Translate

sábado, 31 de dezembro de 2016

1976-12-31 - PORTUGAL 2002 Democracia Ultraploralista - Abel Manta


1976-12-31 - FESTA DE FIM DE ANO - UEC-UJC


1971-12-00 - Seara Nova Nº 1514

Aqui e Agora

UMA DECISÃO DO TRIBUNAL DE OEIRAS
Por decisão proferida pelo juiz de Direito da comarca de Oeiras, foram consideradas nulas as declarações prestadas, sem a presença de advogado, perante a Direcção-Geral de Segurança na instrução preparatória de um crime contra a segurança do Estado.
Os réus, srs. José Gomes e Francisco Alberto Machado Libânio, empregados bancários, presos quando da manifestação de apoio ao dirigente sindical Daniel Cabrita, eram acusados do crime de falsas declarações sobre os seus antecedentes criminais, ao serem interrogados naquela Direcção-Geral
Conforme é do conhecimento público, o Supremo Tribunal de Justiça e o Tribunal da Relação do Porto já se tinham pronunciado em sentido favorável à nulidade das declarações prestadas por réus presos na Polícia Judiciária/ sem assistência de defensor.
Também, em processo que corre pelo Tribunal Plenário do Porto, foi igualmente declarada a nulidade de declarações perante a Direcção-Geral de Segurança, sem a presença do advogado.
Os réus eram defendidos pelo dr. José Augusto Rocha.
(Dos jornais de 11/10/71)

1976-12-31 - PASSAGEM DE ANO - PCP



1976-12-31 - APELO da Redacção do Luta Popular - PCTP/MRPP

“FUNDOS DO POVO PARA O JORNAL DA VERDADE”

APELO da Redacção do Luta Popular

À CLASSE OPERARIA E AO POVO!
CAMARADAS:
O nosso Luta Popular, o Jornal da Verdade, iniciou no dia 28 uma campanha política e económica sem precedentes, que consiste em mobilizar e solicitar o apoio da classe operária e do povo trabalhador para um objectivo urgente e concreto: o de criar as condições políticas, económicas e práticas para poder subsistir tal como as massas e a Revolução o exigem — como um DIÁRIO POLÍTICO MARXISTA-LENINISTA PARA AS AMPLAS MASSAS.
É que — fiel à sua natureza de classe reaccionária e sua prosápia sobre a "liberdade de Imprensa" e outras "amplas liberdades" — a classe dos exploradores, os seus partidos e o seu Governo querem calar a única voz impressa que, na nossa pátria, não vende os seus princípios revolucionários aos "princípios" do dólar ou do rublo, mas que persiste na via traçada e exigida pelo proletariado: a de falar a Verdade, de dirigir as massas nas suas lutas, de lhes iluminar os caminhos pelas trevas desta sociedade da opressão até à conquista da democracia popular, do Socialismo e do Comunismo.

1976-12-31 - Luta Popular Nº 479 - PCTP/MRPP

Alienando Independência Nacional
GOVERNO PS PEDINCHA 54 MILHÕES DE CONTOS AOS IANQUES

Sem que fosse anunciada oficialmente a sua visita, resultado das negociações secretas que o governo constitucional tem vindo a travar com os imperialistas ianques, pisou ontem o solo da nossa pátria um dos mais importantes representantes dos interesses económicos dos norte-americanos, o Subsecretário de Estado americano no do Tesouro, Charles Yeo.
Mal desembarcou do seu avião encetou logo uma série de importantes negociações, com membros do governo, especialmente aqueles que se encontram como responsáveis pelas pastas à Economia e Finanças.
Em torno desta visita decorreram, durante todo o dia de ontem reuniões que visaram a obtenção de dois empréstimos a conceda pelos ianques e que foram solicitados pelo governo do Partido dito Socialista. Esses empréstimos, que motivaram já a viagem aos EUA do ministro das Finanças Medina Carreira, que foi acompanhado pelo sinistro Carlluci, cifram-se, um em 300 milhões de dólares 19 milhões de contos) e o outro em mil milhões e 500 mil dólares (45 milhões de contos).

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

1976-12-30 - Reunião C.C. - PCTP/MRPP


Para ver a totalidade do documento em PDF clik AQUI

1976-12-30 - RECOMENDAÇÃO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

RECOMENDAÇÃO

O I Plenum do Comité Central
30 de Dezembro de 1976

O I Plenum do I Comité Central, considerando a importância que tem, para a edificação do Partido, a formação e consolidação dos Comités do Partido no Distrito;
O I Plenum do I Comité Central voltou a examinar a Resolução de 8 de Novembro de, 1976 "Sobre os Comités do Partido no Distrito" e recomenda vivamente, aos quadros responsáveis de todos os escalões até ao nível do Distinto que a estudem e apliquem às condições concretas do trabalho nas organizações distritais.

30 de Dezembro de 1976
(Aprovada por unanimidade)

1976-12-30 - MOÇÃO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

MOÇÃO

O I Plénum do I Comité Central, reunido em Lisboa no dia 30 de Dezembro e à saída do Congresso Nacional do MRPP, examinando a complexidade dos problemas que a Comissão de Organização do Congresso do Partido teve de resolver, saúdo calorosamente aquela Comissão e exprime o seu alto apreço pelo trabalho efectuado por aquele, organismo, que foi um contributo particularmente importante para o notável êxito do Congresso e para a própria tarefa da Fundação do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses.

(Aprovada por unanimidade.)

1976-12-30 - MOÇÃO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

MOÇÃO

O I Plenum do I Comité Central manifestou o seu regozijo pela proposta do Departamento de Juventude de convocar para a segunda quinzena de Fevereiro o Congresso da Federação dos Estudantes Marxistas-Leninistas na intenção expressa de aplicar ao sector dos estudantes comunistas, e ao movimento democrático dos estudantes a linha geral e as resoluções adoptadas no Congresso Nacional do Partido.
Endereçando aos jovens camaradas da Federação dos Estudantes Marxistas-Leninistas as suas saudações revolucionárias comunistas, o I Plenum do I Comité Central manifestou a sua concordância com o projecto do Departamento de Juventude e exprime-lhe todo o seu apoio.

30 de Dezembro de 1976
(Apavorada por unanimidade)

1976-12-30 - RESOLUÇÃO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

RESOLUÇÃO

O I Plénum do I Comité Central, considerando a enorme importância política nacional do Congrego da fundação do Partido e considerando ainda que o Congresso constitui uma escola de ensinamentos inesgotáveis, resolve que, dentro dos próximos quinze dias, todos os delegados ao Congresso, reunirão com os militantes do Partido que os elegeram e lhes comunicarão minuciosamente os ensinamentos políticos que colheriam, o espírito de Partido que comungaram, a unidade de que participaram e o sentido das decisões históricas que aprovaram.
Esta tarefa de propaganda do Congresso — que obviamente não se esgota no acto constante desta resolução — é considerada pelo I Plenum como uma condição importante da consolidação do Partido, do reforço das suas fileiras e da preparação da ofensiva política do Partido.

(Aprovada por unanimidade)
Lisboa, 30 de Dezembro de 1976

1976-12-30 - RESOLUÇÃO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

RESOLUÇÃO

Considerando o desenvolvimento que o trabalho sindical tem vindo a assumir na actividade política do nosso Partido;
considerando também que os documentos aprovados no Congresso Nacional do Partido, nomeadamente o Relatório político e de organização apresentado pelo Comité Lenine do MRPP marcaram como tarefa a realização rápida duma Conferencia sobre o trabalho sindical do Partido;
considerando ainda que o volume, de actividade já desenvolvido e que os problemas políticos e de táctica política que inevitavelmente suscitou aconselham um amplo debate nas nossas fileiras sobre a necessidade de intensificar o trabalho sindical e de formular com toda a clareza a linha política especifica do Partido pana esse sector da actividade;

1976-12-30 - SAUDAÇÃO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

SAUDAÇÃO

O I Plenum do I Comité Central do Partido reunido nesta data em Lisboa, apreciou o Comício da fundação e extraiu dele as eleições politicas que encerra, nomeadamente como reflexo duma excelente situação e disposição do povo para a luta e como expressão de unidade, de aço existente nas nossas fileiras e de todo o Partido à volta do Congresso e do Comité Central dele saído.
O I Plenum do I Comité Central do Partido saúda com particular afecto e calorosamente os militantes do Partido, os activistas e mais de uma dezena de milhares de outros elementos do povo que souberam responder com entusiasmo ao apelo do Partido, revelaram um alto grau de consciência política das suas tarefas numa ocasião em que a classe operária e o povo se preparam para combates de grande envergadura, e conferiram ao acto da Fundação do Partido um carácter de massa e uma determinação política proletária que irá marcar beneficamente todo o trabalho futuro do nosso Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses.

(Aprovada por unanimidade)
Lisboa, 30 de Dezembro de 1976

1976-12-30 - SAUDAÇÃO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

SAUDAÇÃO

O I Plenum do I Comité Central, examinado os múltiplos ensinamentos a extrair do Congresso da Fundação, pôs em relevo a determinação revelada pelos delgados ao Congresso, o seu sentido elevado da luta ideológica e política, a sua coragem na prática da crítica e da auto-crítica, o seu espírito de participação e de intervenção, a sua unidade, disciplina e entusiasmo transbordante.
O I Plenum estima que estas características marcaram todo o Congresso do Partido e contribuíram decisivamente para a vitória histórica alcançada pelos marxistas-leninistas e pelo proletariado.
O I Plenum, em consequência, entende ser seu dever saudar viva e calorosamente todos os delegados ao Congresso e ainda os convidados do Partido pela disposição combativa, decisão, unidade e entusiasmo postos na realização desta magnifica tarefa histórica proletária.
Viva o Congresso Nacional do MRPP!
Viva o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses!
(Aprovada por unanimidade.)

Lisboa, 30 de Dezembro de 1976

1976-12-30 - LANCEMOS UMA PODEROSA OFENSIVA NO CAMPO DA ORGANIZAÇÃO! - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

LANCEMOS UMA PODEROSA OFENSIVA NO CAMPO DA ORGANIZAÇÃO!

Resolução do I Plenum do Comité Central
30 de Dezembro de 1976

LANCEMOS UMA PODEROSA OFENSIVA NO CAMPO DA ORGANIZAÇÃO!
1. Lançar uma poderosa ofensiva pela edificação do Partido foi uma palavra de ordem saída do Congresso Nacional do nosso Movimento e consubstanciando uma tarefa política imediata da máxima importância para os marxistas-leninistas, para a classe operária e para o seu Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses.
Uma ofensiva política desta envergadura, visando consolidar, reforçar e alargar o nosso Partido e fortalecer e estreitar a nossa ligação às massas trabalhadoras, deve ser minuciosa e concisamente preparada em todos os campos e sob todos os aspectos, dos teóricos aos práticos, dos políticos aos de organização.

1976-12-30 - UMA VEZ MAIS OS RELATÓRIOS - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

UMA VEZ MAIS OS RELATÓRIOS

Resolução do I Plenum do Comité Central
30 de Dezembro de 1976

1. A Historia dos Relatórios
O I Plenum do I Comité Central examinou o problema da instituição do sistema de relatórios, que já fora objecto de uma resolução do Plenum de Fevereiro último. Do exame a que procedeu, constatou que, duma forma geral, a resolução de Fevereiro ficou letra monta.
O cento é que - e mesmo assim - a atitude face à exigência dos relatórios tem sido um critério seguro pana desmascarar os arrivistas, carreiristas e oportunistas que tem passado pelas nossas fileiras.
No fundamental, verificaram-se dois desvios à aplicação do sistema de relatórios; o dos que pura e simplesmente o não fazem, e o dos que o fazem para pura e simplesmente escamotearem os problemas que estão no fundo do cesto.

1976-12-30 - RESOLUÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO TERRITORIAL DO PARTIDO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

RESOLUÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO TERRITORIAL DO PARTIDO

      I Plenum do Comité Central 30 de Dezembro de 1976

1. O Plenum do Comité Central, em sua Reunião de hoje, examinou, à luz dos documentos aprovados no Congresso da Fundação os problemas concernentes à questão da organização territorial do Partido.
Efectuando um balanço da experiência do MRPP nesta matéria, o Plenum considerou que, a despeito dos êxitos obtidos com o actual esquema organizativo territorial, se impunham algumas alterações de certa profundidade, com vista a reforçar a organização do Partido, a fortalecer a direcção do Comité Central sobre a organização territorial e a permitir, assim, um mais profundo enraizamento do Partido nas massas populares.
2. O Plenum do Comité Central adoptou a seguinte estrutura de organização territorial

1976-12-30 - RESOLUÇÃO SOBRE O REGIMENTO DO COMITÉ CENTRAL - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

RESOLUÇÃO SOBRE O REGIMENTO DO COMITÉ CENTRAL

I Plenum do I Comité Central
30 de Dezembro de 1976

I
REGIMENTO DO COMITÉ CENTRAL
     1 - O Comité Central do Partido é eleito no Congresso do Partido.
   2 – O Comité Central do Partido é constituído por membros efectivos e membros suplentes, uns e outros eleitos no Congresso do Partido.
     3 - O Comité Central do Partido será constituído por um número de membros efectivos não superior a vinte, e por um número de membros suplentes não superior a nove.
   4 - Os membros suplentes preenchem as vagas que venham a verificar-se entre os membros efectivos.

1976-12-30 - I Plenum do Comité Central - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

      I Plenum do Comité Central   
     30 de Dezembro de 1976

1. A tarefa da edificação de um forte e correcto Partido Comunista é uma grande tarefa histórica que deve encher de alegria, mobilizar e galvanizar todos os Camaradas e todas as organizações do nosso Partido.
Essa tarefa impõe-nos, de imediato e com urgência, uma rectificação drástica e radical das nossas concepções e métodos de trabalho errados, característicos de um certo diletantismo artesanal que indiscutivelmente enfermou muito da prática revolucionária do nosso Partido
Corrigir todos esses erros não será tarefa fácil, porque é muito grande a força dos hábitos e do estilo liberais, conforme comprova as dificuldades e oposições surgidas na aplicação das justas decisões tomadas no Plenum de Fevereiro último em matéria de organização e que, no essencial, ficaram letra morta.

1976-12-30 - ALOCUÇÃO SOBRE O CONGRESSO DO PARTIDO - PCTP/MRPP

PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

ALOCUÇÃO SOBRE O CONGRESSO DO PARTIDO

I Plenum do Comité Central
30 de Dezembro de 1976

Ordem de Trabalhos - Ponto 1

Camaradas:
Vamos dar início ao I Plenum do I Comité  Central do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses convocado por mim na qualidade de Secretário do Comité Lenine, Comité Central do MRPP e de proponente da lista do Comité Central eleito no Congresso.
A nossa Ordem de Trabalho que foi agora distribuída e que não não houve tempo de distribuir mais cedo em virtude da reunião se fazer logo a seguir ao Congresso, é aquela que os camaradas têm presente, e trata-se, ainda, antes da eleição do Secretário-Geral do Partido, da discussão e aprovação da Ordem de Trabalhos.

1976-12-30 - ORDEM DE TRABALHOS - PCTP/MRPP

Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado

ORDEM DE TRABALHOS
1. O congresso do Partido
2. Eleição do Secretário-Geral do Partido
3. Eleição do Comité Permanente do Comité Central
4. Regimento do Comité Central
5. Estruturação do Comité Central
6. Organização Territorial do Partido
7. Os Comités do Partido no Distrito
8. As células e os Comités de base do Partido
9. A instituição do sistema de Relatórios
10. O Congresso da Federação de Estudantes Marxistas-Leninistas
11. A Conferencia sobre o Trabalho Sindical
12. A Imprensa do Partido
13. A ofensiva política do Partido
14. O II Plenum do I Comité Central

1976-12-30 - Luta Popular Nº 478 - PCTP/MRPP

Entrevista dada pelo camarada Arnaldo Matos à RDP
«A POLÍTICA DO PARTIDO GOVERNAMENTAL VAI CRESCENTEMENTE OPOR-SE AO POVO»

Na noite de ontem, o camarada Arnaldo Matos cedeu uma entreviste à Radiodifusão Portuguesa que foi transmitida em directo no Jornal da Noite, pelas 20 horas,
É essa entrevista, as respostas dadas pelo camarada às perguntas que lhe foram feitas, que seguidamente publicamos.
Ouçamos pois o que diz o nosso camarada Arnaldo Matos;
A FUNDAÇÃO DO PARTIDO
A primeira pergunta feita, que era se a fundação do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses no Congresso Nacional do MRPP constituía apenas uma mudança táctica de sigla ou se correspondia a uma evolução na organização do Movimento para se transformar em Partido, como vanguarda da classe operária, respondeu o camarada Arnaldo Matos;

1976-12-30 - A UDP FACE AO GOVERNO PS - UDP

A UDP FACE AO GOVERNO PS

• POSIÇÃO DA UDP FACE AO PROGRAMA DE GOVERNO
• POSIÇÃO DA UDP FACE AO PLANO E ORÇAMENTO
Intervenções do deputado Acácio Barreiros na Assembleia da República

Montagem: Avenida 5 de Outubro, n° 176 - 4o - Dt° Impressão; GRUA Artes Gráficas Travessa das Almas, n° 2 - A

INTRODUÇÃO
Tu, que tanto prometeste
Enquanto nada podias,
hoje que podes — esqueceste,
tudo quanto prometias...
António Aleixo

São aqui apresentadas as posições da UDP sobre três documentos fundamentais discutidos na Assembleia da República: o Programa do Governo, o Plano e o Orçamento Geral do Estado para 1977. Estes documentos no seu conjunto traduzem a orientação do Governo do Dr. Mário Soares, governo apresentado ao País com lindas promessas, em nome do socialismo, o que deu ao PS a vitória nas últimas eleições legislativas. Quase dois milhões de portugueses votaram PS esperando ver concretizadas essas promessas, com a defesa intransigente das conquistas dos trabalhadores, e o ataque cerrado aos fascistas e imperialistas, abrindo, passo a passo, mas com firmeza, as portas de um Portugal justo, independente e feliz.

1976-12-30 - CIRCULAR INTERNA DE 30/12 - UCRP(ml)

CIRCULAR INTERNA DE 30/12
SOBRE A SITUAÇÃO FINANCEIRA DA UCRP(M-L)

A 10ª. Reunião Plenária do CC realizada recentemente analisou detalhadamente o relatório sobre a situação financeira da nossa organização, apresentada pela Comissão de fundas do CC, tendo aprovado as orientações e medidas concretas propostas.
I. – LIQUIDAÇÃO DA DIVIDA ATÉ FEVEREIRO
A situação financeira da organização é altamente deficitária e pode resumir-se do seguinte modo: A organização contraiu, nos últimos meses, uma dívida de cerca de 120 contos, principalmente com a impressão de propaganda; no decurso da campanha eleitoral, contraiu uma dívida de cerca de 50 contos, principalmente com a impressão de propaganda. A dívida actual, é portanto, de mais de 150 contos.
Analisando esta situação o CC concluiu que a razão principal de se ter atingido esta situação, é a falta de planeamento das contas da nossa organização. A orientação fundamental daqui para o futuro deverá ser de coordenar as necessidades do nosso trabalho político proletário com as possibilidades reais da nossa organização, adoptando em todas as questões uma política proletária criteriosa e responsável nas despesas. Para esse efeito, justamente, foi constituída recentemente a Comissão de fundos do CC.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

1976-12-29 - Luta Popular Nº 477 - PCTP/MRPP

ELEITO O COMITÉ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES

A eleição por unanimidade e aclamação do Comité Central do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses marcou, no dia de ontem, o fecho dos trabalhos, à porta fechada, do Congresso Nacional do MRPP a que iria seguir-se a Sessão de Encerramento, pública, na FIL.
Ao fim da manhã, no primeiro período dos trabalhos de ontem, também por unanimidade e aclamação, as «Teses sobre a Imprensa do Partido», da autoria do camarada Soares Lobo e por ele apresentadas eram aprovadas pelo Congresso da Fundação do PCTP.
O Congresso aprovou ainda no decurso dos trabalhos, durante a tarde de ontem, a letra em português de «A internacional», bem como tomou conhecimento do Relatório de Actividade da Organização do Partido no Exterior.
Entretanto, à Mesa do Presidium do Congresso, continuaram a chegar com grande profusão mensagens e saudações de todo o Partido, dos quatro cantos do País, bem como de elementos do povo que desta forma se associavam mais intimamente à Fundação do seu Partido, do Partido que há-de guiar os explorados e oprimidos até à vitória na luta pela emancipação.

1976-12-00 - 1º ANIVERSÁRIO DO CONGRESSO DA RECONSTITUIÇÃO DO PARTIDO - PCP(R)

EDITORIAL

Faz agora um ano que se realizou o Congresso de Reconstrução do Partido Comunista, o PCP(R), que marca uma nova fase na vida dos comunistas, da classe operária e do povo português. Este acontecimento de grande significado político é resultado do esforço de 20 anos de luta contra o revisionismo e de 12 longos anos de confusão e dispersão política causados pelo grupismo e caciquismo pequeno-burgueses. O Congresso de Reconstituição dotou novamente a classe operária portuguesa do seu Partido Comunista, o velho, o glorioso PCP de heróicas tradições de luta revolucionária, miseravelmente destruído por dentro pela camarilha de renegados revisionistas de Cunhal, Pato, Vilarigues e outros agentes da burguesia e do social-imperialismo russo.
Apesar de traída e enganada, mais uma vez a classe operária soube erguer-se firmemente contra a traição revisionista e combater tenazmente pela reconstrução do seu Partido, a sua enorme força revolucionária voltou a triunfar sobre as indecisões e vacilações das forças pequeno-burguesas que tentavam entravar a realização do Congresso. O Congresso foi possível graças à firmeza e pressão da classe operária dentro dos grupos e à intensa luta de classes que percorre o nosso país. O Congresso marcou o fim dos grupos, reconstruir o Partido mas não destruiu completamente o grupismo que conseguiu levar vivas para dentro do Partido algumas das suas raízes.

1976-12-29 - Bandeira Vermelha Nº 050 - PCP(R)

EDITORIAL
No aniversário da sua reconstituição
LEVANTEMOS BEM ALTO A BANDEIRA DO PARTIDO!

Durante quase 20 anos a classe operária esteve despojada da sua arma fundamental, o Partido. Com a traição do grupo burguês revisionista de Cunhal, Pato, Vilarigues e Cª, o Partido Comunista de gloriosas tradições de luta e de muitos e muitos heróis e mártires, que se destacaram na luta pela causa do povo, foi transformado de cima abaixo num partido burguês para operários, contra-revolucionário, ao serviço da camarilha de Krutchov, seu amo, e da burguesia portuguesa.
Após a degeneração total do Partido, uma só tarefa se colocava aos marxistas-leninistas, àqueles que recusaram trair a classe operária e o povo — levantar de novo o Partido, armar a classe operária com o seu guia indispensável para a Revolução.
Longo foi o caminho trilhado, pará se conseguir isso. Perdendo esse objectivo de vista, deixando-se arrastar para aventuras, desviando-se desse caminho, iniciou-se um longo e penoso caminho de actividades de vários grupos pequeno-burgueses que degladiando-se entre si, afastados da classe que diziam servir, foram incapazes de sair das paredes estreitas das universidades e de se voltar para a luta e organização da classe operária no seu Partido.

1976-12-29 - Podium Nº 098

O ANO DE 1976
ATRAVÉS DAS PÁGINAS DO «PODIUM»

O ano de 1976 começou logo no seu primeiro dia, sob o signo de repressão sobre as massas trabalhadoras.
Durante os restantes 364 dias, porém, muitos ataques e provocações lhes foram feitos, provindo tanto de partidos conciliadores e reformistas como de sectores fascistas e reaccionárias, cuja liberdade e impunidade foi total.
No entanto, as massas populares demonstraram que, embora tendo sofrido um rude golpe com a cilada montada em 25 de Novembro, não ficaram adormecidas, nem muito menos derrotadas.
Através de luta quotidiana nos locais de trabalho e habitação e pela mobilização nas pequenas lutas pontuais, cresceu o ímpeto revolucionário do povo que veio a atingir um ponto alto na campanha de Otelo à Presidência da República. Ficou assim bem vincado o seu desejo de, sem desfalecimentos, continuar a lutar pela construção de uma sociedade sem injustiças, livre, socialista.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

1976-12-28 - VIVA O CONGRESSO NACIONAL DA FUNDAÇÃO DO PARTIDO! - PCTP/MRPP


1976-12-28 - Amigos e camaradas! - MRPP


Para ver a totalidade do documento em PDF clik AQUI

1976-12-28 - Caro Camarada - PCTP/MRPP



1976-12-28 - FUNDOS DO POVO PARA O JORNAL DA VERDADE - PCTP/MRPP



1976-12-28 - FUNDOS DO NOVO PARA O JORNAL DA VERDADE - PCTP/MRPP

PARTIDO COLUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES (PCTP/MRPP)

FUNDOS DO NOVO PARA O JORNAL DA VERDADE

O Órgão Central do PCTP/MRPP (“LUTA POPULAR") iniciou no dia 28 de Dezembro de 1976 uma campanha política e económica sem procedentes que consiste em mobilizar e solicitar o apoio da classe operaria e de todo o Povo para um objectivo urgente e concreto: o de criar as condições políticas e económicas e práticas para poder subsistir tal como o Povo e a Revolução o exigem — como um diário político Marxista-Leninista para as amplas massas.
É que fiel à sua natureza de classe reaccionária e a sua prosápia sobre "Liberdade de Imprensa” e outras “amplas liberdades" a classe dos exploradores, os seus partidos e o seu governo, querem calar a única voz impressa, que na nossa Pátria não vende os seus princípios revolucionários aos princípios do dólar ou do rublo, mas que persiste na via traçada e exigida pelo proletariado: a de falar a verdade, de dirigir as massas nas suas lutas, de lhes iluminar os caminhos pelas trevas desta sociedade de opressão e exploração até à conquista da Democracia Popular, do Socialismo e do Comunismo.

1976-12-28 - Luta Popular Nº 476 - PCTP/MRPP

VIVA O PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES

Às 9 horas iniciaram-se ontem os debates da 4.ª sessão do nosso Congresso.
Foi aberta a discussão sobre o Relatório Político e de Organização apresentado pelo camarada Arnaldo Matos em nome do Comité Central do MRPP.
Quer os debates que se haviam de seguir até ao meio-dia, quer os debates registados na sessão anterior revelam e expressam de uma forma clara um grande entusiasmo e espírito de trabalho.
A generalidade das intervenções, e muitos foram os intervenientes, apoiou o Relatório com grande alegria, e ligando logo de seguida este à discussão de questões e problemas sectoriais.
A discussão implica luta ideológica e ao longo dos debates foi manifestado por várias vezes travar-se a luta centrada num ou noutro sector do Partido.
Na sessão da manhã de ontem, por exemplo, Coimbra foi o centro de luta ideológica em que participaram vários camaradas delegados desta cidade.
Este exemplo poderia estender-se a outros lugares o que indica ao leitor de imediato que a luta ideológica esteve sempre presente, que essa luta ideológica se trava no espírito de grande unidade, firmeza e entusiasmo revolucionário.

1976-12-28 - COLOCAÇÕES - Sindicatos

SINDICATO DOS PROFESSORES DA ZONA NORTE

* COLOCAÇÕES *

A resolução do problema das colocações terá de ser a resolução do problema do início do ano a do respeito pelos valores de trabalho, humanos, sociais e até de carácter moral, e problemas estes que todos os anos se têm levantado.
Não permitiremos que tal se volte a repetir no próximo ano.
O país exige-o;
Os alunos exigem-no;
Os pais dos alunos exigem-no;
Os professores exigem-no.
Todos nos sabemos que tal só será plenamente resolvido com a institucionalização do Estatuto da Carreira Docente,
Mas tal leva tempo.
Temos de avançar com o Estatuto do Professor. Há muito que vimos esperando do grupo de trabalho eleito para tal, resultados, traduzidos num anteprojecto. Compreendemos a impaciência demonstrada por alguns sectores, nomeadamente em Viana do Castelo, e prometemos dar-lhes possibilidades de participar. Para tal, já lhe enviamos fotocópia de todo o processo do Estatuto do Professor, para que possam, efectivamente colaborar e, talvez, quem sabe, ser mais profundos, objectivos e eficientes, apresentando rapidamente algo de concreto à classe.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

1976-12-27 - COMUNICADO À IMPRENSA - MRPP

COMUNICADO À IMPRENSA

O Congresso Nacional do MRPP findou o primeiro dia dos seus trabalhos num clima de grande unidade, e determinação da parte do conjunto dos seus oito centos delegados.
O dia de ontem ficara assim, a partir de agora a assumir um significado duplo para os comunistas e para todos os trabalhadores revolucionários. A douta do aniversário do camarada Mao Tsé-tung é também a data da fundação do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, o que constitui um facto significativo da vontade, dos comunistas portugueses permanecerem fiéis aos ensinamentos desse grande dirigente e educador dos povos do mundo inteiro.
Tal como foi salientado na Alocução de Abertura, efectuada pelo camarada Arnaldo Matos, Secretário-geral do MRPP, "O Congresso Nacional do MRPP constitui um acontecimento histórico de transcendente importância pana a classe operária, para o povo e para a revolução portuguesa”; “ele é um Congresso surgido da luta tenaz e fiel aos princípios empreendida pelo nosso Movimento desde o dia 18 de Setembro de 1970”.

1976-12-27 - VIVA O CONGRESSO DA FUNDAÇÃO DO PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES - MRPP

VIVA O CONGRESSO DA FUNDAÇÃO DO PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES

AOS OPERÁRIOS E TRABALHADORES DAS O.G.M.A.

CAMARADAS:
Está a decorrer na "Voz do Operário", em Lisboa, o Congresso Nacional do MRPP, cujo objectivo histórico e a fundação do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, o único o verdadeiro partido da gloriosa classe operária portuguesa, o partido do povo, dos explorados e oprimidos da nossa pátria.
 Os operários e todo o povo estão já desiludidos e fartos das promessas que os partidos burgueses, conciliadores e traidores têm despejado desde o 25 de Abril, desde que os falsos "comunistas” os falsos "socialistas” se banqueteiam no Governo e repartem entre si os orçamentos se combinam para explorar cada vez mais o povo português e para, à, medida que demagogicamente prometem "democracia" e "liberdade", aumentarem continuamente a fome, a miséria, o desemprego e a exploração do povo.

1976-12-27 - Alguns elementos da História do MRPP - MRPP

Alguns elementos da História do MRPP

1970
18 de Setembro - Numa casa da Estrada do Poço do Chão, em Benfica, Lisboa, nasce o Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado.
O primeiro Comité Lenine, de que fazem parte, como fundadores, os camaradas Arnaldo Matos, João Machado e Fernando Rosas, elege o camarada Arnaldo Matos para o cargo de Secretário-geral.
”Não interessa saber se somos muito ou poucos no momento de começar, interessa saber se a nossa linha é a mais justa e correcta, se os nossos métodos são os verdadeiramente leninistas. Se assim for e se soubermos aplicar a primeira e praticar os segundos, em breve cresceremos e connosco a luta”.
Dezembro - Sai o primeiro número de "Bandeira Vermelha", órgão teórico central do MRPP, que procede ao primeiro balanço sistemático e científico da experiência dos últimos cinquenta anos de luta do proletariado português mostrando que nunca em Portugal existiu um verdadeiro Partido Comunista.

1976-12-27 - COMITÉ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES ELEITO NO CONGRESSO NACIONAL DO MRPP - MRPP

Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado
CONGRESSO NACIONAL
LISBOA-26-27-28 DEZEMBRO 1976

COMITÉ CENTRAL DO  PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES ELEITO NO CONGRESSO NACIONAL DO MRPP

COMITÉ CENTRAL DO PCTP Eleito no Congresso Nacional do MRPP

Membros Efectivos:
ARNALDO MATOS
Intelectual
37 anos
JOÃO MACHADO
Operário {mecânico de telefones)
30 anos
FERNANDO ROSAS
Intelectual
30 anos

1976-12-27 - Luta Popular Nº 475 - MRPP

UM CONGRESSO DE LUTA, UNIDADE E VITÓRIA

Quando às nove horas do dia 26 de Dezembro o camarada Arnaldo Matos, Secretário-Geral do MRPP, subiu à tribuna para declarar solenemente aberto o Congresso Nacional do MRPP, um acontecimento histórico acabava de ter lugar.
Iniciava-se com esse acto o Congresso da Fundação do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, o destacamento de vanguarda do proletariado, o estado-maior da classe operária portuguesa.
Para as massas exploradas e oprimidas esse acontecimento tem um significado e um alcance sublimes, trata-se de criar pela primeira vez na história do movimento operário português um autêntico Partido Comunista, que não tema sacrifícios, nem privações, que persista na linha proletária revolucionária, e que se constitua como a arma essencial que é, ou deve ser, num factor decisivo para o futuro dos proletários e do próprio desenvolvimento da luta de classes, na rota do Socialismo e do Comunismo.

1976-12-27 - CIRCULAR INTERNA- O.R.I. - 27-12-76 - UCRP(ml)

CIRCULAR INTERNA- O.R.I. - 27-12-76

Camaradas,
A ORI, durante os primeiros doze meses da sua edificação, deu provas de possuir nas suas fileiras abnegadas filhos do Proletariado e do Povo português. A prova de tal afirmação podemos tirá-la com uma breve retrospectiva à nossa curta experiência como militantes comunistas organizados num destacamento comunista jovem, no início da sua edificação.
Esta é uma constatação indesmentível a prová-lo está a realidade; está a promissora situação da ORI, da UCRP (ml).
No entanto, se, duma apreciação global, podemos extrair tal conclusão o mesmo já não se poderá afirmar se particularizarmos a nossa apreciação, a nossa análise.
Na verdade, temos de admitir e corrigir muitas falhas, se nos debruçarmos, em pormenor, à volta da actividade desenvolvida com e para o nosso ÓRGÃO CENTRAL "O Comunista".
É claro que para os comunistas não há efeito sem causa e, por conseguinte, se quisermos resolver a questão correctamente temos de detectar e atacar a fundo as causas deste problema.

1976-12-27 - O Proletário Vermelho Nº 60

EDITORIAL
Governar com as autarquias
Governar com governantes
Combater o novo tachismo «depois de Gonçalves»

Aproxima-se o fim de 76. O fim do ano post-gonçalvista, o fim da loucura neo-pidesca, o fim do mercenarismo moscovita de velho tipo, o fim do romantismo otelento, o fim da ameaça de «ocupação por dentro» pelos novos imperadores da Moscóvia? A ver vamos, diz por aí o nosso povo incrédulo, pouco e mal informado das políticas mas incrédulo do que não é carne nem peixe.
E aqui, amigos meus, nestas coisas das crenças de um povo, há que tomá-las pelo que são e transformá-las — se se for capaz! — no que se deseja.
Vem aí o ano novo, é o que se diz todos os anos como se estes azares do calendário fechassem períodos da História e abrissem outros. Ainda que assim não seja, a isso se habituou, de certo modo, um povo, senão todos os povos.
Neste, muita coisa — e importante — se passou.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

1976-12-26 - CONGRESSO NACIONAL - MRPP


1976-12-26 - Congresso Nacional - MRPP



1976-12-26 - DISCURSO DE ABERTURA DO CONGRESSO - MRPP

MRPP - Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado
CONGRESSO NACIONAL
LISBOA-26-27-28-DEZEMBRO 1976

DISCURSO DE ABERTURA DO CONGRESSO

Queridos camaradas,
Em nome do Comité Central do Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado, e em meu próprio nome, tenho a honra de apresentar a todos os delegados, aos nossos estimados convidados e aos trabalhadores da informação as mais vivas e calorosas saudações comunistas.
Estou firmemente ciente de interpretar o sentir de todo o Partido, de todo o Congresso, de toda a classe operária e de todo o povo, consagrando as primeiras palavras proferidas no Congresso Nacional do MRPP à invocação da memória dos camaradas José António Ribeiro dos Santos e José Alexandrino Gonçalves de Sousa.

1976-12-26 - Registo de Entradas - MRPP