dia Nacional de Luta e à aprovação de algumas moções mar: deverá ser um processo continuado no sentido de exigir do MEIC uma posição de diálogo face às reivindicações estudantis, posição esta que a ser rejeitada colocará todos os estudantes portugueses na necessidade de encetarem formas de luta mais consequentes. Que formas de luta consequentes a adoptar não poderão cair na irresponsabilidade de levar o movimento estudantil para um beco sem saída, como sendo uma greve geral ilimitada.

OS ESTUDANTES DE LISBOA, REUNIDOS EM PLENÁRIO DA ACADEMIA EM 19/5/77 DECIDEM:
1º Apoiar firme e decididamente as lutas das Academias do Porto e de Coimbra como parte integrante da luta estudantil nacional por uma Universidade democrática e um Ensino ligado às aspirações dos trabalhadores portugueses.
2º Apoiar integralmente o caderno reivindicativo aprovado no ENDA de Coimbra.
3º Proceder à entrega do presente caderno reivindicativo ao MEIC a realizar pela mesa ao presente Plenário.
4º Exigir a abertura imediata de formas de diálogo por parte do governo
5º Se até terça feira às 18 horas o governo se recusar a debater com as Associações de Estudantes, legitimas representantes dos estudantes ou não der qualquer resposta afirmativa ao caderno reivindicativo, a Academia de Lisboa entrará em GREVE GERAL em Plenário de quarta feira dia 25 às 15 horas que decidirá da sua duração e carácter.
6º Apelar aos estudantes da Academia do Porto que aprovem idêntica proposta no sentido da globalização da luta.
7º Convocar desde já uma RIA (reunião Inter-Associações) para terça feira às 21 horas que analisara a situação criada e que procedera ã preparação do Plenário.
8º A mesa do presente Plenário devera ainda solicitar entrevistas com a Presidência da Republica, 1º ministro, Conselho da Revolução, Assembleia da República e Partidos aí representados a fim de tomarem posição face à exigência de dialogo e ao caderno reivindicativo.
9º Até quarta feira, os estudantes deverão tomar a iniciativa da realização de amplas campanhas de informação dentro das escolas e à população na base da colagem de cartazes, distribuição de comunicados com a realização de pequenos meetings informativos de esclarecimento sobre os objectivos actuais da luta estudantil.
10º Que o ENDA do próximo domingo em Coimbra deverá reunir para estudar a globalização das formas de luta a nível nacional no sentido do ponto 6 desta proposta.

LISBOA, 19 de Maio de 1977
DIRECÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS
DIRECÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DO ISEL

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo