Translate

domingo, 30 de abril de 2017

1977-04-30 - O Trabalho Nº 01 - MDT

Editorial

Este jornal, essencialmente sindical, órgão do Movimento Democrático do Trabalho, surge, alguns meses após a formação do MDT, da necessidade de transmitir periodicamente, ao maior número possível de trabalhadores, as posições do nosso Movimento.
Serão abordados em cada número os vários problemas que afectam os trabalhadores no campo do trabalho, orientando-os no sentido mais correcto para a defesa dos seus interesses.
O Trabalho informará sobre os mais importantes conflitos laborais, não deixando de analisar as causas e os efeitos dessas lutas.
Estará também O Trabalho sempre à disposição para orientar e aconselhar não só os militantes do MDT como outros trabalhadores que necessitem de qualquer apoio específico e o solicitem.
No campo da luta pela democracia nos sindicatos, uma das andes razões da formação do Movimento Democrático do Trabalho, não daremos tréguas aos maiores reaccionários do nosso tempo, os sociais-fascistas cunhalistas e seus filhotes. Não deixaremos também de denunciar e lutar contra aqueles empresários ou chefes reaccionários que, com a sua obstinação antidemocrática, fazem o jogo dos lacaios de Moscovo.

1977-04-30 - Última Página

l.° DE MAIO:
Um dia de protesto na vida do trabalhador
Por EDGAR RODRIGUES

Às 11 horas e 50 minutos do dia 11 de Novembro de 1977 faz 90 anos que foram enforcados na prisão de Chicago, América do Norte, Adolfo Fischer, Jorge Engel, Augusto V. T. Spies e Albert R. Parson, Luiz Lingg, o quinto condenado à morte, suicidou-se dentro da prisão na véspera do enforcamento.
Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT) votará no seu Quarto Congresso Mundial, realizado em Genebra, no mês der Setembro de 1866, com a presença de 60 delegados de diversos países, a jornada diária de 8 horas de trabalho. O facto estremeceu a sensibilidade da burguesia industrial e comercial de então, que ganha desde logo o apoio incondicional dos governos nos países onde a reclamação se fizesse ouvir.
Em Nova Iorque, a secção da AIT reuniu-se no ano de 1871 e convocou os trabalhadores para a greve geral. O patronato; avisado pela imprensa e pela polícia, reage e recebe a pronta ajuda do governo. O proletariado é obrigado a recuar.

1977-04-30 - VIVA O 1º DE MAIO - UDP

VIVA O 1º DE MAIO

À CLASSE OPERARIA!
AO POVO DO PORTO!
Há três anos, no 1º de Maio de 1974, de Norte a Sul de Portugal, no continente e ilhas, todo o povo português saiu à rua numa jornada inesquecível de alegria pelo derrube do regime fascista, mas também de unidade e luta pelo julgamento exemplar dos criminosos fascistas, pelo aumento de salários, contra o desemprego, por um Governo que defendesse os trabalhadores.
Hoje, no 1º de Maio de 1977, o que nos vemos é totalmente diferente daquilo que queríamos em 1974. Temos um Governo que tem por única função a defesa dos interesses imperialistas, dos grandes capitalistas e latifundiários, um Governo que abre as portas ao fascismo.
O que vemos hoje, é o custo de vida a aumentar mais de 60% enquanto os salários não podem subir mais de 15% e a saída dos CCT é sabotada por todos os meios.
São os despejos dos moradores pobres, são milhares de pessoas sem casas para viver enquanto se atiram para o desemprego milhares de trabalhadores da Construção Civil, como ainda esta semana na Zagalo.

1977-04-30 - O Comunista Nº 36 - II Série - UCRP(ml)

1º DE MAIO – ERGUER A BANDEIRA DO PROLETARIADO E DO SOCIALISMO

Mais um 1.° de Maio passa sem que os trabalhadores se tenham libertado da exploração e da opressão da burguesia.
Esta data histórica marca um dia de luta do proletariado internacional em que por todos os cantos do mundo se erguem as bandeiras das reivindicações de classe dos trabalhadores e do socialismo. Os trabalhadores portugueses sempre souberam acumular uma digna tradição de luta nesta data, mesmo durante os negros anos do fascismo.
Pretendendo manchar o seu profundo significado revolucionário, o partido social-fascista de Cunhal, por intermédio das cúpulas da Inter, quiseram mais uma vez aproveitar-se das justas reivindicações dos trabalhadores e da sua tradição de luta, para fazer passar de contrabando os seus interesses antioperários e antinacionais.
NÃO AO «1.° DE MAIO» DA «MAIORIA DE ESQUERDA»

sábado, 29 de abril de 2017

1972-04-29 - ABELHEIRA: ESCREVER DIREITO POR LINHAS TORTAS? - MRPP

ABELHEIRA:
ESCREVER DIREITO POR LINHAS TORTAS?

Decorridos quase quatro meses de encerramento da fábrica de papel da Abelheira, os credores começam a movimentar-se e a estudar qual o melhor processo de safar o capital que lá "enterraram".
Ainda no mês de Março teve lugar a primeira reunião destas sanguessugas, e que foi adiada a pedido dum “ilustre democrata”, grande defensor dos interesses do grupo explorador Champalimaud, o qual deu a entender que tinha surgido um forte capitalista interessado na aquisição da fábrica e que havia um grupo técnico a estudar as possibilidades de exploração da mesma. Perante tão sugestiva hipótese foi marcada nova reunião para o dia 9 de Abril do corrente ano.
No dia aprazado voltaram a reunir-se as sanguessugas, sabendo-se então que o interessado na aquisição da fábrica era o Banco de Fomento, os técnicos concluíram o que toda a gente sabia; onde se explora a força de trabalho os exploradores enriquecem!

1972-04-29 - Improp Nº 11 - III Série - Movimento Estudantil

Improp 11
INFORMATIVAS (suplemento)
associação dos estudantes da faculdade de ciências de lisboa

alguns esclarecimentos…
Sobre a expulsão de RIA dum elemento PROVOCADOR

Neste momento deparam-se aos estudantes de Ciências diversos problemas como seja o caso de inquéritos em curso, convocatórias para interrogatórios relacionados com o inquérito do CE, indícios de processos disciplinares, denuncias falsas feitas pelo Romeu e Passos Coelho à Judiciária, processo de faltas, época de Outubro etc., os quais necessitam neste momento de, uma resposta da parte de todos os estudantes da Faculdade.
A questão que se vai tratar a seguir, embora tendo a sua importância, não merece neste momento, de facto, o relevo que lhe vai ser dado. Se lhe é dado um relevo bastante grande neste momento isso, deve-se pura e simplesmente ao facto de terem sido postos a circular comunicados falsos e difamatórios entre os quais um da direcção da CPA de Medicina e outro da Direcção da CPA (comissão pró-associação) de Letras.

1977-04-29 - QUEM GARANTE AS LIBERDADES, A ORDEM DEMOCRÁTICA, A SEGURANÇA E A TRANQUILIDADE PUBLICA EM OLHÃO? - PCP

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS

QUEM GARANTE AS LIBERDADES, A ORDEM DEMOCRÁTICA, A SEGURANÇA E A TRANQUILIDADE PUBLICA EM OLHÃO?

Ontem a noite em Olhão mais de vinte arruaceiros atacaram de surpresa seis camaradas que faziam propaganda para o 1º de Maio. Apareceram repentinamente, utilizando um dos agressores a mentira mais baixa para justificar a agressão; diziam ter sido arrancada pelos nossos camaradas uma faixa do MRPP. Agrediram com matracas e bastões, pontapearam, deixaram no chão três feridos: os Camaradas Raul Veríssimo, João e Osvaldo. Dada a gravidade dos ferimentos a P.S.P. de Olhão enviou os nossos Camaradas para o Hospital Distrital de Faro onde foram socorridos.
Não é a primeira vez que em Olhão fascistas e marginais que se intitulam do MRPP mostram o seu ódio a democracia e ao P.C.P. através de actos de selvajaria. Desde a tentativa de assalto ao C.T. do P.C.P., as várias provocações e ameaças à arruaça junto da C.M. de Olhão com depradações, insultos à Câmara e ataques à P.S.P. aos seus constantes insultos às mais miseráveis agressões tudo se tem permitido o MRPP e tudo tem sido permitido ao MRPP.

1977-04-29 - VIVA O 1º DE MAIO DIA DE LUTA E UNIDADE - PCP(R)

VIVA O 1º DE MAIO DIA DE LUTA E UNIDADE

OPERÁRIOS
TRABALHADORES
O 1º de Maio é dia da unidade da classe operária. Este ano essa unidade de aço tem de ser mais forte do que nunca. A burguesia para governar, para avançar no seu plano de recuperação capitalista precisa de dividir a classe operária e o povo trabalhador. Para que os patrões recuperem privilégios perdidos, para que possam aumentar os preços e adiar a saída dos contratos colectivos precisam impedir a união e amolecer o desejo de luta do povo.
Os partidos burgueses, desde os fascistas aos falsos socialistas e aos revisionistas não tem outro papel que não seja dividir.
Para fazer recuar os inimigos do povo, vamos mostrar a unidade da classe operaria, a grande unidade revolucionária do 1º de Maio.
OPERÁRIOS
TRABALHADORES

1977-04-29 - Revolução Nº 106 - PRP-BR

POR UM 1.° DE MAIO DE UNIDADE E LUTA

O AUMENTO DO CUSTO DE VIDA
A situação de crise económica em que Portugal se tem afundado tem antes de tudo uma consequência   o aumento do custo de vida o qual não pesa sobre as bolsas da burguesia, mas sim sobre as bolsas dos trabalhadores.
Este aumento do custo de vida, que tem sido uma das características do actual Governo, deve-se à recuperação capitalista que tem sido levada a cabo pelo Governo PS. Este Governo tudo tem feito para roubar aos trabalhadores o que por estes foi conquistado e para repor nas mãos da burguesia nacional e internacional aquilo que a esta tinha sido retirado pelas lutas dos trabalhadores portugueses. Entre estes dois lados da batalha, o dos trabalhadores e o do imperialismo, o Governo PS tem escolhido sem hesitações o último.
Se o peixe e a carne estão a um preço insuportável para os trabalhadores, se o leite e o pão aumentam de preço, se todos os géneros alimentícios ao fim e ao cabo aumentam dia a dia, é porque a Agricultura, as Pescas e a Indústria não são pensadas e planeadas no sentido de beneficiarem os trabalhadores, mas são-no, sim, no sentido de serem totalmente recuperadas pelo sistema capitalista.

1977-04-29 - A Forja Vermelha Nº 04 - UCRP(ml)

A forja VERMELHA

Número: 4
Data: 29/4/77
Preço: $50

EDITORIAL
 O DIA MUNDIAL DO TRABALHADOR - o 1º de Maio, data esta que é celebrada por todos os trabalhadores no mundo inteiro, com o objectivo. Que lhes é comum: a libertação da humanidade da exploração capitalista, pelo socialismo e pelo comunismo.
Ao contrário dos vários partidos burgueses e pequeno-burgueses radicais, que fazem deste dia de luta uma festarola com o objectivo de enganar os trabalhadores, a abandonarem a luta pelos seus reais interesses, com, destaque para as comemorações promovidas pela intersindical , que mais não são do que servir os interesses do social-imperialismo russo no nosso país, que tem como seu fiel representante o partido social-fascista de CUNHAL, que actualmente domina em grande maioria várias direcções dos sindicatos bem como a direcção da INTERSINDICAL.

1977-04-29 - HOSPITAIS CIVIS: APRENDER COM A EXPERIÊNCIA PASSADA E UNIR A LUTA PARA OBTER NOVAS VITÓRIAS! - FEML

HOSPITAIS CIVIS:
APRENDER COM A EXPERIÊNCIA PASSADA E UNIR A LUTA PARA OBTER NOVAS VITÓRIAS!

Os estudantes dos Hospitais Civis de Lisboa, vem travado há já longos meses, uma dura luta pelo início das aulas no ciclo clínico, tendo esta luta, assumido recentemente formas mais avançadas, com a greve da Faculdade de Medicina, de solidariedade com a luta dos civis e sem que até agora tenham obtido dos órgãos do poder um parecer favorável.
O facto de neste momento, cerca de 920 estudantes, estarem ameaçados de serem marginalizados pela política reaccionária do MEIC, enquadra-se no plano mais geral que a burguesia tem, para superar a crise profunda que abala a nossa sociedade, a seu favor.
No nosso País, o ensino da Medicina destina-se a formar um número restrito de quadros técnicos capazes de avaliar o papel do trabalhador na produção em função das necessidades da burguesia, de forma a que, se ele já não serve para encher os bolsos dos novos e velhos capitalistas, há que mata-lo o mais depressa possível.

1977-04-29 - BOLETIM nº 2 DO MOVIMENTO DE ADESÃO AO PCTP - FEML

FEDERAÇÃO DOS ESTUDANTES MARXISTAS-LENINISTAS Organização do PCTP/MRPP para a Juventude Comunista Estudantil

BOLETIM nº 2 DO MOVIMENTO DE ADESÃO AO PCTP
semana de 23 a 29 Abril na Organização Regional de Lisboa da FEM-L

É PRECISO FUNDIR O MOVIMENTO DE ADESÃO COM AS LUTAS QUE OS ESTUDANTES DE LISBOA ESTÃO A DESENCADEAR CONTRA A REFORMA BURGUESA DO ENSINO

TOTAL DE ADESÕES - 69
até 18 Abril - 39
de 18 a 29 – 30

Camaradas:
A decisão do Comité Permanente do Comité Regional de publicar semanalmente um Boletim de Adesão mostrou-se já inteiramente correcta e oportuna. Durante esta semana, de 18 a 29 de Abril, foram feitos 30 aderentes, quase tantos quantos se fizeram em 2 meses (39). Este salto é sem dúvida resultado da luta ideológica lançada na nossa organização com a saída do Boletim Nº 1.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

1972-04-28 - 2º COMUNICADO DA REUNIÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DE ENGENHARIA - Movimento Estudantil

UNIDADE
2º COMUNICADO DA REUNIÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DE ENGENHARIA
A nossa força está na nossa UNIDADE
  
1 – REUNIÃO GERAL DE ENGENHARIAS
     Realizou-se na sexta-feira (dia 28) às 11 horas a REUNIÃO GERAL DE ENGENHARIAS. Convocada pela Reunião das Comissões de Curso sob proposta do 3º ano curso de Química secundado por outros cursos, teve a participação de, pelo menos, 250 pessoas.
A ordem de trabalhos da Reunião foi:
1. Informações. 2. Frequências. 3. Época de Outubro. 4. marcação de datas do exame. 5. Apontamentos – Feira do Livro Técnico.
No entanto ficou-se pelo segundo ponto – Frequências.

FREQUÊNCIAS
     Após ter sido discutida foi aprovada a proposta elaborada na Reunião das Comissões de Curso (com base nas propostas aprovadas nos diversos cursos) com 2 adendas do 2º de Electrotecnia e do 2º de Química.

1977-04-28 - Binómio - II Série - Associações de Estudantes - AE IST

AEIST:
QUE FUTURO?
Futuro mais sombrio que aquele que a gravura "profetiza", é certamente o objectivo do MEIC ao definir a actual política de subsídios para as AAEE. Compete a nós estudantes alterar esta situação o que poderá começar a ser feito já a partir da próxima R.G.A.! Por tudo isto chama-se particular atenção aos colegas para o presente suplemento do BINÓMIO pela importância dos artigos insertos sobre a situação da AEIST.

R.G.A. 4ª fª 4/5 às 10h no s. nobre

O.T:
1 - INFORMAÇÕES
2 – SITUAÇÃO ECONÓMICA DA AEIST

R.G.T. ANALISA SITUAÇÃO DA AEIST
Realizou-se já após as férias da Páscoa uma Reunião Geral de Trabalhadores da AEIST com o objectivo de discutir saídas para a situação económica da Associação que põe em risco o emprego dos mais de 80 trabalhadores que cá prestam regularmente serviço.

1977-04-28 - Liceu D. Diniz - Movimento Estudantil


1977-04-00 - 1º DE MAIO É DIA DE LUTA - PCP(R)

1º DE MAIO É DIA DE LUTA

PROCLAMAÇÃO DO CC DO PCP(R)

PROLETÁRIOS!
TRABALHADORES!
Aproxima-se a grande jornada vermelha do 1º de Maio, dia internacional dos trabalhadores. Vai chegar o dia em que todos comemoraremos os ideais da Liberdade, do Progresso e do Socialismo!
Hoje em Portugal vamos comemorar o 1º de Maio em luta contra a reacção e o patronato, em luta, contra esse governo vendido que nos quer tirar o pouco que já conquistámos!
Na grande jornada vermelha que se aproxima os trabalhadores vão sair à rua e mostrar a sua força. Vão dizer não aos amarelos revisionistas que querem assinar um pacto social com a burguesia, vão demonstrar pela sua firmeza e unidade que é possível vencer. É possível esmagar a reacção e o capital, expulsar o imperialismo da nossa pátria. É possível um futuro socialista em Portugal!

1977-04-28 - Voz do Povo Nº 145 - UDP

Editorial

1. No último número da “Voz do Povo”, desenvolvemos a ideia das duas faces do 25 de Abril. Uma face burguesa, reformista, e outra popular, revolucionária.
Três anos após essa data, em 1977, pode dizer-se que houve duas comemorações do 25 de Abril - uma com o povo na rua, em grande liberdade e alegria, e a outra, da parada militar, com comandos do fascista Jaime Neves, com discursos solenes de ameaças. Mas mesmo nesta última fez-se ouvir a voz do povo, tal como há três anos se fez ouvir, quando começaram a querer limitar o 25 de Abril.
2. Um dos factos mais positivos das comemorações deste 3º aniversário do 25 de Abril foi, sem dúvida, a força e o vigor com que o povo veio à rua para comemorar essa data, em manifestações que apontavam sem hesitações para um reerguer do movimento popular, em manifestações que constituíram uma resposta séria e poderosa aos detractores do 25 de Abril, aos fascistas saudosos do dia 24, saudosos da opressão e da ditadura.

1977-04-28 - POR UM 1º DE MAIO DE LUTA REVOLUCIONÁRIA... - PRP-BR

POR UM 1º DE MAIO DE LUTA REVOLUCIONÁRIA CONTRA O AVANÇO DO CAPITALISMO E DO IMPERIALISMO PELO PODER REVOLUCIONÁRIO DOS TRABALHADORES

Aproxima-se o dia 1º de Maio, conhecido pelo povo trabalhador de todo o Mundo, como Dia Mundial dos Trabalhadores. Ao longo dos anos, em toda a parte e neste País também, milhares de trabalhadores, morreram já, neste dia, em luta contra o fascismo, a exploração capitalista, o Imperialismo e pela conquista de uma sociedade socialista.
Hoje, neste País ameaçado, os trabalhadores voltam a estar debaixo do espectro do terror capitalista. Cada dia que passa mais profundamente a fome, a miséria atingem o proletariado e os trabalhadores em geral. São as largas centenas de milhares de desempregados, são os salários e pensões de miséria, é o brutal aumento do custo de vida, são as desocupações de casas, são os ataques violentos à reforma agrária, como ilustra o exemplo da cooperativa “Os Pioneiros” de Cortiços - Macedo de Cavaleiros - são as entregas das empresas aos antigos patrões sabotadores. É a repressão que caminha a passos largos para tempos iguais aos de Salazar/Caetano. É o endividamento e a submissão crescente de Portugal ao Imperialismo, quer através da NATO, quer dos empréstimos. É a libertação de pides e bombistas. É o saneamento e julgamento dos militares revolucionárias que fizeram o 25 de Abril tal como Otelo e outros.

1977-04-28 - Unidade Popular Nº 116 - PCP(ml)

1° de Maio

Abaixo o social-imperialismo russo, inimigo principal dos povos do mundo!
Viva o pensamento de Marx, Engels, Lenin, Stalin e Mao Zedong! Viva a unidade dos comunistas!
Viva o PCP(m-l), o partido do verdadeiro comunismo, do socialismo científico, da independência nacional e da democracia!
Proletários de todos os países, uni-vos!
Proletários de todos os países, povos e nações oprimidas, uni-vos!
Quem não é maoista, não é leninista!
Abaixo os «super-revolucionários» trotskistas!
Viva a teoria científica dos três mundos!
Viva a teoria científica e universal da revolução cultural!
«Super-revolucionários» lacaios de Moscovo!
A baixo o «bando dos quatro» e seus seguidores!
Glória eterna a Mao Zedong!
Socialismo só há um, o científico, como na União Soviética de Lenin e Stalin e na China de Mao Zedong e de Hua Guofeng!

1977-04-28 - VIVA O 1º DE MAIO - FEML

VIVA O 1º DE MAIO

AOS ESTUDANTES DE LISBOA EM LUTA:

CAMARADAS!
Aproxima-se o lº de Maio, a festa vermelha dos operários, dos camponeses e de todo o Povo oprimido. Ao contrário de todos os partidos do capital que pretendam fazer desse dia a festa da exploração e opressão, a classe operária e o seu Partido, preparam a sua festa de luta, a sua festa de unidade e de vitória. Não uma festa que sirva para adormecer os operários e fazer esquecer a sua situação de fome e miséria crescentes, mas uma, festa que sirva para os preparar para a luta, que os mobilize para os combates que se avizinham.
A festa, do lº de Maio Vermelho coincide nas escolas com o início de um conjunto de lutas que se começam a levantar, que se intensificam dia para dia ganhando maiores proporções e arrastando consigo mais vastas camadas de estudantes. Em Lisboa é rara a escola, em que os combates não se iniciaram. Se alguns deles são ainda pequenos e de fraco alcance, isso significa todavia que se preparam novos e maiores confrontos.

1977-04-28 - VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO - PCTP/MRPP

Partido Comunista dos Trabalhadores Portuguesas (PCTP/MRPP)

VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO

Numa sociedade dividida em classes todas elas têm as suas festas nas quais celebram os ideais que lhe são queridos e os objectivos que visara, o proletariado mundial em 1889, no Congresso realizado em Paris pelos socialistas de todos os países, tomou a histórica decisão de comemorar o 1º de Maio, para assinalar uma das suas mais importantes conquistas - a jornada diária de 8 horas e a luta dos operários de Chicago por esse objectivo.
Em Portugal, cedo o proletariado e o Povo juntaram a sua voz à dos seus irmãos de além fronteiras, cedo proclamaram o seu ódio à ditadura do capital. Desde os fuzilamentos no Rossio durante, a primeira República, aos trabalhadores rurais mortos no Alentejo e no Ribatejo ou, ainda mais recentemente, as batalhas do 1º de Maio de 1960 e 1962. Estas lutas heróicas, no entanto, não conduziram, a resultados reais e visíveis, dado que a dirigi-las não tinham um verdadeiro Partido Comunista. A princípio foi a direcção anarco-sindicalista e, a partir de 1921, a direcção revisionista do P"C"P, que colocaram esses movimentos ao serviço das disputas entre as diversas facções burguesas. A partir dos anos 30, a influência revisionista é maior no movimento operário e popular, e vastos sectores das massas são utilizados como tropa de choque da sua política, ora nos golpes palacianos e militares como em 1962, 74 e 75, ora conduzindo a magnífica combatividade popular para o funil legalista das eleições e para a defesa da Constituição burguesa de 1976.

1977-04-28 - Luta Popular Nº 541 - PCTP/MRPP

EDITORIAL
VIVA O PRIMEIRO DE MAIO!

No próximo domingo, dia 1.º de Maio, vão os proletários portugueses, juntamente com os seus irmãos de todos os países do mundo, celebrar na luta a sua festa comum, a festa dos explorados e oprimidos, o Dia Internacional dos Trabalhadores.
Cada classe tem as suas festas e cada festa tem o seu próprio conteúdo de classe.
Os latifundiários e grandes agrários realizam, em certos dias do ano, as festas da sua classe, pelas quais festas defendem e intentam perpetuar a exploração dos assalariados rurais e a opressão dos camponeses pobres.
Os monopolistas, os grandes capitalistas da banca, da indústria e do comércio, os magnatas da finança, organizam também as festas deles, pelas quais procuram justificar e manter a exploração dos operários, a opressão do povo e a doença, a fome e a miséria para as massas trabalhadoras.
Os imperialistas e os social-imperialistas, seja em cada um dos países respectivos, seja ao nível de todo o globo, comemoram em certas datas grandes festejos capitalistas, pelos quais procuram iludir a vigilância das nações e dos povos que em todo o mundo oprimem, intensificar a exploração dos proletários, dividir os trabalhadores e desarticular as suas lutas, ao mesmo tempo que buscam preparar a opinião pública mundial para perpetrar novas guerras de rapina, novas agressões contra a soberania dos povos, e novos ataques contra a independência nacional dos países médios e pequenos.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

1972-04-27 - Contra o Colonialismo e a Guerra Colonial Imperialista Nº 04 - CLAC

CONTRA o COLONIALISMO e a guerra colonial-imperialista! Nº 4
27 Abril 1972
Jornal do Comité de Luta Anti-Colonial (CLAC) “4 de Fevereiro”

O POVO GUINEENSE
MARCHA IRRESISTIVELMENTE PARA A VITÓRIA TOTAL NA SUA GLORIOSA LUTA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL

Avançando impetuosamente em todas as frentes, no campo politico, económico e cultural, o glorioso povo da Guiné-Bissau derrota estrondosamente os assassinos colonistas portugueses e os seus patrões imperialistas e reconstroi em cada avanço, o país devastado pela criminosa guerra colonial-imperialista de rapina o genocídio.
Depois de terem queimado a terra da Guiné com bombas de napalm, destruído grande parte dos seus cursos naturais os colonialistas portugueses já não visam essencialmente o saque das riquezas do solo e do subsolo, nem a extorsão de gigantescos benefícios económicos ao povo guineense.

1972-04-27 - Folheto Nº. l do Grupo de Intercâmbio, Relações Públicas e pró-ELEIÇÕES/A.A.C. - Movimento Estudantil

COMISSÃO ELEITORAL e de Gestão Estudantil da Associação Académica de Coimbra em 1971-72

Folheto Nº. l do Grupo de Intercâmbio, Relações Públicas e pró-ELEIÇÕES/A.A.C.
(Secções SOCIAL, INTERCÂMBIO e TEXTOS)

Coimbra, 27 de Abril de 1972

A todos os alunos da Universidade
Aos que foram ou desejam ser Sócios da A.A.C.
Desde o começo do ano lectivo em curso há uma campanha para reabertura da Associação de alunos desta Universidade e realização de eleições livres. Por isso, foram feitos vários pedidos ao Magnífico Reitor de acordo com as declarações da sua Tomada de Posse, a respeito das questões dos Estudantes quando apresentadas correctamente e com justa causa, As respostas foram negativas por razões que até a data não estão completamente definidas. Mas, alguma coisa foi possível esclarecer e passar a uma forma mais prática de resolver os problemas associativos, constituindo-se voluntariamente uma COMISSÃO ELEITORAL e de Gestão Estudantil para a AAC; é mais uma comissão entre tantas outras, como núcleo da campanha que já tem aceitação por um abaixo-assinado do qual três alunos e duas alunas constituem a Comissão Eleitoral, proposta para aprovação superior e sua legalização.

1977-04-27 - A SITUAÇÃO ACTUAL NO ISE E A LUTA CONTRA A REFORMA BURGUESA DO ENSINO. - Movimento Estudantil


A SITUAÇÃO ACTUAL NO ISE E A LUTA CONTRA A REFORMA BURGUESA DO ENSINO.

. E A HOMOLOGAÇÃO DOS ÓRGÃOS DE GESTÃO - UNIR A LUTA NUM CAUDAL ÚNICO.
. OS REVISIONISTAS SÃO OS MAIS FIEIS APLICADORES DA POLÍTICA DO MEIC.
. A SAÍDA PARA A LUTA

POR UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR

1 - O SIGNIFICADO E AS CONSEQUÊNCIAS DA ULTIMA AGE
O facto de não se ter realizado a AGE, convocada para a passada semana, deve constituir um sinal de alarme para a gravidade da situação que se está a gerar no ISE, e permite, sem dúvida, extrair excelentes lições quanto a saber quem está do lado dos estudantes, na defesa da democracia, e das suas conquistas, e quem urde as mais sujas manobras e golpes nas suas costas, procurando, através das combinações de gabinete, preservar os seus "tachos".

1977-04-27 - O Proletário Vermelho Nº 76-77

Editorial
A ESTRANHA DIREITA DE UM PAÍS POR FAZER

Em tomo do 3.° aniversário do 25 de Abril voltaram mais nitidamente à ribalta da grande informação os “capitães”, os homens que por decisão ou hesitação, generosidade ou calculismo, romantismo ou interesses próprios ou alheios, mercenariato ou ingenuidade, se colocaram logo desde o 16 de Março à frente do movimento militar anti-marcelista.
Três anos decorridos, perante as primeiras comemorações festivas de um aniversário que nos anos anteriores foi passado a votar, é já algum tempo de meditar. Meditemos pois, como que aceitando o repto que o capitão Armando Ramos lançou em circular aos seus colegas de acção, e, nas páginas do jornal (“O DIA”), a todo o país.
TUDO CORREU AO CONTRÁRIO?
A primeira impressão com que se fica é a de que, sem excepção, TUDO correu ao contrário do que TODOS previam, os de 16 de Março e os de 25 de Abril (pois que, ao que nos dizem, não foram exactamente os mesmos. Ao menos, passou a haver os que reivindicavam o movimento das Caldas e os que não, os que a 11 de Março de 75 acusavam mesmo aqueles de “reaccionários e fascistas”.).

1977-04-27 - 1º de MAIO DIA DE UNIDADE E LUTA - Comissões de Trabalhadores

1º de MAIO DIA DE UNIDADE E LUTA

Com o aproximar do DIA INTERNACIONAL DOS TRABALHADORES, o lº de Maio, dentro da nossa fábrica começou já a levantar-se o movimento pela sua celebração em UNIDADE E LUTA. Nós trabalhadores das OGMA, apesar de não estarmos Sindicalizados, saberemos aderir às convocações dos vários Sindicatos para, em unidade com todos os trabalhadores, gritarmos:
NÃO AO PACTO SOCIAL!
OS RICOS QUE PAGUEM A CRISE!

1977-04-27 - VIVA O 1.° DE MAIO VERMELHO - PCTP/MRPP

PCTP
VIVA O 1.° DE MAIO VERMELHO

PROGRAMA DAS COMEMORAÇÕES EM LISBOA

QUINTA E SEXTA, 28-29 ABRIL
PINTURA COLECTIVA DE UM MURAL ALUSIVO AO 1.° DE MAIO POR UM GRUPO DE ARTISTAS DEMOCRATAS.

     SÁBADO, 30 DE ABRIL
     MANHÃ / ROSSIO
     10 H
   • ABERTURA DA BARRACA DE PROPAGANDA E DA BANCA DE LIVROS DA VENTO DE LESTE.
•MÚSICA.
      11.30 H
      • ACTUAÇÃO DO RANCHO SERVIR O POVO.
•ACTUAÇÃO DO CORO POPULAR O HORIZONTE É VERMELHO.
•ACTUAÇÃO DO GRUPO INSTRUMENTAL 1o DE MAIO
      TARDE / TEATRO MARIA MATOS
      15 H
      • CORO POPULAR O HORIZONTE É VERMELHO.
•GRUPO INSTRUMENTAL 1o DE MAIO.
•POESIA POR ANA LUÍSA TEIXEIRA, JOSÉ DE CARVALHO E LEONEL SANTOS.
•INTERVALO
•FILME A FESTA DE ANTÓNIO CAMPOS.
•FILME A GENTE DA PRAIA DA VIEIRA DE ANTÓNIO CAMPOS.
•INTERVALO
•FILME O CONGRESSO DA FUNDAÇÃO DO PCTP REALIZADO PELO COMITÉ DO PARTIDO PARA O CINEMA.

1977-04-27 - VIVA O 1.° DE MAIO VERMELHO - PCTP/MRPP

VIVA O 1.° DE MAIO VERMELHO

Sábado - 30 de Abril - Teatro Maria Matos 15h Coros, Poesia, Cinema 21 h Teatro – Domingo - l de Maio - Rossio 10 h Coros, Ranchos, Zás Pereiras, Feira
17H MANIFESTAÇÃO POPULAR -Rossio

VIVA O 1.° DE MAIO VERMELHO
O PCTP conclama a classe operária e o povo a comemorar o dia 1º de Maio, dia mundial dos trabalhadores, sob a sua bandeira - a BANDEIRA DOS COMUNISTAS.
Ao comemorar este dia tão querido dos trabalhador e odiado pelos exploradores o PCTP denuncia firmemente todos os partidos oportunistas que traiem esta grande Jornada de Luta.
O partido do Dr. Soares festeja o 25 de Abril e despreza o dia de todos os trabalhadores. O P“C”P social-fascista, “vermelho” de vergonha esconde-se atrás da capa “apartidária” dos Sindicatos para poder trair os trabalhadores. Os grupelhos U“DP”/P“C”P(R) seguem as pisadas do padrasto temerosos de serem arrasados. Acaso será que a classe operária não precisa de um Partido de classe próprio? Claro que precisa e já o possui! É por isso que esse Partido - o PCTP - convoca a sua classe e o povo para comemorar o 1.° DE MAIO VERMELHO contra todos os 1.os de Maio Amarelos; contra as medidas anti-operárias e anti-populares do governo e contra o pacto-social.

1977-04-27 - Bandeira Vermelha Nº 067 - PCP(R)

O 1° de Maio é dia de luta!
Proclamação do comité central do PCP(R)

PROLETÁRIOS!
TRABALHADORES!
É teu o 1° de Maio! Sai à rua e clama justiça! Exige o Pão e a Terra a que tens direito!
Aproxima-se a grande Jornada vermelha do 1o de Maio, dia internacional dos trabalhadores. Vai chegar o dia em que todos comemoraremos os ideais da Liberdade, do Progresso e do Socialismo!
Hoje em Portugal vamos comemorar o 1o de Maio em luta contra a reacção e o patronato, em luta contra esse governo vendido que nos quer tirar o pouco que já conquistámos!
Na grande jornada vermelha que se aproxima os trabalhadores vão sair à rua e mostrar a sua força. Vão dizer não aos amarelos revisio­nistas que querem assinar um pacto social com a burguesia, vão demonstrar pela sua firmeza e unidade que é possível vencer. É possível esmagar a reacção e o capital, expulsar o imperialismo da nossa pátria. E possível um futuro socialista em Portugal!

quarta-feira, 26 de abril de 2017

1972-04-26 - O CÉNICO DE DIREITO TOMA POSIÇÃO - Movimento Estudantil

O CÉNICO DE DIREITO TOMA POSIÇÃO

A. O GRUPO CÉNICO DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA FACULDADE DE DIREITO DE LISBOA não se alheia e nunca se alheará de tudo quanto acontece ou possa acontecer dentro da Mov. Associativo (de que ele é activamente parte integrante) e, mais além, a nível nacional e internacional.
B. O GRUPO CÉNICO da A.A.F.D.L. consciente das condições que rodeiam actualmente o M.A. defende que só através da UNIDADE ESTUDANTIL se poderá fazer face a toda uma ofensiva governamental tendente à liquidação das estruturas democráticas estudantis existentes em Portugal (AAEE, Organismos Culturais, LIVRELCO, etc.).
C. O GRUPO CÉNICO DA AAFDL face aos gravíssimos acontecimentos ocorridos em "RIA" de 24 de Abril (2a feira), durante a qual foi duramente espancado por elementos ditos associativos, um dirigente da CPA de Medicina, considera:
1. Anti-associativa tal atitude tomada por delegações de várias escolas (Ciências, Técnico e MAESL) e por alguns colaboradores ditos associativos;

1977-04-26 - A Bigorna Vermelha Nº 01 - PCP(ml)

O QUE É ESTE JORNAL

Este jornal será o porta-voz do Partido Comunista de Portugal (marxista-leninista) no trabalho da educação a organização dos trabalhadores da Metalúrgicos Duarte Ferreira, à luz do marxismo, do leninismo, do pensamento de Mao Zedong,
O PCP(m-l) é o herdeiro das tradições revolucionárias dos operários metalúrgicos na luta contra o fascismo e a exploração, guiados pelo Partido Comunista Português e os seus grandes dirigentes como Militão Ribeiro, Alfredo Diniz a José Gregório, antes de ter sido transformado num partido burguês, revisionista a fascista, pela camarilha da Cunhal. Este jornal presta homenagem aos combatentes contra o fascismo salazarista e aos combatentes contra o novo fascismo à Cunhal.
Este jornal defende a luta pelo socialismo científico, tal como existiu na Unido Soviética no tempo da Lenin e Stalin e existe hoje na China da Mao Zedong. Distingue-se assim dos jornais burgueses, quer dos que defendem o social-fascismo da Cunhal e Brejnev, quer dos que defendam a demagogia do ««socialismo em liberdade» da «inspiração marxista» (!) à PS, a demagogia do «socialismo democrático» à PSD ou o «humanismo personalista» à CDS.

1977-04-26 - LISTA B LISTA SOCIALISTA CONTRA O MEIC - LCI

MANIFESTO
LISTA B
LISTA SOCIALISTA CONTRA O MEIC

DERROTAR O MEIC
Chegados quase ao fim deste ano lectivo, confirma-se o que sempre pensáramos ser c objectivo do Ministério da Educação para este ano lectivo de 76/77 ano de transição em que a burguesia iria, a pouco e pouco, repor a sua ordem na escola, liquidando, uma a uma, todas as conquistas dos estudantes. Foi o decreto de gestão, são os cortes orçamentais e a elitização da Universidade; foi o encerramento puro e simples de Faculdades (Economia do Porto e ISCSP) e são os "numerus clausus" que começaram em Medicina e Veterinária e se estendem já à nossa Faculdade (100 "vagas” para 1200 candidatos a Psicologia...). É o novo ano propedêutico, os exames de aptidão, os testes e os exames que também para Letras se anunciam.
O Movimento Estudantil, domesticado já no período anterior, no tempo em que a sua direcção apodava de reaccionária qualquer mobilização (UEC), passa para as mãos da JS que abandona as suas posições criticas face ao golpismo e burocratismo da UEC para a substituir como correia de transmissão do governo para as escolas. Os GDUPs, obcecados pelo "fascismo à porta" e roídos por fortes dissensões internas vão recorrer ao seu método privilegiado; propõem acções de "vanguarda'“, lutas que ficam isoladas, ou então argumentando que "a maioria dos estudantes é reaccionária”, vão cedendo em toda a linha a orientação do MEIC.

1977-04-26 - VIVA O 1º DE MAIO - MES

VIVA O 1º DE MAIO

     O 25 DE ABRIL ESTA VIVO!
    A CLASSE OPERARIA ESTA UNIDA E DISPOSTA A LUTAR!
   O MOVIMENTO POPULAR TEM FORÇA PARA RESPONDER A RECUPERAÇÃO CAPITALISTA!

3 anos passados sobre a jornada libertadora do 25 de Abril, 3 anos passadas sobre o Glorioso 1º de Maio de 1974 em que as massas populares começaram a transformar um golpe militar contra o regime fascista num processo revolucionário, é este o único significado que o lº de Maio pode ter: uma Jornada de UNIDADE, ORGANIZAÇÃO E LUTA!
Quando a GNR e a polícia de choque regressa às fábricas, às herdades e às empresas para espancar os trabalhadores e garantir a ordem dos patrões;
Quando os trabalhadores são despedidos com toda a desfaçatez pelo patronato explorador;
Quando os burlões fascistas regressam às empresas que sabotaram pela mão das desintervenções do Governo de Dr. Soares;

1977-04-26 - VIVA O 1º DE MAIO! - Sindicatos

Sindicato dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Aeronavegação e Pesca

VIVA O 1º DE MAIO!
  Dia da Classe Operária e de todos os demais Trabalhadores Explorados e Oprimidos!

Esta Direcção estimava que esta data fosse uma memorável jornada de unidade e luta, que todos os trabalhadores viessem para a rua realizando grandes concentrações de massas onde fosse feito o balanço dos êxitos e reveses e se traçasse um plano de luta tendo em vista o derrube da burguesia e a tomada do poder político por todos os explorados e oprimidos da nossa Pátria.
Esta Direcção estimava que uma única bandeira dirigisse, preparasse e levasse à prática todas as realizações desta data de particular significado.
Mas nós não utilizamos da demagogia, dos dogmas e entendemos ser nosso dever não escamotear as realidades mas sim apontar o caminho que, do nosso ponto de vista, irá transformar essas mesmas realidades.

1977-04-26 - CONTRA AS CTs VENDIDAS - PCTP/MRPP

Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)

VIVA O 1º DE MAIO
CONTRA AS CTs VENDIDAS

ROSSIO - 10 AS 17 H. REALIZAÇÕES CULTURAIS
MANIFESTAÇÃO POPULAR - 17 H.

AOS TRABALHADORES DAS O.G.M.A,:
Aproxima-se a passos largos o Dia Mundial do Trabalhador; comemorarmos o 1º DE MAIO é comemorarmos o dia da unidade dos Proletários do mundo inteiro para atingir um objectivo que lhes é comum; libertar o homem da exploração que outro homem faz sobre ele.
Este 1º DE MAIO vai ser celebrado em Portugal numa aguda luta de classes, em que por um lado o Governo Constitucionais mas mesmo assim provisório, decreta dia após dia com a conivência de todos os partidos com assento na Assembleia da República as leis anti-operárias e anti-populares a um ritmo constante e por outro lado a classe operária a o povo se levanta contra estas medidas, (desde o Pacto Social decretado pelo Governo e aprovado no II Congresso da Intersindical às desintervenções) como demonstra lutas dos trabalhadores da MARRIOT, a luta contra o regresso dos patrões, na construção civil, na EUROFIL, na J. PIMENTA, etc..

1977-04-26 - VIVA O 1° DE MAIO VERMELHO - PCTP/MRPP

VIVA O 1° DE MAIO VERMELHO

ROSSIO - 10 ÀS 17 H. REALIZAÇÕES CULTURAIS
MANIFESTAÇÃO POPULAR - 17 H.

Todas as classes têm dias próprios para as suas festas. A burguesia celebra nesses dias os massacres e os momentos altos da sua exploração sobre a classe operária e o povo.
A classe operária tem também as suas festas em que comemora as vitórias alcançadas, através de duras, e por vezes prolongadas lutas, contra os seus exploradores.
O 1.° de Maio é o dia mundial de todos os trabalhadores que simboliza a histórica luta travada pelos operários de Chicago em 1886 pela imposição do horário das 8 horas de trabalho.
O proletariado e o povo português cedo começaram a celebrar o 1.° de Maio, cedo juntaram a sua voz à dos seus irmãos de outros países, cedo declararam guerra ao capitalismo, à odiosa exploração do homem pelo homem.

1977-04-26 - O 1.° DE MAIO É VERMELHO! ERGAMOS A NOSSA BANDEIRA! - PCTP/MRPP

Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)

O 1.° DE MAIO É VERMELHO! ERGAMOS A NOSSA BANDEIRA!

Comunicado do Comité Permanente do Comité Central do PCTP/MRPP acerca do 1.° de Maio

   1. O 1.° de Maio é a jornada de combate e de luta dos operários. Nesta data, os proletários do mundo inteiro erguem a ideologia jovem, revolucionária e libertadora do marxismo-leninismo-maoismo com o despertar primaveril das forças da natureza, numa celebração de alegria e de luta à batalha dos explorados pela sua emancipação da escravidão assalariada. No 1.° de Maio, o operário lança o olhar e estende o braço poderoso de produtor ao seu irmão de todos os países e nações, para com ele renovar a disposição de, sob as bandeiras do Comunismo e do Internacionalismo Proletário, prosseguir com ardor no combate pelo derrube do capitalismo e da ditadura do capital, pelo triunfo da Revolução Mundial Proletária e a instauração da ditadura do proletariado e do Socialismo. No 1.° de Maio, o operário recolhe-se numa homenagem feita de vontade e de confiança no futuro da sua classe honrando a memória dos milhões de camaradas tombados no campo da luta para que a sua rubra bandeira flutue um dia sobre os povos do mundo inteiro.

terça-feira, 25 de abril de 2017

1972-04-25 - José Manuel JARA, membro da Direcção da CPA de MEDICINA, BARBARAMENTE ESPANCADO ontem à noite, na RIA - Movimento Estudantil

José Manuel JARA, membro da Direcção da CPA de MEDICINA, BARBARAMENTE ESPANCADO ontem à noite, na RIA

Compareceu ontem à noite a delegação da Pró-Associação a uma Reunião Inter-Associações (RIA) cuja ordem de trabalhos tinha como ponto único a luta contra a Repressão. No começo da RIA a delegação de Ciências propõe como ponto prévio que esta reunião tome uma posição face aos provocadores.
A delegação de Ciências adianta que conhece um provocador pidesco… esse provocador pidesco era o Jara (!!!); e como se isto não bastasse para espanto total de todos os estudantes de boa-fé que ali estavam, inicia-se o “julgamento" sem a presença do "réu".
Para quem não quer ver de que vale ter olhos? Assim a um dirigente da CPA da Faculdade de Medicina, dirigente que sempre defendeu o Movimento Associativo, que foi eleito democraticamente pela grande maioria dos estudantes desta Faculdade, que sempre mereceu confiança destes para cumprir as suas decisões maioritárias, tenta-se um processo maquiavélico de o "queimar" inquisitorialmente. Quando a força não se impõe pelas ideias, impõem-se as ideias pela força, a murro…

1972-04-25 - Bistori Nº 21 - Movimento Estudantil

Bisturi nº 21
Informativo

DEPARTAMENTO DE IMPRENSA ASSOCIATIVA DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE MEDICINA DO PORTO

Porto, 25 de Abril de 1972
  INFORMAÇÕES DE LISBOA, COIMBRA e PORTO.

(ENTREGUE PELA DIRECÇÃO AO DIRECTOR)

LISBOA
ESTRATOS DO SUPLEMENTO INFORMATIVO Nº 10 "VIRGULA" boletim da secção de informação e, propaganda da comissão, pró-associação da faculdade de letras de Lisboa. "SEMANA DE LUTA CONTRA A REPRESSÃO PELA REABERTURA E LEGALIZAÇÃO DA C.P.A.
POR UMA ASSOCIAÇÃO DE TODOS OS ESTUDANTES.

1977-04-25 - 25 Abril 74 da Resistência à Liberdade


1977-04-25 - 1º Jogos Florais do 25 de Abril - Fapir


1977-04-25 - 3º Aniversário 25 de Abril - MDP-CDE


1977-04-25 - Comício - A CLASSE OPERÁRIA E O 25 DE ABRIL - PCTP/MRPP


1977-04-25 - 25 Abril 74/77


1977-04-25 - Programa das Comemorações do 25 de Abril em Guimarães

Programa das Comemorações do 25 de Abril em Guimarães

O 25 DE ABRIL ESTÁ VIVO
Dia 23 SÁBADO - JORNADA INFANTIL
15 horas — LARGO DA OLIVEIRA
Artes Plásticas - Pintura livre
Teatro e Danças infantis pelo Centro Cultural de Fermentões Cinema infantil pelo Cine-Clube
Teatro de fantoches pelo Teia-G.
DIA 24 DOMINGO
10 horas — LARGO DA CÂMARA
Concentração de caravana, com instalação sonora, com gravações do 25 de Abril de 74, para ir percorrer: o Concelho, convocando a população para as manifestações culturais a realizar de tarde.
15 horas — LARGO DA OLIVEIRA
Teatro: "Os Ciumes” pelo Juni Costa
Agrupamento Musical do Juni Costa.
Teatro: ”O auto do Ti Jaquim” pelo Circulo de Teatro Amador de Creixomil (CITAC).
Canto popular pelo Grupo de Animação de Canto Popular (GACP) do CICP.

1977-04-25 - Liberdade para RUI GOMES!

Liberdade para RUI GOMES!

ENQUANTO FASCISTAS, PIDES E BOMBISTAS, SE PASSEIAM PELAS RUAS SEM QUE ALGUÉM TENHA CORAGEM DE O IMPEDIR, ESTÁ AINDA NA PRISÃO HÁ MAIS DE 18 MESES O JOVEM ANTI-FASCISTA RUI GOMES QUE SEMPRE LUTOU AO LADO DO POVO TRABALHADOR.
ESTA PRISÃO É UMA AFRONTA AO 25 DE ABRIL RUI GOMES NÃO PODE CONTINUAR PRESO, O SEU ÚNICO “CRIME“ FOI APOIAR AS LUTAS DO POVO. FOI PRESO QUANDO SE MANIFESTAVA AO LADO DOS DEFICIENTES DAS FORÇAS ARMADAS PARA QUE ELES TIVESSEM UM VIDA MAIS DIGNA.
NESTE DIA QUE FOI DE LIBERDADE PARA O POVO, DEVEMOS EXIGIR SEM DEMORA A LIBERTAÇÃO DESTE JOVEM ANTI-FASCISTAS.

LIBERDADE PARA RUI GOMES
Antifascistas de Guimarães pela libertação de RUI GOMES