terça-feira, 31 de maio de 2016

1971-05-31 - Semana Portuguesa Nº 09

TERRORISMO EM PORTUGAL

Há pessoas na oposição preocupadas com o que chamam de “terrorismo” em Portugal. Preocupados com o possível endurecimento da Ditadura e de seus amigos externos.
Primeiro, não há terrorismo em Portugal. O que há em Portugal são povos de cultura, de civilizações diferentes, de cores diferentes reclamando a liberdade que ninguém lhe pode nem tem o direito de negar. O próprio Portugal lutou e obteve sua independência. Os E.U.A. e etc., foram colónias e tiveram que lutar para conseguir serem livres.
Para que aos recentes atos revolucionários, o que aliás grande parte da oposição reclamava há muito, fossem considerados actos terroristas, devíamos considerar o Senhor Capitão Galvão como pioneiro, seguido pelo Senhor General Humberto Delgado.
Há pessoas na oposição preocupadas com o que chamam de “terrorismo” em Portugal. Preocupados com o possível endurecimento da Ditadura e de seus amigos externos.
Primeiro, não há terrorismo em Portugal. O que há em Portugal são povos de cultura, de civilizações diferentes, de cores diferentes reclamando a liberdade que ninguém lhe pode nem tem o direito de negar. O próprio Portugal lutou e obteve sua independência. Os E.U.A. e etc., foram colónias e tiveram que lutar para conseguir serem livres.

1976-05-31 - VIVA A VII JORNADA NACIONAL DE FUNDOS! - FEML

VIVA A VII JORNADA NACIONAL DE FUNDOS!
EM FRENTE POR UMA NOVA VITÓRIA!

 1 - Na próxima Terça-feira, dia 1 de Junho, bandeiras vermelhas do nosso Partido percorrerão todos os locais onde se encontrem elementos das massas.
Na próxima Terça-feira milhares de elementos do Povo retirarão dos seus magros salários o apoie que com todo o carinho darão ao jornal que diz a verdade - o LUTA POPULAR.
2 - Desde os primeiros tempos da sua existência legal a Luta Popular tem sido alvo dos mais histéricos e covardes ataques.
Fascistas e social-fascistas viram, desde o primeiro momento que o Luta Popular é uma forte bandeira que os impede de avançarem como necessitavam nos seus intentos contra-revolucionários.
Primeiro começaram a atacá-lo de fora: choveram multas e suspensões, mas o Luta Popular como uma forte árvore com raízes profundas em noite de tempestade, manteve-se firme, continuando a dizer as verdades ao Povo.

1976-05-31 - A FALSA REPRESENTAÇÃO DOS TRABALHADORES E DO POVO NOS “NOVOS ÓRGÃOS” DE GESTÃO DOS HOSPITAIS CIVIS DE LISBOA - MRPP

A FALSA REPRESENTAÇÃO DOS TRABALHADORES E DO POVO NOS “NOVOS ÓRGÃOS” DE GESTÃO DOS HOSPITAIS CIVIS DE LISBOA

Os trabalhadores dos HCL, embora em pequeno numero, pois a maioria manifestou o seu desprezo por essa forma de organização, "elegeram" "novos órgãos" de gestão do grupo hospitalar.
Sentem que por essa via nada conseguem de útil em seu benefício e no dos trabalhadores que carecem de assistência hospitalar. Sabem que, enquanto tais órgãos forem um mero instrumento do aparelho de Estado da burguesia, do Estado herdado do fascismo, que é sempre o mesmo e serve sempre os mesmos interesses de exploração, seja qual for a facção da classe dominante que detenha o poder, fazer os trabalhadores participarem da responsabilidade governativa, ou dar a falsos "representantes" dos trabalhadores os poderes correspondentes a essa participação, e colaborar numa burla, criar ilusões que não conduzem a mais nada do que a uma paralisação, ou moderação das justas lutas dos trabalhadores.

1976-05-31 - Luta Popular Nº 303 - MRPP

Defesa intransigente da Independência Nacional
NÃO PERMITIR A INGERÊNCIA DAS GRANDES POTÊNCIAS
      - propósito afirmado pelo general Ramalho Eanes

Não admitirei, como Presidente da República, a ingerência de quaisquer potências — incluindo, evidentemente as maiores: Estados Unidos e URSS — na vida do nosso povo, afirmou ao jornal «O Século», na sua edição de hoje o general Ramalho Eanes.
Começando a responder a uma pergunta posta por esse jornal, diz Ramalho Eanes: A defesa intransigente da independência nacional constitui um dos objectivos que o Presidente da República deve prosseguir. Se for eleito, essa será uma das minhas preocupações dominantes, e não admitirei, como Presidente da República, a ingerência de quaisquer potências — incluindo, evidentemente, as maiores: Estados Unidos e URSS — na vida do nosso novo. Cabe aos portugueses resolverem os seus próprios problemas — e este princípio não pode admitir excepções de nenhuma ordem.

1976-05-31 - Elementos das Unidades Colectivas de Produção - Reforma Agraria


Para ver a totalidade do documento em PDF clik AQUI

segunda-feira, 30 de maio de 2016

1976-05-30 -1ª assembleia de militantes - PCP


1976-05-00 - Juventude Nº 15 - U.J.C

CAMARADA OCTÁVIO PATO
Membro da Comissão Política e Secretariado do CC do Partido Comunista Português

O Comité Central do Partido Comunista Português tornou pública, na terça-feira, a decisão de apresentar a sua própria candidatura às eleições para a Presidência da República, indicando o camarada Octávio Pato, membro da Comissão Política e do Secretariado do Comité Central.
Resultante de uma análise profunda da actual situação política do país; e tendo em conta a falta de limpidez que ressalta das posições assumidas pelos partidos e o facto de se apresentarem às eleições individualidades militares que desempenham cargos de relevo na hierarquia do poder; a decisão do Partido considera «a necessidade de marcar uma posição autónoma e independente, que lhe permita, ante o povo português, defender a sua política, indicar as soluções que tem por necessárias para os problemas nacionais e contribuir para a consolidação, prosseguimento e construção do regime democrático», não excluindo, porém, o possível apoio a um militar que venha a ser eleito Presidente da República.

1976-05-30 - CONCLUSÕES DO 1º ENCONTRO DE TRABALHADORES na HOTELARIA - Comissões de Trabalhadores

CONCLUSÕES  DO 1º ENCONTRO DE TRABALHADORES na HOTELARIA

Realizado o 30 de Maio de 1976 no INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DE LISBOA.

1ª SECÇÃO
A JUVENTUDE NA EMPRESA
1.1 - Reclassificação, salários o descriminações.
Sabemos os problemas profissionais com que se debate, ainda hoje, a juventude na hotelaria, nomeadamente quanto às reclassificações, salários e descriminações.
Concretamente em relação às reclassificações, na maior parte das empresas de hotelaria, muitos jovens entram para as empresas e ficam sujeitos à categoria profissional que lhes é atribuída pela entidade patronal ou seus representantes chegando a permanecer nessa categoria, por rezes vários anos.
Jovens há que chegam a efectuar o trabalho de verdadeiros profissionais, quando ainda se encontram classificados como aprendizes ou serventes. Não sendo atribuídos pelas suas funções mas sim pela categoria que consta na Carteira Profissional.

1976-05-00 - CIRCULAR - INTERNA Nº 1 - UCRP(ml)

CIRCULAR - INTERNA Nº 1 – Maio 1976
- Jornada de 5 de Junho -

UNIÃO DOS POVOS DA EUROPA CONTRA AS DUAS SUPERPOTÊNCIAS, E EM PARTICULAR CONTRA O SOCIAL-IMPERIALISMO

1º. A reunião alargada do Secr. do CC decidiu promover uma jornada de luta no dia 5 de Junho em tomo da palavra de ordem, "UNIÃO DOS POVOS DA EUROPA CONTRA AS DUAS SUPERPOTÊNCIAS, E EM PARTICULAR CONTRA O SOCIAL-IMPERIALISMO ".
O objectivo político é, portanto, claro e inteiramente justo, como a própria palavra de ordem indica.
A decisão política de promover esta jornada baseou-se na análise da situação política internacional e nacional que a nossa organização faz, salientando a ameaça de guerra imperialista a desencadear, mais tarde ou mais cedo, pelas duas superpotências, e em particular pelo social-imperialismo russo, principal fautor da guerra, e cujo principal teatro de operações vai ser de novo o nosso continente, a Europa.

1976-05-00 - Unidade Estudantil Nº 01 - AE ESPE - Movimento Estudantil

EDITORIAL

Lutando contra todas as dificuldades que se nos têm posto, fazemos finalmente a apresentação do jornal da AE, que esperamos seja de todos os estudantes da ESPE jornal como se vê pelo seu título e como nos impõe os estatutos deve ser um jornal anti-fascista e anti-imperialista.
 Contudo, pensando abrir uma página de "opinião", a qual receberia todos os artigos que expusessem as mais diversas ideologias desde que não vão contra o espírito anti-fascista da grande maioria dos estudantes.

a Direcção da AEESPE

domingo, 29 de maio de 2016

1976-05-29 - Grande Comicio - PCP


1976-05-29 - APOIAR OCTÁVIO PATO É LUTAR PELA DEMOCRACIA E O SOCIALISMO - UEC

APOIAR OCTÁVIO PATO É LUTAR PELA DEMOCRACIA E O SOCIALISMO

A Comissão Executiva da C.C. da UEC saúda a decisão do C.C. do PCP em promover a candidatura à Presidência da Republica do camarada Octávio Pato, membro da sua Comissão Política, muna manifestação de independência política ao serviço da democracia.
Esta candidatura que surge com o fim de esclarecer e intervir nos grandes problemas nacionais, com o fim de reforçar o movimento operário e popular, força indispensável à construção da democracia e à defesa e prosseguimento da revolução, conta com o entusiasmo e apoio das massas populares que confiam no PCP como grande impulsionador do combate sem tréguas às forças reaccionárias, na base da unidade dos trabalhadores, das massas populares, das forças de esquerda.
A Comissão Executiva da C.C. da UEC está certa de que os estudantes portugueses estão ao lado do nosso povo na luta pela democracia e a liberdade a caminho do socialismo, na defesa das grandes conquistas revolucionárias, na luta pelos interesses dos trabalhadores contra as criminosas tentativas de recuperação capitalista, na luta por uma nova economia rumo ao socialismo, na luta pela independência nacional contra as ingerências do imperialismo na nossa pátria.

1976-05-29 - Em Frente com a Candidatura Popular de OTELO - GDUP

Em Frente com a Candidatura Popular de OTELO

TODOS AO PORTO - Praça General Humberto Delgado no dia 29 de Maio às 21,80 horas - onde se vai rea­lizar com a PARTICIPAÇÃO DE OTELO um Comício, organizado pelos ÓRGÃOS POPULARES DE BASE
NESTA GRANDE MANIFESTAÇÃO POPULAR SERÃO ANALIZADOS, ENTRE OUTROS, OS SEGUINTES PONTOS:
     a) O golpe militar fascista de 28 de Maio de 1926 — suas causas e consequências;
   b) Apoiar Otelo é pôr em marcha uma grande campanha de luta pela unidade do Povo Trabalhador, reforçar as suas organizações populares de base, lutar pela defesa dos seus interesses.
     Não faltes participa nesta jornada de luta anti-fascista

Grupo Dinamizador de Unidade Popular (GDUP)

GUIMARÃES

1976-05-29 - Luta Popular Nº 302 - MRPP

A «maioria de esquerda» em marcha
MÁRIO SOARES ADMITE P«C»P NO GOVERNO

«Poderá admitir-se uma possível participação do PCP no Governo», afirmou Mário Soares aos jornalistas,- chegado de Caracas onde participou na conferência da internacional Socialista.
«Há razões de natureza internacional que levam a crer ser possível unia transformação no Partido Comunista» — prosseguiu o líder «socialista», decerto inspirado pelos discursos e decisões tomadas nessa conferência cimeira, onde certos lacaios do social-imperialismo aproveitaram para usar de palavra, Falando fluentemente e com desembaraço Mário Soares continuou: «Houve uma modificação, uma modificação de palavras e até de atitudes, porque ele tem hoje um condicionalismo para actuar diferente daquele que existia antes do 25 de Novembro.» E mais à frente: «Existe gente no PCP que deseja colaborar honestamente no desenvolvimento da democracia em Portugal, e aceita as regras da democracia política. Isso um dia terá o seu peso e irá modificar, certamente, a orientação do Partido Comunista.»

1976-05-00 - Soldados em Luta - SUV

SOLDADOS EM LUTA
JORNAL DE ORGANIZAÇÃO E LUTA DOS S.U.V.

OS SOLDADOS E O SEU CANDIDATO À PRESIDÊNCIA DA REPUBLICA
Com o 25 de Abril, à medida que os trabalhadores iam avançando e reforçando a sua organização na luta, contra a miséria e a exploração, criou a burguesia o COPCON.
Desde o inicio esta força militar segundo os planos da burguesia destinava-se a reprimir os trabalhadores. É assim que a 7 de Fevereiro de 1975 os soldados são enviados para a rua como foram outras vezes com ordem para reprimir a grandiosa manifestação unitária, contra o imperialismo e o capitalismo. Foi também neste dia, e também pela primeira vez que os soldados se recusaram a reprimir os trabalhadores e com eles gritaram as mesmas palavras de ordem. A partir deste dia a burguesia apercebeu-se daquilo que se estava a passar no exercito. Nós soldados, a pouco e pouco tomávamos consciência da nossa condição de explorados, e começávamos a compreender que o nosso lugar, era ao lado dos nossos irmãos trabalhadores.

sábado, 28 de maio de 2016

1976-05-00 - Grupo de danças JOK - AAP- Urss


1976-05-28 - DECLARAÇÃO DE OCTÁVIO PATO CANDIDATO A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - PCP

COM O PCP pela democracia e pelo socialismo
DECLARAÇÃO DE OCTÁVIO PATO CANDIDATO A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

1. A apresentação da minha candidatura, como candidato de um Partido, o Partido Comunista Português, não altera o nosso ponto de vista segundo o qual o Presidente da República não deve realizar uma política de partido, mas uma política orientada pela preocupação fundamental da defesa da democracia portuguesa e dos preceitos e princípios consignados na Constituição.
São ainda muito vivas, activas e perigosas as forças da contra-revolução, fascistas e fascizantes, que pretendem rever a Constituição, liquidar a nossa jovem democracia e instaurar uma nova ditadura.
O combate a essas forças, o efectivo impedimento da violação da ordem democrática, a liquidação do terrorismo, a garantia do exercício das liberdades e direitos dos cidadãos em todo o território nacional, são tarefas fundamentais do novo regime cuja execução o Presidente da República deverá assegurar através do Governo.

1976-05-28 - O MRPP INFORMA O POVO Nº 10

Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado
      O MRPP INFORMA O POVO Nº 10
      28 MAIO 1976

UM ANO DEPOIS DO 28 DE MAIO
Boletim Informativo da Comissão de Imprensa do Comité Central do MRPP

É BOM QUE AS LIÇÕES SEJAM APRENDIDAS…
1. "O 26 de Maio era a data festiva de todos os reaccionários. Foi no dia 28 de Maio de 1671 que os operários de Paris, juntamente com as suas companheiras e com os filhos agarrando-se às saias das mães, foram fuzilados, os últimos resistentes, no muro de Pere Lachaise.
Em 28 de Maio de 1898, Lenine sofria o mais rude e o último dos interrogatórios da polícia czarista.
No dia 28 de Maio de 1926 todos vós sabeis o que aconteceu...
Mas faltava ainda saber que os socialistas em palavras e fascistas nos actos faziam do dia 28 de Maio a grande data dos mata-mouros do marxismo-leninismo, do socialismo científico e do movimento operário português. Falharam redondamente:"

1976-05-28 - Luta Popular Nº 301 - MRPP

EDITORIAL
PERSEVERAR NA LUTA UNIR-SE AO POVO E ATREVER-SE A OBTER VITÓRIAS!

O 28 de Maio era a data festiva de todos os reaccionários. Foi no dia 28 de Maio de 1871 que os operários de Paris, juntamente com as suas companheiras e com os filhos agarrando-se às saias das mães, foram fuzilados os últimos resistentes, no muro de Pére Lachaise. Em 28 de Maio de 1896, Lenine sofria o mais rude e o último dos interrogatórios da polícia czarista. No dia 28 de Maio de 1926 todos vós sabeis o que aconteceu... Mas faltava ainda saber que os socialistas em palavras e fascistas nos actos faziam do dia 28 de Maio a grande data dos mata-mouros do marxismo-leninismo, do socialismo científico e do movimento operário português. Falharam redondamente! (Aplausos.)
(Extracto da Alocução do camarada Arnaldo Matos no comício do 18 de Julho de 1975.)
I
Passa hoje um ano sobre a data de 28 de Maio de 1975, em que sob proposta do social-fascista coronel Varela Comes, planeado e executado pelo COPCON da direcção do ex-general Saraiva de Carvalho e levado a efeito por várias unidades militares entre as quais o Regimento de Comandos, o R.I.O.Q., a Escola Prática de Cavalaria de Santarém, o Regimento da Policia Militar, o R.A.L. 1, etc., teve lugar o cobarde ataque contra o nosso Partido crismado pelo nome de código a «Operação Turbilhão».

1976-05-00 - BASES PARA O PROGRAMA DE CANDIDATURA OTELO SARAIVA DE CARVALHO - GDUP

G.D.U.P.

 BASES PARA O PROGRAMA DE CANDIDATURA OTELO SARAIVA DE CARVALHO
Candidato à Presidência da República por imposição popular, comprometo-me perante os trabalhadores e o povo português, no caso de ser eleito, a garantir as condições para que o povo, unido e organizado, avance na resolução dos seus problemas a caminho de uma sociedade nova onde seja possível o exercício democrático do poder pelas classes trabalhadoras, a sociedade socialista.
Assim,
Comprometo-me a:
1. Assegurar a defesa da Constituição da República Portuguesa, conquista do povo, que deve ser posta ao serviço dos trabalhadores, dos assalariados do campo e da cidade, dos operários de indústria e dos pequenos e médios agricultores, dos funcionários públicos, dos professores e dos pequenos e médios rendeiros, dos técnicos e dos comerciantes pobres e remediados, dos empregados de escritório, da banca, dos seguros e do comércio.
Não consentir que as classes privilegiadas, que continuam a deter o poder, anulem o que existe de progressista na nossa lei fundamental.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

1976-05-27 - Bandeira Vermelha Nº 019 - PCP(R)

EDITORIAL
REUNIÃO NACIONAL DE QUADROS PROLETÁRIOS DO PARTIDO

Acontecimento novo na vida dos comunistas portugueses
A 1.° Reunião Nacional de Quadros Proletários que o nosso Partida acaba de realizar com pleno êxito é um acontecimento inteiramente novo na história do movimento comunista em Portugal desde 1921. Ao longo da vida do nosso Partido não havia ainda exemplo de se reunirem cerca de 70 quadros proletários, operários de grandes empresas vindos de todos os centros industriais do país, para debater todas as questões que se colocam ao Partido no momento actual- O desenrolar da reunião mostrou que não estavam ali apenas os quadros mais representativos do PCP(R) mas também os filhos e filhas mais revolucionários do heróico proletariado português. Isto só por si indica os grandes saltos em frente que demos desde há um ano.
Tema único da reunião: o processo de revolucionarização e de proletarização em curso no Partido. E não há dúvida que ela recebeu com esta reunião um impulso que a torna doravante imparável. Dezenas de camaradas operários passaram pela tribuna expondo desassombradamente, com energia de autênticos revolucionários, a sua opinião sobre as questões do Partido. Aquilo que se revelou ao longo da reunião foi que os quadros proletários tomaram a decisão inabalável de agarrar nas suas mãos os destinos do Partido, e que não estão dispostos a deixar perder jamais esta conquista. Durante longos anos, os nossos operários revolucionários estiveram reduzidos a uma situação de menoridade política, que causou prejuízos incalculáveis à revolução em Portugal: primeiro no Partido já gravemente doente, com a sua direcção tomada de assalto pelos oportunistas cunhalistas, que prepararam a sua degeneração no revisionismo; depois em 12 longos e negros anos de grupismo, em que os operários revolucionários que vinham às fileiras marxistas-leninistas em busca do Partido eram enganados e subjugados pelos caciques pequeno-burgueses. Agora tudo isso chegou ao fim. O indomável espírito revolucionário da nossa classe operária pode finalmente exprimir-se sem barreiras dentro do seu Partido reconstruído. Aquilo que o Congresso de Dezembro apenas esboçou começa agora a tomar corpo. Temos todas as razões para ser optimistas. Os operários comunistas retomaram plenamente a posse do seu Partido. Não passará muito tempo que o PCP(R) seja reconhecido sem reservas pela classe como a sua autêntica força de vanguarda para a revolução.

1976-05-27 - Revolução Nº 074 - PRP-BR

EDITORIAL

Um homem de direita disse a semana passada que na noite de 24 para 25 de Abril de 1974 tinham andado à procura de Costa Gomes para o meter no movimento Calúnia? ou: «Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades»? De qualquer modo prevemos que na noite de 27 para 28 de Maio de 1976 os reformistas terão que fazer o mesmo para o meter na candidatura E isto sempre com o Pato no bolso, claro para só o colocar em última instância Desgraçado jogo oportunista!
Enquanto isto se passa, um largo movimento de apoio, que ultrapassa as barreiras partidárias, rodeia a candidatura de Otelo Saraiva de Carvalho, candidato dos explorados contra a burguesia.
Dizem alguns trabalhadores que, se Otelo tivesse querido, tinha tornado possível a Revolução Socialista em Portugal, enquanto teve todo o poder no Copcon Talvez seja a verdade Mas, será correcto pensar que a revolução socialista depende de um homem e é feita por um homem? A Revolução Socialista tem de ser feita pelos trabalhadores armados, única forma de se dar a tomada do poder pelos trabalhadores e não por um punhado de homens nos quais os trabalhadores delegam o poder.

1976-05-27 - SOLDADOS ANTI-FASCISTAS SAF Nº 1 - Militares

SOLDADOS ANTI-FASCISTAS SAF Nº 1

CAMARADAS
Soldados anti-fascistas, conscientes dos graves problemas que afectam a nossa vida, quer civil (como trabalhadores quando sairmos), quer militar (a que vivemos actualmente), sentimo-nos com o dever de alertar todos os camaradas, para a necessidade de união entre todos os militares anti-fascistas.
Enquanto militares, somos trabalhadores fardados e armados, com a superior missão na defesa da independência Nacional, das liberdades e das conquistas alcançadas por nós e pelos nossos camaradas nas fábricas, nos campos e nos escritórios.

1976-05-27 - Unidade Popular Nº 081 - PCP(ml)

Qual dos dois mais gabarola e oportunista?
Pinheiro de Azevedo, candidato de Cunhal contra Ramalho Eanes

Pinheiro de Azevedo, Primeiro-Ministro do VI Governo Provisório, formalizou já a sua candidatura à Presidência da República. No nosso último número, desmascarámos o anti-social-fascismo postiço deste homem que se apresenta como um eleito, como um Cristo escolhido pelo povo para o cargo máximo do Estado português. O seu passado, o presente e o evoluir dos acontecimentos comprovam plenamente a nossa análise. As suas acções e as declarações públicas apresentam-no, de facto, não como um homem firme, mas como um pêndulo, como um oportunista que se quer na crista da onda. Não como um combatente contra o fascismo e o social-fascismo, mas como um colaboracionista, que serve aqueles que lhe dão mais garantias de o servir a ele. E, ademais, Pinheiro de Azevedo é um contraditório. Ele próprio no-lo diz, no-lo mostra com cada passo que dá.
Antes do 25 de Abril eram os negócios.

1976-05-27 - O SOCIAL-FASCISMO COMEMORA O 28 DE MAIO! - FEML

O SOCIAL-FASCISMO COMEMORA O 28 DE MAIO!

1 - O partido social-fascista do russo branco Barreirinhas Cunhal pela pena dos seus lacaios na Faculdade de Medicina decidiu convocar um colóquio para o dia 28 de Maio, de ataque e provocação ao maoismo, marxismo-leninismo da nossa época e logo, aos comunistas portugueses, ao MRPP.
2 - Sabemos já que o 28 de Maio era a data de todos os reaccionários.
 Assim no 28 de Maio de 1871 as tropas assassinas da burguesia francesa chacinaram junto aos muros do cemitério de Pere Lachaise os últimos e heróicos combatentes proletários da Comuna de Paris.
 Em 28 de Maio de 1926 os latifundiários, roceiros e monopolistas instituíram em Portugal um regime fascista de Salazar, que durante longos anos iria trazer as mais duras das repressões sobre os operários e o Povo português e o colonialismo mais feroz e rapinante sobre os Povos irmãos das colónias.
Em 28 de Maio de 1975, 432 anti-fascistas e anti-social-fascistas do MRPP são selvaticamente aprisionados e à sua frente o camarada Secretário-Geral Arnaldo Matos, as suas sedes saqueadas a devassadas em toda a região de e à volta de Lisboa, e tudo isto sob a batuta do social-fascista Varela Gomes e sob a orientação militar de Otelo Saraiva de Carvalho.

1976-05-27 - OS SOLDADOS E MARINHEIROS DEVEM APOIAR O "LUTA POPULAR” DIÁRIO! - MRPP

Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado

OS SOLDADOS E MARINHEIROS DEVEM APOIAR O "LUTA POPULAR” DIÁRIO!

VIVA A VII JORNADA NACIONAL DE FUNDOS TERÇA-FEIRA - DIA 1 JUNHO
AOS MARINHEIROS E MILITARES ANTI-FASCISTAS E ANTI-SOCIAL-FASCISTAS.

Camaradas:
Na próxima 3º feira dia 1 de Junho, vai realizar-se em todo o país a VII JORNADA NACIONAL DE FUNDOS de Apoio ao “LUTA POPULAR" Diário.
Grandes dificuldades atravessa neste momento o “LUTA POPULAR”. Algumas centenas de contos terão de ser entregues na primeira semana de Junho na tipografia de “O Século” onde neste momento o “LUTA POPULAR” é feito.
Por cada dificuldade que se ultrapassa, outras aparecem e sempre maiores, pois o “LUTA POPULAR” como jornal marxista-leninista que é tem imensos inimigos tanto no exterior como no interior nos quais se tem que dar um combate cerrado até ao seu desmascaramento.

1976-05-27 - Luta Popular Nº 300 - MRPP

O P«C»P e as eleições presidenciais
EMBAIXADOR NA URSS RECEBIDO POR COSTA GOMES

—  Embaixador de Portugal na U.R.S.S. não vinha a Portugal há um ano.
—  Pato: «Hipotética a candidatura do General Costa Gomes».
—  11.30 h: Comissão de Apoio à sua candidatura recebida em Belém.
—  Pinheiro de Azevedo: A face dum submarino do P«C»P.
—  Otelo candidata-se: O folclore da política.
Como o nosso jornal tem noticiado o partido social-fascista lançou nestes últimos tempos uma manobra de grande envergadura tentando impor a candidatura do general Costa Gomes. Homem da sua confiança, ele segundo os planos do P«C»P, ficaria numa segunda volta imposta — frente a frente com Eanes.
COMISSÃO DE APOIO RECEBIDA EM BELÉM
A comissão de apoio à sua candidatura é recebida agora às 11 horas no Palácio de Belém pelo próprio Presidente da República, em mais um encontro como tantos outros que se têm sucedido nestes últimos dias. Este, contudo tem o particular significado de obter do general uma posição definitiva — o nosso jornal conta, à hora do seu fecho poder ainda dá-la. Costa Gomes tem mantido uma posição reservada para ver o real alcance do apoio que o partido social-fascista — através dos seus submarinos do M«D»P-C«D»E, MUTI, GIS, etc., — lhe promete. Note-se que o GIS — grupo político suporte de Melo Antunes — também foi ontem recebido por Costa Gomes.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

1971-05-26 - A INFORMAÇÃO AO POVO CONTINUA! AS PRISÕES NUNCA O IMPEDIRÃO! - Movimento Estudantil

A INFORMAÇÃO AO POVO CONTINUA!
AS PRISÕES NUNCA O IMPEDIRÃO!

No dia 25 de Maio, depois de terem sido perseguidos dentro da sua Escola, são presos por uns sujeitos à "paisana" 3 estudantes da Faculdade de Ciências. Posteriormente veio-se a saber terem sido transportados para a prisão política de Caxias.
Qual a acusação? Segundo a D.G.S. (pelos vistos, os patrões dos sujeitos à "paisana"), por estarem a distribuir um "panfleto subversivo" à população: — O COMUNICADO AOS ESTUDANTES E À POPULAÇÃO, assinado pelas AAEE (as Associações de Estudantes).
Extremamente indignados com o acontecido, mais de meio milhar de estudantes da Faculdade de Ciências decidiram numa Reunião Geral de Alunos no dia seguinte exigir a imediata libertação de todos os colegas presos, fazer uma greve geral por dois dias e distribuir novamente à População esse mesmo comunicado das AAEE. Todos os alunos votaram a favor.

1976-05-26 - A FUSÃO "SÉCULO" - "DIÁRIO POPULAR" - PS

COMUNICADO
A FUSÃO "SÉCULO" - "DIÁRIO POPULAR"

Face à forma como está a ser conduzido, entre os trabalhadores, o debate sobre a fusão do “Século" com o "Diário Popular", os núcleos do PARTIDO SOCIALISTA das duas empresas consideram que devem chamar a atenção dos seus camaradas de trabalho para os seguintes pontos:
    1 - Os elementos do P.S., nos seus locais de trabalho, protestaram contra a urgência com que o Ministro da Comunicação Social exigiu uma reposta ao seu projecto de reestruturação da imprensa estatizada.
    2 - Os trabalhadores do P.S., nas empresas, sentem-se também preocupados com as situações que podem vir a ser criadas com o uso arbitrário do quadro de adidos ou, inclusivamente, com o recurso aos despedimentos.
    3 - Nunca o responsável governativo pelo sector deu qualquer esclarecimento público que assegurasse aos trabalhadores da imprensa estatizada os seus postos de trabalho, evitando no futuro o desemprego ou a transferência arbitrária para outras localidades.

1976-05-26 - Poder Popular Nº 42 - II Série - MES

OTELO O PRESIDENTE DO POVO

A candidatura de Otelo Saraiva de Carvalho é a candidatura do 25 de Abril. É a candidatura da liberdade, da democracia e do socialismo.
Só ela dá garantias de defender as conquistas obtidas através de duras lutas por parte das massas trabalhadoras, consagradas na Constituição, particularmente a Reforma Agrária, as nacionalizações, o controle operário e as liberdades do povo.
É uma candidatura em defesa da Independência Nacional, pondo os interesses do povo português acima das pressões estrangeiras ou das dominações dos blocos político-militares.
Ela salvaguarda a unidade do povo, impedindo a divisão entre a cidade e o campo, entre o Norte e o Sul, entre o continente e as ilhas. Ela visa a defesa e desenvolvimento das organizações populares de base, criando condições para o seu reforço e coordenação.
A candidatura de Otelo é a candidatura de todos quantos lutam por melhores condições de vida com emprego para todos e uma política popular nos domínios da habitação, saúde e ensino.

1976-05-26 - ORGANISMO DOS GRÁFICOS - PCP

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS

ORGANISMO DOS GRÁFICOS

Realiza-se no próximo sábado, dia 29, às 21 horas, no Campo Pequeno, um grande Comício do P.C.P. com o objectivo central de dar a conhecer, de forma clara e precisa, à população de Lisboa as razões da apresentação de uma candidatura autónoma do P.C.P. às eleições para a Presidência da República - e que relevam dos quatro grandes objectivos da acção política do Partido no actual momento:
1. Contribuir para a consolidação, estabilidade e prosseguimento do processo democrático;
2. Impedir a renovação duma santa aliança anticomunista e contribuir para a unidade da classe operária e das massas populares e para a aproximação das forças democráticas, designadamente de comunistas e socialistas;
3. Contribuir para a continuação da aliança do Povo com as Forças Armadas e para a unidade das Forças Armadas, na base dos princípios libertadores do 25 de Abril e da aplicação e defesa da Constituição;

1976-05-26 - Em Frente com a Candidatura dos Trabalhadores - Otelo

Em Frente com a Candidatura dos Trabalhadores
Em Frente com a Candidatura de Otelo

COMUNICADO
1.   No dia 19 de Maio a PRÓ-COMISSÃO DE UNIDADE POPULAR DE BEJA de APOIO A CANDIDATURA DE OTELO, promoveu tuna jornada de luta em homenagem à memória de Catarina Eufémia, assassinada em 1954 pela G.N.R.. Nesta jornada participaram delegações operárias da LISNAVE e da SETENAVE, muitos trabalhadores e os familiares de Catarina. No local onde a heróica trabalhadora foi assassinada, foi erguido um modesto pedestal, com o busto de Catarina, construído e oferecido por operários da Construção Civil, tendo em cima uma bandeira com a sua imagem e uma foice.
Para desmentido das calúnias levantadas pela grande imprensa burguesa, que pretendeu vincular partidariamente a UDP a esta jornada unitária, esclarece-se que a iniciativa do seu lançamento partiu de órgãos populares de base, integra dos na PRÓ-COMISSÃO de UNIDADE POPULAR de BEJA.

1976-05-26 - Luta Popular Nº 299 - MRPP

UM ENCONTRO CORRECTO, CORDIAL E DE ENTENDIMENTO

Estava marcado para ontem à tarde, com início às 15,30 h, um encontro entre uma delegação do Comité Central do nosso Partido com o General Ramalho Eanes candidato à eleição para a Presidência da República.
A delegação do Comité Central era encabeçada pelo camarada Arnaldo Matos secretário-geral do nosso Partido e constituída pelos camaradas João Machado e Fernando Rosas.
Alguns minutos antes da hora já se aglomeravam à entrada alguns repórteres de diversos jornais diários, ali destacados para cobrir o encontro.
Ao chegar ao número 16 da Avenida da República, a delegação do nosso Comité Central foi de imediato rodeada pelos repórteres presentes. O camarada Arnaldo Matos respondendo então a uma pergunta feita pelo «Luta Popular» acerca dos objectivos do encontro afirmou:
Este encontro destinasse a discutir com o General Ramalho Eanes a situação política actual e a atitude do nosso Partido face às eleições para a Presidência da República.

1976-05-26 - Relatório e resoluções do IXº Congresso Mundial da IVª Internacional (1969) - LCI

Relatório e resoluções do IXº Congresso Mundial da IVª Internacional (1969)

uma explicação necessária
PR. 1.00

sumario:
I. Uma explicação necessária – pag. 1
II. Documentos: Os acordos de 25 de Agosto – pag. 2
III. As bases políticas de uma evolução centrista – pag. 3
      a) O IIº Congresso – pag. 3
– MFA progressista – pag. 4
- O PCP e o estado Operário – pag. 5
b) do IIº ao IIIº Congresso da LCI (Agosto/Janeiro) – pag. 6

UMA EXPLICAÇÃO NECESSÁRIA
O Comité Central da Lci reuniu durante os dias 8 e 9 de Maio, para discutir o balanço da campanha eleitoral em que nos empenhamos e para estabelecer as formas de participação nas Presidenciais. Durante a reunião, alargada as                      direcções regionais e aos responsáveis locais, foi discutido o relatório da Comissão de Controle (eleita em Congresso) e foi votada a sua proposta de expulsão da organização de um membro e de um suplente do C.C.

1976-05-26 - PELA MOBILIZAÇÃO SINDICAL. PELO ESTATUTO DO PROFESSOR. - Sindicatos

SINDICATO DOS PROFESSORES DA ZONA NORTE
CIRCULAR Nº 71/76 GERAL

PELA MOBILIZAÇÃO SINDICAL. PELO ESTATUTO DO PROFESSOR.
Os professores, como classe trabalhadora, tem necessidade de um Estatuto que seja a sua actividade profissional e que coordene a sua integração na sociedade.
Como a classe já foi informada, através de uma notícia na Imprensa Diária e através da circular 58/76 da Direcção Sindical, está constituído e já em funcionamento um grupo de trabalho no Sindicato para a elaboração de um ante-projecto do Estatuto do Professor.
Propõe-se este grupo estudar os problemas directamente ligados ao professor, sua actividade profissional e estatuto sócio-económico. Para tal, a curto prazo, analisaremos todo o material elaborado pelo anterior grupo de trabalho, cuja actividade foi interrompida sem qualquer concretização dos seus objectivos, assim como as várias propostas já enviadas pelos Núcleos de Escola e que o anterior grupo de trabalho coligiu.

1976-05-26 - ENSINO PRIMÁRIO - Sindicatos

Sindicato dos professores DA ZONA NORTE DELEGAÇÃO DISTRITAL DO PORTO  
CIRCULAR Nº 70/76 PRIMÁRIO - 25 26-5-976

ENSINO PRIMÁRIO
AOS DELEGADOS SINDICAIS
Em circular nº 36/76 de 19/3/76 apelámos para que a "avaliação no ensino primário elementar" fosse discutida nas escolas.
Apela-se aos delegados sindicais para que transmitam, por escrito, a esta Delegação, a posição assumida nos núcleos sindicais de base, sobre o referido.
INFORMAÇÕES:
Em Assembleia Plenária Sectorial Distrital de 20/5/76 foi deliberado:
1. A antecipação dos concursos ao Quadro de Agregados para a 2ª. Quinzena de Julho;
2. Que nos concursos ao Quadro de Agregados se atenda à seguinte ordem de preferências:
a) Antiguidade (tempo de serviço);
b) valorização
c) residência;

quarta-feira, 25 de maio de 2016

1976-05-25 - CONTRA O DECRETO 294/76 UNIDADE COMBATIVA DE TODOS OS TRABALHADORES - UDP

CONTRA O DECRETO 294/76
UNIDADE COMBATIVA DE TODOS OS TRABALHADORES

Face ao Dec. 294/76 os trabalhadores da Função Publica iniciaram uma vigorosa movimentação de repúdio. De dezenas de locais de trabalho surgiram moções e propostas exigindo a revogação imediata do decreto que legaliza o nosso despedimento e apontando formas concretas de luta, mostrando a firme disposição combativa dos trabalhadores.
Em todos os locais onde não houve ainda RGTs devemos faze-las, discutir o decreto 294/76 e a ameaça que ele representa para nos e tomarmos posição firme quanto a ele.
O 294/76 não sai isolado. Faz parte de todo um corpo legal que o Governo vai fazendo sair aos poucos e que visa manter os trabalhadores da F.P. na situação de trabalhadores de 2ª! São decretos e despachos que, não revogando o estatuto disciplinar fascista, vão criando outro igual ou pior. São decretos que, além de manterem a desigualdade de salários com o sector privado, apontam agora claramente para o desemprego. Toda esta legislação, de que são exemplos o despacho anti-greve de 5 de Abril de 76, o Projecto de reclassificação do MAI e a própria Constituição, quando afirma e o trabalho na FP será regulado por legislação especial, tem que ser por nós conhecida e discutida.

1976-05-25 - O COMITÉ CENTRAL DO MRPP CONCLAMA A CLASSE OPERÁRIA E O POVO TRABALHADOR A APOIAR COM O SEU VOTO, DE FORMA MASSIVA E INEQUÍVOCA A CANDIDA­TURA QUE O NOSSO PARTIDO APOIA A CANDIDATURA DO GENERAL ANTÓNIO DOS SANTOS RAMALHO EANES. - MRPP

O COMITÉ CENTRAL DO MRPP CONCLAMA A CLASSE OPERÁRIA E O POVO TRABALHADOR A APOIAR COM O SEU VOTO, DE FORMA MASSIVA E INEQUÍVOCA A CANDIDATURA QUE O NOSSO PARTIDO APOIA A CANDIDATURA DO GENERAL ANTÓNIO DOS SANTOS RAMALHO EANES.

Em nome do Comité Central do meu Partido e em meu próprio nome, exprimo as mais vivas e calorosas saudações comunistas aos trabalhadores da Imprensa, da Rádio e da Televisão presentes.
1. As eleições para o cargo constitucional de Presidente da República revestem-se de uma importância muito particular no contexto da situação política actual e nas condições concretas da luta de classes no nosso país.
É preciso deixar desde logo bem claro que, para os marxistas-leninistas e para o proletariado revolucionário, a importância do acto eleitoral em curso não pode assentar - nem assenta - em nenhuma espécie de ilusões constitucionalistas; das que, abundantemente semeadas entre o povo pelos social-fascistas do P"C"P, pretendem fazer acreditar que o presidente a eleger, sob a égide da constituição vigente, poderá vir a ser o presidente duma república socialista.

1976-05-25 - A POSIÇÃO DO MRPP FACE ÀS ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - MRPP

   A POSIÇÃO DO MRPP FACE ÀS ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

ALOCUÇÃO DO CAMARADA ARNALDO MATOS NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA DE 25/5/76

Em nome do Comité Central do meu Partido o em meu próprio nome, exprimo as mais vivas o calorosas saudações comunistas aos trabalhadores da Imprensa, da Rádio e da Televisão presentes.
     1. As eleições para o cargo constitucional de Presidente da República revestem-se duma importância muito particular no contexto da situação política actual e nas condições concretas da luta de classes no nosso país.
É preciso deixar desde logo bem claro que, para os marxistas-leninistas e para o proletariado revolucionário, a importância do acto eleitoral em curso não pode assentar - nem assenta - em nenhuma espécie de ilusões constitucionalistas; das que, abundantemente semeadas entre o Povo pelos social-fascistas do P"C"P, pretendem fazer acreditar que o presidente a eleger, sob a égide da constituição vigente, poderá vir a ser o presidente duma república socialista.
A república que existe, e para a qual há que escolher o presidente, é a forma que reveste o Estado da classe dominante, isto é, a classe dos capitalistas. Ainda que viesse a ser eleito presidente um militante marxista-leninista do MRPP, nem por isso a república dos exploradores se transformaria, só por esse facto, na República Democrática Popular das classes exploradas e oprimidas.

1976-05-25 - OS TRABALHADORES DOS SINDICATOS DEVEM REDUZIR A PÓ AS MANOBRAS SOCIAL-FASCISTAS! - MRPP

OS TRABALHADORES DOS SINDICATOS DEVEM REDUZIR A PÓ AS MANOBRAS SOCIAL-FASCISTAS!

A luta dos trabalhadores empregados nos Sindicatos, por um contrato que lhes dê garantias mínimas de trabalho contra as arbitrariedades das direcções sindicais social-fascistas, desencadeou-se em Novembro de 1974.
Num plenário distrital então realizado era Lisboa, e convocado por um "grupo de trabalho" controlado pelos social-fascistas, confrontaram-se duas posições:
Uma, a dos caciques social-fascistas regidos pela batuta do pide Canais Rocha chefe de serviços no Sindicato dos Electricistas e à altura dirigente sindical no Sindicato dos Escritórios, e pelo agente do KGB e nazi Gonçalves - chefe de serviços e da repressão no Sindicato do Comércio, logo requisitado, para chefe da brigada de repressão social-fascista no Sindicato dos Metalúrgicos onde. por enquanto, ainda se mantém.
À boa maneira fascista, pretendiam esses dejectos da sociedade, impor contratos individuais de trabalho para os trabalhadores dos Sindicatos. Esperavam com isso obter a cobertura dos próprios trabalhadores para os ordenados de 15 e 20 contos e toda a espécie de garantias asseguradas à cacicagem revisionista, enquanto para os restantes trabalhadores, continuava a vigorar a maior exploração e repressão, não pagando sequer a alguns o ordenado mínimo nacional (então 3 300$00), e a mandar para a rua, sem apelo nem agravo, todos os que lhes faziam sombra. Num momento em que os social-fascistas estavam em pleno assalto aos Sindicatos, precisavam de correr com os trabalhadores anti-fascistas e anti-social-fascistas e povoar os sindicatos com brigadas e bandos de marginais da UE"C" MJ"T"/UJ"C".

1976-05-25 - Luta Popular Nº 298 - MRPP

A Comissão de «Extinção» da Pide
RESPOSTAS CLARAS A PERGUNTAS CLARAS

A questão já velha da extinção da PIDE está de novo na ordem do dia. Declarações de Sousa e Castro actual responsável da Comissão dita de Extinção da PIDE, decisões do C.R., entre outros acontecimentos são disso prova clara. No entanto, no nosso entender continuam-se a tentar esconder a realidade do que foi até hoje o chamado processo de extinção da PIDE, sendo portanto necessário dar respostas claras a um certo número de perguntas claras.
«Queríamos participar no 25 de Abril mas não nos deixaram». Este lamento dos Pides amotinados na Penitenciária revela na sua crueza, qual a posição da PEDE face ao golpe militar que derrubou a camarilha Marcelista e a sua própria participação em todo o processo.
Nos planos iniciais dos golpistas jamais se inscreveu a extinção da PIDE. Face no entanto, ao impetuoso movimento popular que de imediato se levantou contra os piores inimigos do povo, a grande burguesia monopolista participante no golpe recuou nos seus intentos.

1976-05-25 - BOLETIM INTERNO Nº 6 - INE - Comissões de Trabalhadores

BOLETIM INTERNO Nº 6

25-5-76
Orgãos informativo dos trabalhadores do INE

ÀS TENTATIVAS DE DIVISÃO POR PARTE DO GOVERNO OS TRABALHADORES SABERÃO OPOR A SUA UNIDADE E FIRMEZA

A NOSSA LUTA SÓ PODE AVANÇAR COM A PARTICIPAÇÃO MASSIVA DE TODOS OS TRABALHADORES. NA AGT DESTA TARDE É IMPRESCINDÍVEL A TUA PRESENÇA, POIS TRADUZIRÁ A NOSSA UNIDADE E MOBILIZAÇÃO - CONDIÇÃO INDISPENSÁVEL PARA A OBTENÇÃO DO SUBSÍDIO DE ALMOÇO.
TODOS À A.G.T. HOJE ÀS 15h 30m

CAMARADAS:
Há dois anos que vimos exigindo o subsídio de almoço; desde a formação da CT em Novembro a nossa luta avançou com bases mais firmes e decididas.
No entanto, e depois da nossa concentração na Secretaria de Estado, depois de quinze dias de contactos, ou de tentativas de contactos..., com os membros do governo, depois de três dias de retenção da informação estatística, nada conseguimos.

1976-05-00 - Democracia 76 Nº 05 - CDS

EDITORIAL

Decorrido um mês sobre a data das eleições para a Assembleia da República é chegada a altura de reflectir, já sem a carga emocional que naturalmente se apossou de todos nós, sobre as mesmas. Para o CDS saldaram-se as mesmas num triunfo por várias razões de que vamos realçar quatro:
Em primeiro lugar os objectivos fixados pelo Conselho Nacional reunido em Aveiro em Maio de 1975 foram alcançados. Eram eles: a duplicação do número de votos obtidos em 1975 e a ultrapassagem do Partido Comunista Português.
Na realidade, a percentagem de votos CDS aumentou para mais do dobro, os deputados centristas na Assembleia da República não serão em número de dezasseis como sucedeu na Constituinte, mas sim quarenta e dois e o Partido Comunista Português foi relegado para a quarta posição, de pouco lhe valendo o não aparecimento na corrida eleitoral do MDP/CDE.
Em segundo lugar, o CDS foi o único dos quatro grandes partidos a aumentar o número de votos, afirmando-se como uma força de primeira grandeza no panorama político português.

terça-feira, 24 de maio de 2016

1976-05-24 - Avaliemos pela prática O QUE É O MRPP - Militares

Avaliemos pela prática O QUE É O MRPP

O M.R.P.P, (Movimento dos Retornados e Polícia Política) deve estar a compensar as deserções frequentes das suas fileiras. E já não é só com marginais não qualificados. Essa era foi ultrapassada. Hoje, recrutando os torturadores profissionais da Pide já libertados, aumentam os seus quadros e ganham coragem para "grandes feitos”.
Com grande experiência na prática das torturas, da violência e da coacção, espancaram há poucos dias, 3 dos seus ex-militantes, ameaçaram matá-los e violar as mulheres de dois deles.

1976-05-24 - 1ª CONFERENCIA NACIONAL DA FEM-L SOBRE O TRABALHO ASSOCIATIVO

Federação dos Estudantes Marxistas-Leninistas
Organização do MRPP para a Juventude Comunista Estudantil

1ª CONFERENCIA NACIONAL DA FEM-L SOBRE O TRABALHO ASSOCIATIVO
CIRCULAR CONVOCATÓRIA

COMITÉ ESTRELA VERMELHA-RIBEIRO SANTOS COMITÉ CENTRAL DA FEM-L REUNIÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA DE 24 DE MAIO DE 1976

I
1 - Analisando o significado político do último Encontro Nacional das Associações de Estudantes do Ensino Secundário, Médio e Superior e fazer, do balanço da actual situação no Movimento Associativo, o Comité Estrela Vermelha-Ribeiro Santos, Comité Central da Federação dos Estudantes Marxistas-Leninistas, na sua Reunião Plenária Ordinária de 24 de Maio, decidiu convocar a 13 Conferência Nacional da FEM-L. Sobre o Trabalho Associativo, a realizar em Lisboa, nos dias 5 e 6 de Junho, na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa.

1976-05-24 - Luta Popular Nº 297 - MRPP

Os manejos social-fascistas
E A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

—  Costa Gomes: um sim na quinta-feira (diz a comissão)
—  Os apoios de Pinheiro de Azevedo
—  Um colonialista sem máscara

«O general Costa Gomes não disse não. Reservou a sua opinião. Soube que a montagem da comissão cresce. A sua opinião tem de ser reflectida e para já está a estabelecer contactos a vários níveis.
Estamos muito animados e achamos natural que ele nos diga que sim na quinta-feira», afirmou um dos membros da comissão de apoio à candidatura de Costa Gomes à Presidência da República.
Esta comissão teve no sábado uma reunião no Instituto Superior Técnico, onde foi reafirmada a esperança de que o general Costa Gomes viesse a aceitar a candidatura. «A sua opinião tem de ser reflectida» traduz, de facto, a posição actual do general, que não se atrevera a tomar uma decisão sem ver um grande movimento de apoio.

1976-05-24 - Jornal da Greve Nº 81 - EFACEC

EDITORIAL

Camaradas
Este suplemento do JG 81 é fundamentalmente dedicado à aparição de mais um jornal de trabalhadores na empresa. Desta vez foram os camaradas de Arroteia-Maia que tomaram nas suas mãos a árdua tarefa de elaborar um jornal que sirva os interesses proletários da maioria dos trabalhadores, saudamos pois os camaradas do Porto por mais esta iniciativa.
O seu primeiro número além do Editorial "NEM UNIDADE SEM LUTA, NEM LUTA SEM UNIDADE" temos um artigo sobre “A QUEM SERVE A CENTRAL NUCLEAR NO NOSSO PAÍS" artigo esse que publicamos na página 4.
Outro assunto de grande importância foi abordado no jornal dos trabalhadores de CN, no seu número 15, e trata da "Carta do Costa Reis enviada ao Governador Civil do Porto” "queixando-se" do Secretário do Trabalho. Tal assunto abordado de forma superficial no JG 78 é agora completado quer pela transcrição do Comunicado da Comissão de Trabalhadores de CN nº 28, quer pela publicação da própria carta, quer ainda pela justa resposta dos trabalhadores de CN.

1976-05-24 - MOÇÃO - Sindicatos


Para ver a totalidade do documento em PDF clik AQUI

Arquivo