quinta-feira, 30 de abril de 2015

1975-04-30 - Unidade Nº 10 - MDP/CDE

 PRIMEIRAS ELEIÇÕES EM LIBERDADE

REALIZARAM-SE no passado dia 25 as primeiras eleições livres em Portugal. Depois de 48 anos de opressão, o povo português teve oportunidade de participar, pelo voto, na vida política do País. E fê-lo em massa, pois de 6.176.559 eleitores inscritos, votaram 5.665.707, o que dá uma percentagem de 91,75 por cento. O dia 25 de Abril de 1975, além de ser a data do primeiro aniversário da Revolução que derrubou o fascismo, fica a constituir marco importante na vida do Pais foi com alegria, por vezes com ar festivo, que os portugueses votaram, de Norte a Sul de Portugal, na eleição dos deputados à Assembleia Constituinte,
Pelo MDP/CDE foram eleitos cinco deputados, sendo, no conjunto, a distribuição pelos partidos feita fia seguinte forma:
Partido Socialista, 116 deputados; Partido Popular Democrático, 80; Partido Comunista, 30; CDS 16; MDP CDE, 5; e UDP, 1
O nosso Partido obteve em todo o País 233 362 votos, o que corresponde a percentagem de 4,12%. Não se conhece ainda o resultado do círculo dos emigrantes, a que o MDP também concorreu.

1975-04-30 - Esquerda Socialista Nº 27 - MES

VIVA O 1.° DE MAIO

A unidade revolucionária dos trabalhadores, a unidade revolucionária dos explorados e oprimidos, é a arma fundamental da luta contra o capitalismo, contra a exploração e a opressão.
A classe operária organizada e unidade aos seus aliados históricos, o proletariado rural, os restantes trabalhadores, o campesinato pobre, os soldados, marinheiros e oficiais progressistas tudo pode levar por diante, é uma força imparável.
O 1.° de Maio como jornada internacionalista de luta dos trabalhadores de todo o mundo tem mostrado isto mesmo. É por isto camaradas trabalhadores, soldados e marinheiros que o 1.° de Maio de 1975 em Portugal tem que ser antes de tudo um momento em que os trabalhadores reconheçam a sua própria força.
É por isto camarada que o 1.° de Maio de 1975 em Portugal tem de contribuir para o reforço da unidade do povo trabalhador, que continua a ser explorado e oprimido e a viver e trabalhar em péssimas condições.

1975-04-30 - Combate Socialista Nº 10 - II Série - PRT

depois dos eleições
Os Perigos Aumentam

Em quase todas as primeiras páginas dos jornais, nas emissões da rádio e da televisão, sobressai em grandes parangonas um balanço sumário das eleições: «Reforçada a Aliança Povo-MFA»; ou «Confirmada a Via Socialista».
No entanto, qualquer um poderia tirar estas conclusões e compor estas frases jornalísticas muito antes de serem conhecidos os resultados das eleições. De facto, não foi isto o que as eleições revelaram. Já todos sabíamos que esta Constituinte não iria contestar o papel do MFA como «motor» do processo. Sabíamos que, por um lado, as nacionalizações da banca, dos seguros, dos transportes, etc., não podiam «voltar atrás» e, por outro, a luta operária e popular pelo socialismo não podia dar qualquer salto em frente que marcasse uma transformação qualitativa e escapasse ao controle do MFA. As regras do jogo estavam perfeitamente definidas, a Constituinte estava perfeitamente mutilada e em nenhum caso poderia contestar o papel arbitrai do MFA ou a politica de conciliação que ele procura levar a cabo. Estas eram as regras que a institucionalização do MFA definia para o jogo eleitoral e que os partidos burgueses e os grandes partidos operários aceitaram ao assinar o «Pacto-Plataforma de Acordo Constitucional».

1975-04-30 - ESTUDANTES AO LADO DO POVO NO 1º DE MAIO COMO SEMPRE! - Movimento Estudantil

ESTUDANTES AO LADO DO POVO NO 1º DE MAIO COMO SEMPRE!
TODOS A MANIFESTAÇÃO POPULAR DE UMA FORMA ORGANIZADA!

Aquilo que está escrito no programa da Associação no ponto II-C sobre o apoio à luta dos trabalhadores, "Para que a luta sindical dos estudantes sirva e faça parte da luta progressista das classes trabalhadoras é necessário que haja uma comunidade de motivos e objectivos dessas lutas.
Assim, os estudantes progressistas, querendo contribuir para a transformação da saciedade, querendo lutar sob a direcção das mascas trabalhadoras por uma sociedade dirigida e controlada por elas, apoiarão e divulgarão todas as suas lutas, procurando ganhar para esta justa causa um cada vez maior número de estudantes, tem nesta data uma aplicação importante.
Tendo conhecimento de várias comemorações que têm lugar no 1º de MAIO a direcção estudou a melhor maneira de chamar os estudantes a participar organizadamente ao lado dos trabalhadores. Como várias alternativas se põem, a direcção, da análise das orientações dadas a cada uma das comemorações, chegou à conclusão que a linha progressista da nossa Associação, contra o fascismo, contra o colonialismo e o imperialismo, pela destruição do actual domínio da burguesia e pela modificação de una sociedade em que o poder pertença a quem trabalha, nos obriga a chamar os estudantes a incorporarem-se na manifestação que é realizada às 15 horas no CARMO.

1975-04-30 - VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO - Cooperativa Livrope

VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO

É amanhã o 1º de Maio! É um grande dia dos operários de todo o mundo que, ou o comemoram em festa, pelas vitórias alcançadas, ou o celebram em luta contra os seus inimigos ainda não derrotados.
A esta jornada se associam sempre os seus aliados de classe, os irmãos do campo em primeiro lugar e todos os outros sectores susceptíveis de se­rem unidos para a revolução, nos quais se integram todos os progressistas, patriotas e anti-fascistas.
Que primeiro de Maio vamos ter este ano em Portugal? De "festança, ou de luta? De ilusão ou de consciência de classe? Das massas populares sob as bandeiras amarelas de todos os partidos traidores, ou de milhares de "operários, e camponeses, soldados e marinheiros, intelectuais e estudan­tes, democratas, patriotas e anti-fascistas, sob a rubra bandeira da cabeça do proletariado revolucionário, do seu futuro Partido? A pactuação mais descarada ou a luta dura contra os exploradores de todos os matizes? A esta pergunta as massas populares têm vindo a responder, de forma crescente pelo caminho correcto.

1975-04-30 - VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO! - FEML

VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO!

À JUVENTUDE ESTUDANTIL DE BRAGA:

Camaradas: 
1 – Aproxima-se o lº de Maio e nas hostes proletárias reina um grande sentimento de mobilização, de luta e de vitória. Se cada dia é uma de combate o 1º de Maio sintetiza todo o esforço despendido, luta e toda a confiança na vitória, que nos dias todos de um ano, os proletários é proletárias põem na sua vida. Por isso mesmo ele é a festa do proletariado e um dia mais na luta da classe opera ria e do povo pela sua emancipação e libertação da humanidade.
Não ficarão impunes os séculos de terror e de humilhação sobre os assalariados e os condenados da terra; não é impunemente que o imperialismo e social-imperialismo agridem, invadem e exploram os povos e as pátrias de todo o mundo; não é sem punição que a burguesia exploradora extrai a mais valia e sujeita à mais crua e dura das misérias os operários das fábricas, os assalariados agrícolas, todo o povo camponês e todas as Classes e camadas de classe exploradas e oprimidas. O 1º de Maio é o símbolo vivo da certeza da classe operária e do povo de que um mundo novo há-de nascer, o do poder popular no caminho do Socialismo e do Comunismo, e é um passo mais em frente grande via da Revolução Democrática e Popular.

1975-04-30 - DENUNCIEMOS E CASTIGUEMOS OS PROVOCADORES SOCIAL FASCISTAS DO R.A.L. 1 - RPAC

DENUNCIEMOS E CASTIGUEMOS OS PROVOCADORES SOCIAL FASCISTAS DO R.A.L. 1

ACERCA DA AGRESSÃO TERRORISTA DO ALF. CORVELO, ALF. SIMÕES E ASP. COSTA CONTRA ANTI-FASCISTAS QUE COLAVAM CARTAZES EM MOSCAVIDE

CAMARADAS;
Na noite de 25 para 26 de Atril, os conhecidos membros do partido social-fascistas de Barreirinhas Cunhal, Alf. CORVELO da 2º Cart., Alf. SIMÕES da Formação e Asp. COSTA da 2 Cart., saíram furtivamente do quartel com alguns camaradas soldados a quem esconderam as suas intenções, chamados pelos caciques do P”C"P de moscavide, para reprimirem uma brigada do MRPP que procedia à colagem de cartazes para o comício do dia 27 no Campo Pequeno. Estes social-fascistas agindo directamente sob as ordens do seu partido, que faz as vezes da pide, chegando ao ponto de os seus membros de armas na mão prenderem de madrugada em casa revolucionários e anti-fascistas, dirigiram-se rapidamente a Moscavide sem terem dado conhecimento a ninguém, escondendo assim as suas sinistras intenções aos soldados e militares anti-fascistas da nossa unidade, pois se a revelassem seriam logo desmascarados e impedidos de sair do quartel.

1975-04-30 - VIVA O 1º MAIO VERMELHO! - RPAC

VIVA O 1º MAIO VERMELHO!

Aos soldados e militares anti-fascistas do R.S. Transportes
CAMARADAS:
Já por inúmeras vezes, os soldados e militares anti-fascistas do nosso quartel, tiveram posições inteiramente justas, no decorrer deste ano que passou, desde o golpe militar de 25 de Abril.
São disso exemplo as lutas pelo melhoramento do rancho que culminaram com o vitorioso levantamento de rancho de 8 de Novembro de 74 a justa exigência do fuzilamento imediato de todos os fascistas implicados no golpe de 11 de Março e de todos os pides, sem esquecer o apoio dado ao comício de solidariedade militante com os povos da Indochina no dia 10 de Abril.
A miséria, a fome, o desemprego, a repressão e exploração abatem-se sobre o nosso povo, com maior intensidade, à medida que a ditadura militar vai tomando aspectos cada vez mais ferozes.
Foram efectuadas nestas ultimas semanas, centenas de prisões a anti-fascistas, entre os quais bastantes soldados, que neste momento lutam nas cadeias da nova-pide pela liberdade.

1975-04-30 - JÁ ERA TEMPO DE SE DEMITIREM! - MRPP

JÁ ERA TEMPO DE SE DEMITIREM!

O Poleiro do galinheiro foi ocupado por outro galo, mas as galinhas continuam as mesmas. A Câmara de Peniche tem depois do 1º de Maio do ano passado novos dirigentes, mais tais como os antigos, nada tem feito pelos interesses do povo. O seu procedimento tem sido, tal como os anteriores dirigentes anti-popular, assim agiram contra os moradores do bairro da Caixa, bem como com todos os problemas do povo de Peniche.
Os novos senhores da Câmara são muito mais rápidos a chegar à tesouraria de onde levantam os seus chorudos ordenados que a resolver os problemas do povo.
Não só tem os senhores que se dizem "democratas" calado o ouvido aos anseios da população, como tem berrado e gemido provocações contra o nosso partido - o glorioso MRPP.
O próprio presidente da Câmara conhecedor do ataque feito à delegação do MRPP em Peniche pelos social-fascistas do P”C”P e seus filhotes do MDP/CDE onde se destacaram os falsos comunistas Batata e Batim, encobriu e tentou calar os acontecimentos. Isto mostra bem a aliança entre ele e os seus comparsas.

1975-04-30 - AS VIDAS DO CAMARADA ARNALDO MATOS E DOS MEMBROS DO COMITE CENTRAL CORREM PERIGO! - MRPP

AS VIDAS DO CAMARADA ARNALDO MATOS E DOS MEMBROS DO COMITE CENTRAL CORREM PERIGO!

Em Caxias, a repressão terrorista da nova-pide, os comunistas, tendo à sua cabeça o camarada Arnaldo Matos, opõem a firme resistência revolucionária.
Camaradas grávidas são espancadas e provocadas; as celas são inundadas de água; com o fim de isolar os presos um a um, o COPCON atacou os nossos camaradas, que se barricaram, a metralhadora e com gazes lacrimogéneos; os camaradas que saem trazem as marcas visíveis dos maus tractos; a usa camarada partiram-lhe o braço a coronhada enquanto outras foram arrastadas pelos cabelos; aos camaradas feridos não é dada qualquer assistência médica; a nova-pide, ao mesmo tempo que assobia os hinos revisionistas, ameaça com a morta; os nossos camaradas resistem heroicamente, de cabeça erguida, dispostos a lutar e a morrer pela causa imortal do nosso povo e pela linha vermelha do nosso Movimento, unidos como aço a volta do camarada ARNALDO MATOS. Os assassinos coloniais põem em prática toda a sua experiência no massacre aos povos irmãos das colónias.

1975-04-05-00 - O Grito do Povo - OCMLP - I Série - Nº 040

EDITORIAL

Lenine falava das eleições como um teste para as nossas próprias forças! E é verdade que esse foi um dado inestimável que nos forneceu a participação dos comunistas marxistas-leninistas nas eleições burguesas.
Interessa pois, analisarmos os principais aspectos da nossa participação na campanha para assim extrairmos as principais lições.

CAMPANHA DE PROPAGANDA
No respeitante à propaganda propriamente dita, ela ressentiu-se de uma pesada falta de experiência. Muitas intervenções públicas e no uso dos meios de comunicação foram pouco correctas no plano propagandístico e outras houve francamente más. Para isto concorreu a falta de planificação no lançamento da campanha e a falta de conhecimento do terreno a que nos lançamos, de certa maneira, bruscamente. A mobilização intensa de novas forças e de uma actividade propagandística extremamente intensa nem sempre foi acompanhada do devido controle político, nem um estilo marxista-leninista de trabalho foi sempre o cunho principal da organização da propaganda.

1975-04-00 - 1° DE MAIO Todos ao Carmo, às 15 horas


O 1.º DE MAIO é o dia Internacional doa trabalhadores. Para os trabalhadores portugueses é um dia de festa e luta. 1 ano após o derrubamento do regime fascista, a classe operária e o povo lutam pela sua unidade e organização, na luta contra o fascismo, o capitalismo e o imperialismo. Em todo o mundo os trabalhadores reforçam a sua unidade e o internacionalismo proletário.
A FEC-ML, com a UDP e o PUP, apoia a convocatória do OCMLP, ORPC e CM-LP.

Morte ao fascismo e a quem o apoiar!
Morte ao Imperialismo o ao Social-imperialismo!
Fora a NATO! Fora a CIA! Independência Nacional!
Viva a classe operária!
Abaixo a exploração capitalista!
Pela Revolução Popular! Pelo Socialismo! Pelo Comunismo I


Gráfica Matadouro — 30.000 ex. — 4/975

quarta-feira, 29 de abril de 2015

1975-04-29 - Voz do Povo Nº 039 - UDP

Editorial

O que representam as eleições para a classe operária
As tentativas feitas pela burguesia a fim de retirar o cunho de classe burguês das eleições não surtiram efeito. Estas aparecem, perante os olhos de todos os operários e camponeses pobres conscientes, como um acto puramente formal, afastado de qualquer participação efectiva, no poder, por parte do povo. O poder continua nas mãos da burguesia. Os trabalhadores têm de produzir mais e melhor, como aconselham os ministros revisionistas, social-democratas ou fascistas com vestes ‘democráticas’. Todos eles, dos revisionistas de Cunhal aossocialistas’ de Soares, dos fascistas envergonhados de Sá Carneiro aos fascistas declarados de Freitas do Amaral, todos eles estão de acordo num ponto fundamental: continuar a exploração desenfreada da classe operária. É contra essa exploração, ponto comum de toda a burguesia, que a classe operária responde: Vigilância popular contra os falsos amigos do povo!
O norte da classe operária é a democracia popular dos trabalhadores, única via para o verdadeiro socialismo!

1975-04-29 - SESSÃO DE ESCLARECIMENTO - O Grito do Povo

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO 

Promovida pelo jornal comunista O GRITO DO POVO
Sobre a linha sindical aprovada na conferência sindical da O.C.M.L.P.

TERÇA-FEIRA DIA 29 às 21,30 no Grupo dos Modestos, rua Gonçalo Cristóvão em frente ao J.N.

1975-04-29 - NA RUA OU NO QUARTEL O 1º DE MAIO É VERMELHO! - RPAC

EM FRENTE NA GRANDE VIA DA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR!

NA RUA OU NO QUARTEL O 1º DE MAIO É VERMELHO!

CAMARADAS SOLDADOS DO RIP
O 1º de Maio Vermelho é o dia em que os explorados e oprimidos de todo o mundo, vêm para a rua manifestar-se contra os exploradores e opressores do povo, pois camaradas enquanto existir esta classe, o povo não deixa de lutar para que essa escumalha seja posta fora do poder. Nos, soldados, também temos, uma palavra a dizer, pois embora dentro dos quartéis, continuamos à mesma a ser explorados e oprimidos e a ser instrumentos da política, fascista e social-fascista da burguesia, política da maior exploração e opressão para o povo. É assim que se explica que enquanto a burguesia põe no desemprego e na miséria um cada vez maior número de trabalhadores, se sirva dos soldados, que nada recebem em troca, para executarem trabalhos, como sucede agora no nosso quartel, onde o fascista capitão Ramalho anda a recrutar soldados para irem construir uma estrada em St. Tirso. A nossa resposta deve ser só uma; a recusa. A nossa posição é ao lado da classe operária pondo as nossas armas ao seu serviço na via da Revolução Democrática e Popular.

1975-04-29 - O 1º DE MAIO É DIA DE LUTA PARA O POVO E OS SOLDADOS E MARINHEIROS! - RPAC

O 1º DE MAIO É DIA DE LUTA PARA O POVO E OS SOLDADOS E MARINHEIROS!

TODOS AO ROSSIO - Confraternização 15 h.
Manifestação 18 h.

CAMARADAS SOLDADOS E MARINHEIROS:
O 1º de Maio é o dia em que os explorados e oprimidos do mundo capitalista assinalam as suas vitórias na dura luta contra a exploração, a opressão e a violência reaccionária. É o dia em que os povos do mundo inteiro exprimem os seus profundos sentimentos internacionalistas estreitam ainda mais os laços que os unem no combate comum contra o fascismo, o imperialismo e o social-imperialismo.
Nos países em que a classe operária tonou o poder, como.na República Popular da China e na Albânia Socialista, este dia é um dia de festa, de alegria e de vitória.
E para nós camaradas, e para o nosso povo, que significado tem o 1º. de Maio de 1975?
De se entender, como o fazem os social-fascistas do partido vende-pátrias do ministro Barreirinhas Cunhal e todos os partidos conciliadores, que com o 25 de Abril o povo alcançou a liberdade e a democracia, se se aceitar que ele se tornou senhor dos seus destinos, de se pensar que o ano que passou foi um ano de felicidade e de bem estar para as massas populares, então o 1º. de Maio, é um dia de festa, mas uma festa em que os explorados se regozijam pela própria exploração e miséria a que têm sido sujeitos.

1975-04-29 - ABAIXO A REPRESSÃO MILITAR-FASCISTA! VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO! - RPAC

ABAIXO A REPRESSÃO MILITAR-FASCISTA!
VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO!

AOS SOLDADOS E MILITARES DE ÉVORA!
A TODO O POVO DE ÉVORA!

CAMARADAS:
Ontem, dia 28 de Abril, foi preso o 2º furriel miliciano RAUL COELHO, do D.R.M.16 de Évora, quando pretendia visitar os anti-fascistas presos em OLHÃO e que se encontram presos no PRESIDIO MILITAR DE SANTARÉM, onde este camarada foi detido e preso.
Esta prisão, vem no seguimento da vaga de prisões que a NOVA-PIDE-COPCON vem fazendo e entre as quais se contam:
- de 3 de Abril a 12 de Abril 200 prisões de patriotas, democratas e anti-fascistas!
- ARNALDO MATOS, secretário geral do MRPP e HORACIO CRESPO do Comité Central do mesmo Partido!
- 28 camaradas de OLHÃO, pela calada da noite de 22 para 23 de Abril, acompanhada de as­salto, saque e destruição da sede do MRPP nessa vila, feita pelo COPCON do RIF e por bufos social-fascistas do P"C"P com ele conluiados.

1975-04-29 - VIVA O 1º de MAIO VERMELHO - MRPP

VIVA O 1º de MAIO VERMELHO

TODOS AO ROSSIO 1° de MAIO
15 horas CONFRATERNIZAÇÃO
17 HORAS - MANIFESTAÇÃO POPULAR CAMARADAS:

Eis o dia 1º de Maio, dia em que os operários de todo o mundo cele­bram o seu despertar para a tomada do Leme da Sociedade, celebram a sua união na luta contra toda a repressão e toda a opressão do homem pelo homem, na luta que deve libertar milhões de trabalhadores da fome, da miséria e da humilhação.
Como nos diz o grande Estaline todas as classes têm as suas festas para festejar os seus ideais e os objectivos que visam. O proletariado internacional escolheu o 1º de Maio para sua festa. Nesse dia os prole­tários de todos os países numa demonstração de força e de poder parali­sam o trabalho e vêm para a rua proclamar bem alto que lutam pelo fim da exploração do homem pelo homem, que lutam para que o produto do seu tra­balho pertença a quem o produz, que não estão dispostos a submeterem-se à escravatura capitalista, que não estão dispostos a verem o seu suor ser transformado em banha do capitalista.

1975-04-29 - VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO! - MRPP

VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO!

VIVA A BANDEIRA VERMELHA!
VIVA O PARTIDO!

O 1º de Maio Vermelho de 1975 é dia de luta, dia do passar revista tropas do proletariado, ao exército doa explorados e oprimidos, dos operários e camponeses, dia de balanço da actividade de mais um ano de lutas duras, de dificuldades e vitórias, dia de reagrupamento e preparação de forças para novas batalhas que se avizinhara, de um novo impulso e cerrar de dentes, com vista à destruição do poder despótico do Capital e à instauração do poder novo e da Republica nova, democrática e popular.
Para os revisionistas do partido lacaio e traidor do ministro Barreirinhas Cunhal o 1º de Maio não é vermelho, mas amarelo, não é um dia de luta, mas de conciliação, não é uma preparação de forças para novas batalhas, mas uma passeata, um arraial minhoto destinado a quebrar a combatividade revolucionária do povo.
O 1º de Maio de 1975 vai realizar-se no nosso país numa altura em que o nosso país ocupa o centro dos centros da disputa entre as duas superpotências. As duas superpotências querem acertar as contas na Europa, criar no nosso continente uma certa estabilidade relativa que lhes permita depois usar o grosso, das suas forças no cerco e ataque à Grande República Popular da China base vermelha da Revolução Mundial e à Republica Popular da Albânia, farol revolucionário da europa.

1975-04-29 - O PRIMEIRO DE MAIO E VERMELHO! - MRPP

LUTEMOS PELA MOBILIZAÇÃO DE TODAS AS FORÇAS PARA A FUNDAÇÃO DO PARTIDO

O PRIMEIRO DE MAIO E VERMELHO! 

TODOS À MANIFESTAÇÃO POPULAR
PRAÇA D. JOÃO I, ÀS 18 HORAS
A CLASSE OPERARIA E AO POVO DO PORTO!

CAMARADAS:
Na situação política actual e depois de concluída a farsa eleitoral tão «livre» como as eleições fascistas-marcelistas, a burguesia pretende fazer desta jornada de luta que é o 1º de Maio — luta contra a exploração, a fome e a miséria —, uma jornada de agradecimento em que a classe operária e o povo ajoelhariam pelas «dádivas» que a burguesia lhe concedeu, pelas «vitórias» alcançadas.
Para isso, a burguesia, representada por todos os partidos traidores, destacando-se de entre eles o partido social-fascista do russo branco e ministro sem pasta Barreirinhas Cunhal, convoca manifestações visando atrelar a classe operária e o povo aos cortejos que vão vitoriar e agradecer os «benefícios» concedidos.

1975-04-00 - VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO! VIVA O COMUNISMO! - MRPP

VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO!
VIVA O COMUNISMO!

MANIFESTAÇÃO POPULAR
BARREIRO - LGO. DA SANTA (alto Seixalinho) - l6 hor

CAMARADAS,
Comemorar o 1º de Maio no Barreiro, um dos mais antigos baluartes operários do nosso país, 8 onde se tem dado alguns dos mais importantes embates entre o proletariado e a burguesia. A vila do Barreiro é uma das maiores e mais antigas concentrações operárias do país, marcada pela presença da grande indústria a com fábricas de grande dimensão, que são desde sempre importantes centros de luta da classe operária.
Entre as massas do Barreiro, existe uma profunda aspiração pelo socialismo o pelo comunismo, um enraizado desejo do construir uma sociedade, em que não haja lugar para uma classe de parasitas que uivem da exploração do trabalho alheio.
Mas as aspirações revolucionárias povo do Barreiro tem deparado com o obstáculo da permanente sabotagem revisionista das suas lutas. Para enfrentar as lutas da classe operária a burguesia não dispõe apenas das suas polícias. Tem também a sua quinta coluna infiltrada no seio da classe operária, cujo mais Importante destacamento são os revisionistas do P“C“P que ontem sabotando e traindo as lutas da classe operária, hoje organizando os principais destacamentos da contra-revolução para a opressão das massas a sabotagem das suas lutas. O Barreiro é um bom exemplo de como um destacamento importante da classe operária, apesar da sua consciência de classe e da sua combatividade, tem as lutas sistematicamente traídas pela influência revisionista e de como eles pretendem servir-se da sua influencia em certos sectores das massas para criar uma ditadura social-fascista.

1975-04-29 - VIVA O 1.° DE MAIO! AVANTE RUMO AO SOCIALISMO! - PCP

VIVA O 1.° DE MAIO!
AVANTE RUMO AO SOCIALISMO!

À classe operária, aos trabalhadores, ao povo da região de Lisboa!
Por ocasião do 1.° de Maio, Dia Internacional dos Trabalhadores, a Direcção da Organização Regional de Lisboa do Partido Comunista Português saúda calorosamente a classe operária, os trabalhadores, a juventude, as mulheres, a intelectualidade progressista, os militares revolucionários, todo o povo da região de Lisboa.
A acção combativa e a iniciativa criadora das massas trabalhadoras da região da capital, com a classe operária na vanguarda, tem constituído e continuará a constituir um factor decisivo no desenvolvimento do processo revolucionário, na defesa e aprofundamento das conquistas demo­cráticas, no avanço das transformações económicas e sociais que abrem a Portugal a porta do socialismo.
A classe operária, as massas trabalhadoras, saberão tomar nas suas mãos as importantes e históricas tarefas que a decisiva batalha económica lhes coloca pela frente para a liquidação do poder dos monopólios, para o triunfo da reforma agrária, para assegurar a estabilidade e desenvolvimento da economia nacional em benefício das massas trabalhadoras. Isto só será alcan­çado, a marcha para o socialismo só ficará assegurada com a instauração do controlo pelos traba­lhadores das empresas nacionalizadas, pela sua intervenção nas diferentes fases do processo produtivo, com o aumento da produtividade e da produção.

1975-04-29 - VIVA O 1º DE MAIO AVANTE RUMO AO SOCIALISMO - PCP

VIVA O 1º DE MAIO
AVANTE RUMO AO SOCIALISMO

À CLASSE OPERARIA, AOS TRABALHADORES E AO POVO DA REGIÃO DE LISBOA

Por ocasião do 1º de Maio, Dia internacional dos trabalhadores, a Direcção da Organização Regional de Lisboa do Partido Comunista Português saúda calorosamente a classe operaria, os trabalhadores, a juventude, as mulheres, a intelectualidade progressista, os militares revolucionários, todo o povo da região de Lisboa.
A acçao combativa e a iniciativa criadora das massas trabalhadoras da região da capital, com a classe operária na vanguarda, tem constituído e continuará a constituir um factor decisivo no desenvolvimento do processo revolucionário, na defesa e aprofundamento das conquistas democráticas, no avanço das transformaçoes económicas e sociais que abrem a Portugal a porta do socialismo.

1975-04-28 - LIBERTEMOS O MILICIANO ANTI-FASCISTA FERNANDO! - RPAC

LIBERTEMOS O MILICIANO ANTI-FASCISTA FERNANDO!

A TODOS OS SOLDADOS DO CISMI

CAMARADAS:
Na madrugada de 5ª. feira, foi preso em Olhão, o 2º. furriel miliciano Fernando, nosso camarada, que presta serviço aqui na CISMI!
Este camarada foi preso no dia 23 de Abril entre as 3,00 e as 3,30 juntamente com 27 camaradas de Olhão, após terem assistido a um comício convocado pela FREP - organização revolucionária das massas estudantis - e pela revista marxista-leninista "O TEMPO E O MODO" subordinado ao tema "EM FRENTE NA GRANDE VIA DA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR":
À convocatória deste comício responderam as massas populares de Olhão, comparecendo em massa e enchendo por completo a sala, ficando vários elementos das massas apinhados junto à porta. Isto mostra-nos o interesse que as massas populares têm por tudo quanto dia respeito à Revolução Democrática e Popular e a sua determinação de lutar pelo: Pão, Paz, Terra, Liberdade, Democracia e Independência Nacional, seus mais queridos anseios.

1975-04-29 - FOLHA INFORMATIVA DAS REUNIÕES DE TRABALHADORES INTER-EMPRESAS - Comissões de Trabalhadores


(Para ver o documento completo clik AQUI)

terça-feira, 28 de abril de 2015

1970-04-28 - Federação Internacional dos Direitos do Homem



1975-04-00 - POR UM 1º DE MAIO DE LUTA EM DEFESA DAS CONQUISTAS DO 25 DE ABRIL - Sindicatos

TODOS À CONCENTRAÇÃO JUNTO DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO (Alameda D. Afonso Henriques), ÀS 14 HORAS



No 1º de Maio de 1974 o povo saiu à rua e de Norte a Sul, no Continente e nas Ilhas, nem a mais pequena aldeia escapou a esta onda de esperança que invadiu o País. A queda da odiosa ditadura fascista libertou as aspirações populares à Paz, à Liberdade e ao bem-estar.
Passaram-se três anos. Aproxima-se o 25 de Abril e o 1o de Maio e a situação que se nos apresenta é muito diferente daquela que aspirámos e pela qual temos lutado. Por isso, os Sindicatos subscritores deste Manifesto, tendo em conta as actuais condições da vida política portuguesa e principalmente da crise económica que se abate sobre os trabalhadores cada vez com as algibeiras mais vazias, não poderiam deixar de firmar a sua posição face às alternativas reformistas que pretendem encaminhar os trabalhadores para fazer do próximo 1o de Maio um dia de festa. Nós também desejamos um 1o de Maio em festa, mas para isso seria necessário que os trabalhadores que representamos e todos os outros vissem as suas condições de vida e de trabalho melhoradas.

1975-04-28 - O 1º DE MAIO É VERMELHO! O 1º DE MAIO É DIA DE LUTA! - MRPP

O 1º DE MAIO É VERMELHO!
O 1º DE MAIO É DIA DE LUTA!

À classe operária e ao Povo da Figueira da Foz!

CAMARADAS:
Aproxima-se o 1º de Maio, a festa internacional dos trabalhadores. Este dia, é para os explorados e oprimidos de todo o mundo uma jornada de luta, em que os proletários descem a rua, para de­clararem em voz alta e certamente, que trazem à humanidade a prima­vera e a libertação das cadeias do capitalismo, que os operários despertaram a sua consciência sobre a necessidade de renovar o mundo com base na LIBERDADE e no SOCIALISMO.
No 1º de Maio á classe operária portuguesa deve mobilizar todas as suas forças numa grandiosa demonstração de que está disposta a avançar decididamente na grande via da Revolução Democrática e Popular e que marchará à cabeça de todo o Povo, na conquista dos seus justos anseios - o PÃO, para os operários, mediante a socialização dos meios e instrumentos de produção, açambarcados pelos capitalistas; a PAZ, para todo o Povo, através da separação e completa independência para os povos irmãos das colónias; a TERRA para os camponeses com a confiscação dos bens dos grandes agrários, latifundiários, adquiridos através da exploração dos que a trabalham; a LIBERDADE para o Povo, a DEMOCRACIA para os explorados e a ditadura para os exploradores; a INDEPENDÊNCIA NACIONAL, através da expulsão dos imperialistas e social-imperialistas da nossa Pátria.

1975-04-28 - Resistir é Vencer Nº 10 - AFAP

BOLETIM Nº.10
28 de ABRIL de 1975

EDITORIAL
Por todo o País se intensifica a repressão e a violência sobre a classe operária e sobre o povo.
Dia a dia novos contingentes de anti-fascistas dão entrada nos mais imundos cárceres, sujeitos às condições mais humilhantes e vexatórias, como se se tratassem dos piores criminosos. Cerca de 3 centenas de prisões foram feitas desde o início de Abril, das quais nem uma escassa centena foi libertada.
Vinte e cinco Soldados, outros tantos estudantes, operários e operárias, pescadores, empregados, encontram-se detidos à ordem do COPCON, presos em grande parte por elementos do P"C"P, espancados, ameaçados de morte e sob a mira das G3 ou das armas usadas por essa nova Polícia à civil pois são os bandos de arruaceiros liderados pelos P"C"P, são no dizer do Chefe Supremo da Polícia Portuguesa, o Oficial General Saraiva de Carvalho "uma situação normal", como normais são as prisões diárias.

1975-04-28 - ERGAMOS O NOSSO COMITÉ DE SOLDADOS - RPAC

EM FRENTE NA GRANDE VIA DA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR


ERGAMOS O NOSSO COMITÉ DE SOLDADOS
VIVA O 1º de MAIO VERMELHO

CAMARADAS:
Há vários dias que os militaristas desta Escola nos tentam di­vidir com as já habituais "conversas em família", com especial destaque para o fascista Major GORDUROSO Matos que, quando na ultima reunião de soldados tentou impinjir-nos a reacionária tese de que "os soldados derem pagar bilhetes nos comboios". A posição da RPAC está bem definida junto, dos soldados e marinheiros sobre esta questão, quer através de comunicados e targetas quer no seu órgão central "RESISTÊNCIA" que:
OS SOLDADOS NÃO PAGAM BILHETES!
Depois da ultima reunião convocada de "urgência" pela oficialagem agora dita democrática, nós ficámos a "SABER" que a Comissão de Vigilância Revolucionária, órgão criado pela burguesia, - mas que já lhes esteva a fugir do controlo - era "ANTI-M.F.A.”. A nossa posição quanto às organizações "legais" de vigilância ou equipes de "informação" e de que, elas são criadas para criar ilusões nos soldados, de que  ergam esses órgãos. Os seus problemas serão resolvidos; o que é uma pura ilusão. Como tal nós soldados desta Escola, devemos organizar-nos em torno do nosso órgão de vontade popular, o nosso COMITÉ DE SOLDADOS, para que possamos avançar nas lutas, e sob a direcção da classe operária, seguir-mos na senda da Revolução Popular Armada, que nos trará uma Democracia Popular e nos libertará da repressão e opressão que fascistas e social-fascistas tentam a todo custo fazer abater sobre nós.

1975-04-28 - SOLDADOS DO RIOQ EM LUTA CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO! - RPAC

SOLDADOS DO RIOQ EM LUTA CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO!
VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO!

TODOS AO ROSSIO
CONFRATERNIZAÇÃO 15 H MANIFESTAÇÃO 18 H

CAMARADAS:
Neste momento, em que anti-fascistas e democratas são presos, encarcerados e espancados por defenderem as posições da classe operária e do povo, por fazerem propaganda e agitação revolucionárias, em que a opressão se abate mais ferozmente sobre os explorados e oprimidos da nossa pátria, os militaristas do RIOQ, fazendo coro com todos os lacaios militaristas dizem que e necessário "a aliança do povo com o MFA".
Jamais os oficiais do MFA, com actos dignos de fascistas, nos iludirão com promessas realizáveis; jamais conseguirão levar à prática essa aliança, com os soldados, na repressão ao povo.
Nós temos de decidir e provar às massas populares como é justa a palavra de ordem: OS SOLDADOS SÃO FILHOS DO POVO. Incapazes por si só de reprimir o povo, esses oficiais ordenam-nos que o façamos, como aconteceu na grandiosa manifestação popular do dia 25 de ABRIL, organizada com a finalidade de ir ao encontro dos interesses de grande parte do nosso povo, organizada sob a palavra de ordem: "BOICOTE ACTIVO DA FARSA ELEITORAL".

1975-04-28 - Um amplo Movimento Democrático dos Artistas e Intelectuais se ergue contra as medidas repressivas do “Conselho da Revolução”!

Um amplo Movimento Democrático dos Artistas e Intelectuais se ergue contra as medidas repressivas do “Conselho da Revolução”!

Temos vindo a assistir nos últimos tempos a um aumento da repressão, não sobre os fascistas e contra-revolucionários, como qualquer elemento do Povo, bem lembrado que está ainda da tentativa de golpe fascista de 11 de Março, poderia esperar, mas sobre os revolucionários e progressistas, aqueles que aspiram sinceramente à Democracia e à Liberdade, o que é resultado do subsequente contra-golpe social-fascista do mesmo dia à noite.
Enquanto os pides e demais assassinos do nosso Povo se instalam confortavelmente nos hotéis-prisão que lhes foram «democraticamente» destinados, enquanto os partidos fascistas continuam a conspirar às claras e a fazer a sua insidiosa propaganda, os órgãos do poder proíbem de concorrer às eleições e posteriormente ilegalizam o Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado, encarcerando mais de duas centenas e meia de democratas e anti-fascistas, por propagandearem realizações democráticas devidamente autorizadas.

1975-04-28 - Trabalho coordenado e da responsabilidade do Grupo de Técnicos do MES do Porto

(Para ver o documento completo em Pdf clik AQUI)

segunda-feira, 27 de abril de 2015

1975-04-27 - GRANDE COMÍCIO - QUE CAMINHO SE ABRE À CLASSE OPERÁRIA? - MRPP


1975-04-00 - QUE CAMINHO SE ABRE À CLASSE OPERÁRIA? - MRPP

LUTEMOS PELA MOBILIZAÇÃO DE TODAS AS FORÇAS PELA FUNDAÇÃO DO PARTIDO!

QUE CAMINHO SE ABRE À CLASSE OPERÁRIA?

COMÍCIO POPULAR
DOMINGO; 27 ABRIL * 16 HORAS * CAMPO PEQUENO

1. A FARSA ELEITORAL TERMINOU, nova farsa vai começar. A assembleia constituinte "eleita" pelo povo", vai reunir, para assinar de cruz a constituição que o MFA elaborou para que a ratificasse, depois de ter obtido dos vários partidos burgueses, garantias de que não deixa­rão de apoiar por todas as formas a ditadura militar que ela consagra.
2. As eleições não resolveram nenhum dos problemas principais do povo, nem poderiam resolver. A assembleia eleita não dispõe de nenhuns poderes reais, nem tomará uma única medida que possa contribuir por pouco que seja, para diminuir o desemprego, a carestia de vida ou a crise da habitação. Ao impedir que o nosso Movimento participasse na campanha eleitoral, pretendia-se impedir que na campanha eleitoral o povo tivesse uma voz. Ao impedir que os nossos candidatos pudessem ser eleitos pelo povo pretendia-se que a ditadura militar exercida pelo MFA não tivesse a contrariá-la e a denunciá-la, dentro da própria assembleia dita constituinte, a oposição irredutível e indomável dos que, desde a primeira hora têm denunciado o carácter e os objectivos dos governos saídos do 25 de Abril. Daí que não só não seja possível esperar da assembleia dita constituinte nenhuma medida real que sirva os interesses do povo, como não se pode esperar que dentro dela, se erga uma única voz disposta firmemente a defendê-los.

1975-04-27 - Resistir é Vencer Nº 09 - AFAP

ASSOCIAÇÃO DAS FAMÍLIAS DOS ANTI-FASCISTAS PRESOS
Rua Castilho, nº,4 r/c. LISBOA.

RESISTIR É VENCER BOLETIM Nº 9   
27 de Abril 1975

EDITORIAL: O POVO LIBERTARÁ OS ANTI-FASCISTAS PRESOS
No momento em que a repressão aumenta, mais do que nunca a A.F.A.P. apela a todos os verdadeiros democratas, anti-fascistas e patriotas para que se unam num verdadeiro movimento de massas, exigindo a libertação imediata e incondicional dos anti-fascistas presos.
Numa hora em que se fala cada vez mais de "Democracia" e "Liberdade“ a A.F.A.P. apresenta e denuncia a vaga de prisões que assola o País de norte a sul, prisões, que se abatem sobre a classe operária a classe explorada, demonstrando assim que a ideologia dominante aburguesa, continua soberana e pronta a impor as suas leis sobre as classes desfavorecidas.
Passado um ano sobre a chamada "Revolução Democrática" esqueceu-se facilmente que "os Pides Morrem na rua" e que o povo é senhor do seu destino.

1975-04-27 - RECUSÊMO-NOS A DISPARAR E A REPRIMIR O POVO! - RPAC

RECUSÊMO-NOS A DISPARAR E A REPRIMIR O POVO!

TODOS AO 1o DE MAIO VERMELHO! às 18 Horas – Lr. da Igreja - Olhão
AOS SOLDADOS E MILITARES ANTI­FASCISTAS E ANTI-MILITARISTAS DO R.I.F.

CAMARADAS:
Pela calada da noite de 22 para 23 de Abril passados, uma numerosa força do COPCON - nova Pide constituída por soldados do nosso quartel, comandados por oficiais militaristas social-fascistas do P"C"P, invadiram, saquearam e destruíram a sede do MRPP em Olhão.                                     
Esta força foi chamada pelos revisionistas e pela PSP para os proteger da justa ira das massas, quando aqueles pretendiam prender e reprimir militantes e simpatizantes do MRPP e elementos do povo que os apoiam.
As massas se tinham indignado e reagido contra os social-fascistas e os assassinos da PSP, quando o COPCON invadiu a sede do MRPP e prendeu 28 pessoas entre as quais um camarada nosso, o 2º. Fur­riel Fenando do CISMI de Tavira, mais indignadas ficaram, e só não reagiram violentamente porque os nossos camaradas» sob as ordens dos militaristas social-fascistas apontaram as armas ao povo.

1975-04-27 - VIVA O 1.° DE MAIO - PCP

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS

VIVA O 1.° DE MAIO

À CLASSE OPERÁRIA, AOS TRABALHADORES, AO POVO PORTUGUÊS

I
Nas vésperas do 1.° de Maio, Dia Internacional dos Trabalhadores, o Partido Comunista Português saúda calorosamente a classe operária, os assalariados agrícolas, os empregados, os trabalhadores da função pública, os camponeses, a intelectualidade, a juventude, os estudantes e as mulheres, toda a população laboriosa de Portugal, todos os que com a vanguarda organizada do proletariado português — o PCP — e em aliança com o MFA, contribuíram decisivamente, ao longo de um ano de luta, para defender, consolidar e ampliar as conquistas democráticas do 25 de Abril, e desenvolver, a partir do derrubamento do fascismo, um processo revolucionário apontado ao socialismo.

domingo, 26 de abril de 2015

1970-04-26 - MEDICINA - Movimento Estudantil

MEDICINA

Na Assembleia de Faculdade realizada ontem, para a indigitação de nomes a propor pela Faculdade de Medicina, foram apresentados, como integrantes duma proposta da projecto de programa, as moções a seguir transcritas:
1º Normalização da vida associativa:
I - A Lista do M.E. deverá defender, de acordo com a proposta aprovada em Assembleia de Faculdade de 22/4/70, os seguintes pontos referentes a normalização da vida associativas
1.º - Abolição de todos os processos disciplinares;
2.º - Abolição dos processos criminais, referentes ao chamado “crime de sedição” e do processo instaurado ao presidente da A.A.C., Alberto Martins.
3.º - Regresso dos estudantes incorporados nas forças armadas e abolição do decreto-lei n.º 49099:
4.º — Revalidação das bolsas de estuda, com efeito retroactivo;
5.º - Novos épocas de exame de acordo com os interesses dos estudantes das diversas Faculdades;
6.º - Revogação de toda a legislação circum-escolar;

1975-04-26 - VIVA O 1º DE MAIO A NOSSA LUTA CONTINUA: - UDP

     Camaradas Operários é Camponeses!
     Camaradas Soldados e Marinheiros!
     Camaradas trabalhadores e intelectuais revolucionários!

     VIVA O 1º DE MAIO
A NOSSA LUTA CONTINUA:

• Pelo fim da submissão ao imperialismo!
Contra a ameaça de intervenção imperialista - Contra o namoro enganador social-imperialista - Pela independência da nossa pátria face às superpotências!
• Pelo fim da exploração!
Contra os salários de fome e aumento galopante do custo de vida - Contra o desemprego e a sabotagem dos patrões - Pela emancipação da Classe Operária!
• Pelo fim da opressão politica!
Contra a reorganização das forças negras do fascismo - Contra todos os que os tratam com paninhos quentes - Pelo reforço do bloco popular revolucionário!

NO 1° DE MAIO LUTA-SE NA RUA!
TODOS À MANIFESTAÇÃO PELA DEMOCRACIA POPULAR!
No Terreiro do Paço Concentração às 15h a partir das 11h: Canto Popular, Teatro Operário – Exposições

Lisboa 26/4/75
O Secretariado da C.C. da UDP

1975-04-26 - OS TRABALHADORES VOTARAM PELA REVOLUÇÃO SOCIALISTA! - LCPR

OS TRABALHADORES VOTARAM PELA REVOLUÇÃO SOCIALISTA!
FORMAR UM GOVERNO OPERÁRIO E CAMPONÊS

O resultado das eleições para a Assembleia Constituinte mostra a forja da classe operária portuguesa,
A derrota esmagadora dos partidos da direita capitalista prova bem que os trabalhadores nutrem um justo ódio por esses partidos cujos dirigentes e muitos membros foram durante anos colaboradores do regime fascista.
Acima de tudo a classe operária votou naqueles partidos que dizem lutai pelo socialismo mostrando a sua rejeição pelo sistema capitalista de produção que só tem miséria e opressão a oferecer aos operários e camponeses.
Ao mesmo tempo os apenas 6 por cento de votos em branco mostram que os Trabalhadores não aceitaram o “voto no MFA”, apesar de este ter começado uma intensa campanha na televisão depois de ter terminado o período da campanha eleitor?!

1975-04-26 - NOTA DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS SOBRE AS ELEIÇÕES

  NOTA DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS SOBRE AS ELEIÇÕES

1.  As eleições para a Assembleia Constituinte realizadas em 25 de Abril de 1975 constituíram para o povo português uma significativa data na construção do novo Portugal democrático. Pela primeira vez, desde há meio século, foi possível ao povo português votar em liberdade em grande parte do território nacional. O PCP sublinha (em contraste com as violências, as provocações e as ameaças reaccionárias, incluindo as dos grupos esquerdistas) a serenidade e o civismo das massas populares no acto eleitoral.
2.  A grande afluência às urnas tem um significado contraditório: por um lado, indica a vontade de amplas massas intervirem na vida política, por, outro lado indica as pressões exercidas tornando a descarga do voto praticamente obrigatória, mesmo para aqueles que não tinham opinião formada.

1975-04-26 - NINGUÉM HÁ-DE CALAR A VOZ DA CLASSE OPERÁRIA. - MRPP

NINGUÉM HÁ-DE CALAR A VOZ DA CLASSE OPERÁRIA.

À classe Operária e ao Povo de Braga!

CAMARADAS:
É na sequência do comunicado emanado pelo Governador Civil do Distrito de Braga, respeitante aos acontecimentos da madrugada de 25 de Abril, que o nosso Movimento emana este comuni­cado no sentido de desmentir e desmascarar essa reles provocação ao nosso Movimento.
A burguesia como vê que o tempo da suspensão do MRPP ter minara no dia 26 de Abril, tenta agora e tal como da primeira vez preparar a opinião pública para a suspensão por mais algum tempo do nosso Movimento. Esta segunda campanha de calúnias que visa a segunda suspensão do MRPP, teve indício quando da saída do "relatório" do 11 de Março que mais não foi que um ataque à classe operária e ao povo e ao seu Estado-Maior,o MRPP, Não apontando se quer como principais responsáveis do golpe, os fascistas do "CDS" e do P"D"C e os apoies dentro do Governo por parte do P"S" e P”PD”! Eles começaram por afirmar que um "simpatizante nosso" tinha en­trado num quartel dizendo que era do MRPP e, logo estes bacocos da política, que têm como objectivo principal salvar a burguesia da crise que o sistema capitalista atravessa e que está cada vez mais próximo da, derrocada final, e logo dizíamos nós, agarraram nesse argumento que nem provado o é, e mesmo que o fosse, qualquer reaccionário poderia utilizar o nome do nosso movimento, para melhor entrar no quartel, o que também nos vem provar o apoio, a estima e o carinho que o nosso Movimento goza junto dos soldados e marinheiros.

Arquivo