Translate

sábado, 31 de janeiro de 2015

1970-01-31 - ACTA Comissão Executiva do MOVIMENTO NACIONAL INDEPENDENTE - Rio de Janeiro - LUAR

ACTA

Aos trinta e um dias do mês de Janeiro de mil novecentos e setenta, nesta cidade do Rio de Janeiro, reuniu-se em sessão extraordinária, a Comissão Executiva do MOVIMENTO NACIONAL INDEPENDENTE, sediado no Brasil. Estiveram presentes os companheiros Francisco de Oliveira Pio, Lafayette Machado, Ciriaco Jorge Carneiro Giraldes e António de Souza Mendes, presidente, vice-presidente, o secretario e tesoureiro, respectivamente, da mesma Comissão Executiva. ANC compareceu, justificando porem a sua ausência, o companheiro José Salgado da Silva Saldanha, que ocupa as funções de 2º secretario. - Iniciados os trabalhas, o companheiro Oliveira Pio informou que a reunião havia sido convocada com o fim de analisar um relatório que o companheiro Emídio Guerreiro enviara ao M.N.I. por intermédio do companheiro Ciriaco Giraldes, tratando de assuntos relacionados com a L.U.A.R. e sobre os quais os companheiros residentes em Paris, solicitavam o nosso pronunciamento. Em seguida foi dada a palavra ao companheiro Ciriaco Giraldes, que procedeu á leitura do relatório em questão, elaborado em Paris no dia 15-1-70 e que foi ouvido por todos os presentes, com a devida atenção. Iniciados os debates, foram os diversos assuntos expostos no referido relatório, analisados e discutidos detalhadamente e por fim englobados nas conclusões a seguir enunciadas, todas aprovadas por unanimidade.

1975-01-31 - MRPP - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR E PATRIÓTICA



1975-01-31 - AO POVO PORTUGUÊS! - MRPP

AO POVO PORTUGUÊS!

LEVANTEMO-NOS CONTRA O IMPERIALISMO, O SOCIAL IMPERIALISMO E TODOS OS SEUS LACAIOS E VENDE-PÁTRIAS!
DECLARAÇÃO DO COMITÉ EXECUTIVO DO COMITÉ LENINE COMITÉ CENTRAL DO MRPP

CAMARADAS:
O Conselho Superior do Movimento das Forças Armadas - o chamado Conselho dos Vinte - acaba de proibir, através duma comunicarão lida aos microfones da Radio e da Televisão a manifestação dos operários, patriótica e popular, convocada pelo MRPP para as 19,30 horas de hoje, no Rossio.
O Comité Executivo do Comité Lenine, Comité Central do nosso Movimento, de propósito reunido, deliberou emitir a seguinte declaração.
1. PORQUÊ A PROIBIÇÃO DA MANIFESTAÇÃO DO MRPP?

1975-01-31 - Luta Popular Nº 0044 - MRPP

IMPERIALISTAS FORA DE PORTUGAL

1) Perante a provocação armada do imperialismo americano, perante a chantagem insolente dos seus canhões e dos seus marines, perante a sua ostensiva ameaça de intervenção, qual a posição a tomar? Baixar a cabeça e dobrar a espinha, recuar apavorado perante a ameaça, ou mobilizar as massas para que se ergam contra a ameaça e se preparem para resistir? Ao desconvocar apressadamente as manifestações que tinham convocado para o dia 31 de Janeiro os partidos da burguesia escolheram o primeiro caminho. Ao manter a sua convocação e transformar a manifestação na grande desafronta do povo português face à chantagem insolente do imperialismo, o MRPP escolheu o outro caminho. O primeiro é o da burguesia: o recuo desordenado, o pânico, a incoerência própria dos invertebrados que o menor sopro de vento faz oscilar. O segundo é o da classe operária: a firmeza e a audácia de quem tem o futuro, de quem é o futuro e encara com ousadia os homens e os acontecimentos. A classe operária não baixa a cabeça nem permite que obstáculo algum a desvie do seu caminho. Quer tenha perante si o inimigo interno ou externo.

1975-01-31 - Cooperativas - MANIFESTAÇÃO dos OPERÁRIOS Popular e Patriótica

MANIFESTAÇÃO dos OPERÁRIOS Popular e Patriótica
ROSSIO - 31 Jan. - 19,30

Portugal é hoje em dia presa apetecida do imperialismo americano e do social-imperialismo soviético. Não é por acaso que isto acontece. A profunda crise que abala o mundo capitalista agudiza as contradições entre os dois grandes abutres e lança-os um contra o outro na partilha da presa; também o lento deslocar da zona de tempestade revolucionaria para a Europa, para mais perto do centro do poder imperialista, deslocar inevitável com o aproximar da agonia de todo o sistema imperialista, fora de Portugal um ponto onde a
contradição entre as duas superpotências é especialmente aguda.
Quem tem o direito de apropriar-se do suor do povo português? Eis o que divide as duas superpotências. Como conter a luta do povo português? Eis a questão que as leva a unirem-se. Nesta sua rivalidade-união os diversos imperialismos, e os seus respectivos lacaios em Portugal, tinham chegado a una plataforma de acordo: o programa do MFA, Essa plataforma, numa altura de crise como a actual em que as contradições se agudizam entre os diversos imperialismos, e em que a quarta crise, a maior e a mais profunda da burguesia portuguesa se aproxima do auge, arrisca-se a ser feita ã» pedaços. De ambos os lados se contam as espingardas, se preparam as posições.

1975-01-31 - MRPP - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA - ÀS OPERÁRIAS E OPERÁRIOS DA CHARMINHA

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA 
DIA 31 JAN.- ROSSIO - 19.30 H

ÀS OPERÁRIAS E OPERÁRIOS DA CHARMINHA

CAMARADAS!
A nossa Pátria vai ser invadida pelas tropas da nato, comandadas directamente pelo imperialismo americano. Onze mil homens apoiados por um enorme arsenal bélico aí estarão dispostos a defender o consolidar as posições de rapina e saque dos imperialistas.
Nem a Junta, nem o MFA, nem o governo Provisório, nem qualquer dos partidos da coligarão levantou sequer a voz ou esboçou o mínimo proteste que fosse contra esta insolente invasão ajoelhando-se todos eles a quatro patas e lambendo as botas imperialistas.
Isto prova-nos, em primeiro lugar, que o 25 de Abril em
nada veio modificar a situação de neo-colónia em que só encontra a nossa pátria, dominada pelo imperialismo ianque e agora também ferozmente disputada pelo social-imperialismo revisionista soviético é agora evidente para as grandes massas da classe operária e do nosso povo que o governo e o chamado movimento das forças armadas, a despeito das suas bonitas palavras, não passam de lacaios fiéis dos monopólios estrangeiros que nos exploram. Os dois imperialismos, o americano e o russo, tem as suas divergências, que são as divergências dos chacais a sabor qual deles é que vai ficar com a parte de leão. Os seus representantes e lacaios no nosso país, o chamado partido "Socialista" e o partido revisionista do ministro Barreirinhas Cunhal, que sempre estiveram juntos no governo, que sempre estiveram de acordo era nos lançar no desemprego e na miséria, em aumentarem os preços, em reprimirem o povo o as suas lutas, vêm agora, cada um por seu lado, pedir-nos que os apoiamos nas manifestações que convocaram para o dia 31. A sua intenção é a de nos utilizar como tropa de choque um contra o outro e na defesa dos interesses dos seus patrões imperialistas e social-imperialistas.
CAMARADAS! Nós trabalhadores não vamos apoiar nem um nem outro, mas sim unir-nos e organizar-nos para participar na grande MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS, POPULAR E PATRIÓTICA, contra o fascismo e o social-fascismo, contra o imperialismo e o social-imperialismo, pelo GOVERNO POPULAR!
TODOS A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS, 6ª FEIRA DIA 31/JAN ÀS 19,30 HORAS NO ROSSIO!
TODOS A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR E PATRIÓTICA CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO, CONTRA O IMPERIALISMO E O SOCIAL-IMPERIALISMO!
GOVERNO POPULAR!

Simpatizantes do M.R.P.P. da CHARMINHA

1975-01-31 - MRPP - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA - METALOFABRIL

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA 
DIA 31 JAN.- ROSSIO - 19.30 H

Camaradas:
A Guerra civil está a nossa porta!
Os social-fascistas preparam o contra-golpe!
O Partido dito "socialista" e o Partido revisionista do ministro Cunhal, servidores fieis, o 1º servidor fiel do imperialismo Americano o 2º do social-imperialismo russo disputam furiosamente o poder, lutam pelo melhor naco da nossa terra para os seus amos.
Eles vão realizar na próxima 6ª feira, cada um pelo seu lado, manifestações de força que são já o preludio desse confronto.
Nós os operários da METALOFABRIL, devemos participar em qualquer destas manifestações?
O "PS" e o "PC" estiveram até agora juntos e bem unidos no Governo Provisório, nesse governo da burguesia que nos explora, reprime as nossas lutas, reprime as lutas do Povo contra os fascistas, como aconteceu no Porto, no sábado passado, aumenta diariamente o custo do vida e lança no desemprego milhares e milhares de Irmãos nossos. Se hoje estão divididos esses partidos da burguesia é unicamente sobre a forma de partilhar os lucros feitos à custa do nosso trabalho, sobro a melhor maneira de nos continuar a explorar e a oprimir. Eles pretendem com as suas manifestações atrelar a classe operária e o povo aos seus torpes desígnios e a usá-los como tropa de choque nos seus confrontos.
No dia 31 de Janeiro a classe operária recusará as manifestações dos partidos burgueses. A classe operária terá a sua manifestação própria: A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS.
CAMARADAS!
Na próxima 6ª feira, organizemo-nos em grupos e debaixo dos nossos cartazes e bandeiras, desçamos a rua com os nossos irmãos de classe e com o povo e numa grande manifestação patriótica, contra o fascismo e o social-fascismo, contra o imperialismo e o social-imperialismo, por um Governo Popular
TODOS A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS, 6ª FEIRA DIA 31/JAN.
AS 19,30 HORAS NO ROSSIO
TODOS A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS.POPULAR E PATRIÓTICA!
CONTRA O IMPERIALISMO EV O SOCIAL-IMPERIALISMO!
CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO!
GOVERNO POPULAR!

Simpatizantes do MRPP da METALOFABRIL

1975-01-31 - MRPP - AOS TRABALHADORES ADMINISTRATIVOS DA MARINHA MERCANTE, AERONAVEGAÇÃO E PESCAS



1975-01-31 - MRPP - MOBILIZEMOS TODAS AS FORÇAS PARA MANIFESTAÇÃO OPERÁRIA POPULAR E PATRIÓTICA

MOBILIZEMOS TODAS AS FORÇAS PARA MANIFESTAÇÃO OPERÁRIA POPULAR E PATRIÓTICA 

A situação é de crise, crise geral do Imperialismo e social-imperialismo mundiais, que se reflecte neste momento, duma forma bastante açuda no nosso país. A burguesia já não pode nem sabe governar, no entanto a classe operária ainda não está preparada para o fazer.
O assalto ao Congresso do partido fascista CDS mostra bem o ódio que as massas têm ao fascismo e a todos os exploradores do povo; mas vemos no entanto que os partidos burgueses da coligação governamental, condenam energicamente a justa ira popular, qualificando-a de reaccionária, enquanto se preocupam com a integridade física dos porcos fascistas da PSP, GNR, e CDS.
Aqui mais uma vez os factos falam por si, mostrando de que lado está o Governo Provisório, e de que lado estão as massas.
MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA 

DIA 31 JAN.- ROSSIO - 19.30H
CONTRA O IMPERIALISMO E O SOCIAL-IMPERIALISMO
CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO
PELO GOVERNO POPULAR

O nosso povo acaba de ser alvo de mais uma vil e abjecta provocação. Uma esquadra da NATO, composta de 20 navios, 6 submarinos centenas de aviões a 11 mil homens acaba de ocupar o nosso mar e a nossa terra. Até o dia 7 de Fevereiro as tropas ocupantes realizarão toda uma serie de "exercidos" que visão alvos “simulados” no interior e na conta do nosso pais. Os alvos simulados podem muito bem serem alvos reais e qualquer dos casos o que o imperialismo visa é o melhor conhecimento militar para uma ocupação a intervenção armada. Esta humilhação do imperialismo ao nosso povo enquadra-se na disputa aguda entre ale e o social-imperialismo soviético pela posse da nossa pátria. O partido revisionista do ministro Barreirinhas Cunhal prepara as condições materiais para um golpe social-fascista; o imperialismo com o americano à cabeça prepara, as condições materiais para uma intervenção e intervenção da nossa terra. Eles constituem o inimigo número um do nosso povo. O governo provisória e, portanto os partidos da coligação governamental são os responsáveis e os agentes dos desígnios do imperialismo e do social-imperialismo dever de todos os verdadeiros democratas e patriotas levantarem-se pelo fim imediato desses ”exercícios" provocatórios, unirem-se e lutarem firmemente pela expulsão do imperialismo e do social-imperialismo, do nosso pais e pela nossa soberania e Independência Nacional.

1975-01-31 - MRPP - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR E PATRIÓTICA - AOS TRABALHADORES DOS T.L.P.:

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR E PATRIÓTICA
DIA 31 JAN. ROSSIO I9.30 H


AOS TRABALHADORES DOS T.L.P.:


CAMARADAS!
No próximo dia 31 de Janeiro estão anunciadas para Lisboa duas manifestações que são a demonstração clara da luta que se trava no seio dos exploradores burgueses. Qual o significado político destas duas manifestações?
Analisamos aquela que é convocada pelo P"S".
O P"S" que até aqui tem tentado servir dois anos ao mesmo tempo, o Imperialismo Europeu e Americano, vê apertar à volta de si o cerco do Social-Imperialismo russo do partido do ministro Cunhal que tem reforçado a sua posição a nível do ministérios, unidades militares e do próprio M.F.A.
Devido ao enfraquecimento do P"S", este vê-se forçado a contrair una aliança cada vez mais descarada com o Imperialismo Americano através do seu agente principal o "CDS", contando ainda com o apoio dos oficiais spinolistas do M.F.A. e ainda com a "ocasional" força militar da N.A.T.O. (30 navios, 55 submarinos, etc.) que arreou âncora junto da costa do nosso país.
Resolveu o P"S" convocar esta manifestação com vista a que a classe operária e o Povo se ponham do lado dos seus senhores, o Imperialismo Americano, e usá-la como carne para canhão para uma guerra civil que se aproxima, ao tentar lançá-la contra outra clique da burguesia, a representante dos Social-Imperialistas russos.
É nesta medida e para dar resposta a esta tentativa do Imperialismo Americano, que o P"C"P mobiliza também as massas populares para que o Social-Imperialismo soviético faça também a sua demonstração de força, convocando para tal outra manifestação no mesmo dia.
Nós, trabalhadores dos T.L.P., podemos verificar que ambos estão de acordo quanto à questão de manterem a classe operaria e o Povo na inseria, na fone e no desemprego, o como casos concretos lembrança a tentativa do imperialismo Americano do consolidar essa exploração nos T.L.F. (sector importante nos meios "teleconunicativos emprestando" 375 mil contos que mais não tem em vista que obter chorudos lucros pelo aumento da exploração que recai sobre todos nós.
Também devemos estar lembrados aquando das nossas justas reivindicações, quer de aumento de salário, quer de saneamento, quer de melhores condições, etc., etc., a filial do Social-Imperialismo russo nos T.L.P., a célula do Partido revisionista do ministro Cunhal fez sair dois comunicados. No primeiro, se os camaradas estão lembrados, dizia-nos que devíamos aceitar aqueles miseráveis salários cozinhados no ministério "do Trabalho", em prol da economia dos exploradores. No secundo, vendo nos trabalhadores a indignação geral quanto à questão de não ter sido efectuado o saneamento na nossa empresa, dizias que era necessário o saneamento imediato dos fascistas, mas, como pudemos comprovar, esse comunicado teve o intuito apenas de evitar que os trabalhadores levassem essa indicação à prática.
Mas todos nós trabalhadores comprovámos que a sua prática antes e depois do comunicado foi a de perfeito conluio com os fascistas que nos exploram.
É pois evidente o objectivo destas duas manifestações que mais não visam do que colocar à classe operária duas hipóteses: se prefere encontrar a morte na forca ou na cadeira eléctrica.
Mas a classe operária e o Povo não embarcarão em nenhuma destas forcas de morrer e para isso a classe operária definiu já a única táctica correcta que a de não apoiar o M.F.A. como estas duas facções da burguesia fazem, mas sim convocar a sua manifestação para o mesmo dia pelas 19,30 horas no Rossio, pelos objectivos da Independência Nacional e pelo Governo Popular.
Conclamamos todos os anti-fascistas e patriotas da nossa empresa a tomar parte activa e militante nesta grande manifestação dos operários, popular e patriótica contra o fascismo e o social-fascismo, contra o imperialismo e o social-imperialismo, pelo GOVERNO POPULAR!
TODOS A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS, POPULAR E PATRIÓTICA
CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO!
CONTRA O IMPERIALISMO E O SOCIAL-IMPERIALISMO!
GOVERNO POPULAR!
ROSSIO DIA 31 JAN 19H30

Simpatizantes do MRPP nos T.L.P.

1975-01-31 - MRPP - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA - AOS TRABALHADORES DA EMISSORA NACIONAL

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA 
DIA 31 JAN.- ROSSIO - 19.30 H


AOS TRABALHADORES DA EMISSORA  NACIONAL


CAMARADAS!
A nossa Pátria vai ser invadida pelas tropas da nato, comandadas directamente pelo imperialismo americano. Onze nil homens apoiados por um enorme arsenal bélico aí estarão dispostos a defender o consolidar as posições de rapina e saque dos imperialistas.
Nem a Junta, nem o MFA, nem o governo Provisório, nem qualquer dos partidos da coligarão levantou sequer a voz ou esboçou o mínimo proteste que fosse contra esta insolente invasão ajoelhando-se todos eles a quatro patas e lambendo as botas imperialistas.
Isto prova-nos, em primeiro lugar, que o 25 de Abril em nada veio modificar a situação de neo-colónia em que só encontra a nossa pátria, dominada pelo imperialismo ianque e agora também ferozmente disputada pelo social-imperialismo revisionista soviético é agora evidente para as grandes massas da classe operária e do nosso povo que o governo e o chamado movimento das forças armadas, a despeito das suas bonitas palavras, não passam de lacaios fiéis dos monopólios estrangeiros que nos exploram. Os dois imperialismos, o americano e o russo, tem as suas divergências, que são as divergências dos chacais a sabor qual deles é que vai ficar com a parte de leão. Os seus representantes e lacaios no nosso país, o chamado partido "Socialista" e o partido revisionista do ministro Barreirinhas Cunhal, que sempre estiveram juntos no governo, que sempre estiveram de acordo era nos lançar no desemprego e na miséria, em aumentarem os preços, em reprimirem o povo o as suas lutas, vêm agora, cada um por seu lado, pedir-nos que os apoiamos nas manifestações que convocaram para o dia 31. A sua intenção é a de nos utilizar como tropa de choque um contra o outro e na defesa dos interesses dos seus patrões imperialistas e social-imperialistas.
CAMARADAS! Nos trabalhadores da Emissora Nacional não vamos apoiar nem um nem outro, mas sim unir-nos e organizar-nos para participar na grande MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS, POPULAR E PATRIÓTICA, contra o fascismo e o social-fascismo, contra o imperialismo e o social-imperialismo, pelo GOVERNO POPULAR!
TODOS A MANIFESTAÇÃO POPULAR E PATRIÓTICA CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO, CONTRA O IMPERIALISMO E O SOCIAL-IMPERIALISMO, POR UM GOVERNO POPULAR, no próximo dia 31 de JAN pelas 19H.30 no ROSSIO.

Simpatizantes do M.R.P.P. na EMISSORA NACIONAL!

1975-01-31 - À CLASSE OPERÁRIA E AO POVO DO MARQUES DO POMBAL, CONDE REDONDO, ESTEFÂNIA E SANTA MARTA. - MRPP

À CLASSE OPERÁRIA E AO POVO DO MARQUES DO POMBAL, CONDE REDONDO, ESTEFÂNIA E SANTA MARTA.

Todos à manifestação anti-fascista, anti-social-fascista, anti-imperialista.

O grupo da simpatizantes do M.R.P.P. da zona do Marquês da Pombal, interpretando os reais interesses da classe operária, entende por bem convocar a mesma a o povo em geral, para a manifestação do dia 31 no Rossio às 19h.30m,
Porque esta manifestação?

1975-01-31 - MRPP - Manifestação dos Operários, Popular e Democrática!

Manifestação dos Operários, Popular e Democrática!

Centra o Imperialismo e o Social-Imperialismo!
Contra a Fascismo e o Social-Fascismo!
Pelo Governo Popular!

CAMARADAS!
O Partido "Comunista” Português, apoiado pelos seus lacaios M”D”P", M”E”S" e F”S”P”, convocaram uma manifestação para Lisboa no dia 31 de Janeiro. Anteriormente já o Partido “Socialista" havia marcado uma outra manifestação para local diferente. A Imprensa burguesa fala já na hipótese da “contra-manifestação” e insinuar que poderão haver (recontros violentos).
Este acontecimento não é um relâmpago em céu calmo. Aparece no seguimento de todo um conjunto de intrigas e divisões entre os partidos da coligação que tiveram a sua expressão última nas disputas quanto ao “plano económico de emergência” e quanto à legislação sobre os sindicatos.

1975-01-31 - LIBERDADE PARA O POVO - MRPP

LIBERDADE PARA O POVO


TODOS AO ROSSIO, HOJE 19.30 H
Ao povo de Almada

Camaradas:
Ontem dia 30, foram presos em Cacilhas três camaradas 
simpatizantes do nosso movimento! Um militar, certamente adepto do P”C"P, depois de várias tentativas, cozinhou e executou a manobra.
Qual é o "crime" desses camaradas? Que fizeram eles 
contra o Povo?
O seu "crime" foi, interpretando correctamente os verdadeiros interesses da classe operária dos verdadeiros patriotas, democratas e anti-fascistas, convocarem as massas 
populares para a manifestação do Rossio, realizada contra 

o fascismo e o social-fascismo, contra o imperialismo e o 
social-imperialismo e pelo Governo Popular.
É este um dos resultados das tão apregoadas "liberdades" de expressão e de manifestação a prisão para aqueles que põem acima de tudo os interesses do Povo.

1975-01-31 - MRPP - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA - AOS OPERÁRIOS DA COMETNA!

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA 
DIA 31 JAN.- ROSSIO - 19.30H


AOS OPERÁRIOS DA COMETNA!


Camaradas:
A Guerra civil está a nossa porta!
Os social-fascistas preparam o contra-golpe!
O Partido dito "socialista" e o Partido revisionista do ministro Cunhal, servidores fieis, o 1º servidor fiel do imperialismo Americano o 2º do social-imperialismo russo disputam furiosamente o poder, lutam pelo melhor naco da nossa terra para os seus amos.
Eles vão realizar na próxima 6ª feira, cada um pelo seu lado, manifestações de força que são já o preludio desse confronto.
Nós os operários da Cometna, devemos participar em qualquer destas manifestações?
O "PS" e o "PC" estiveram até agora juntos e bem unidos no Governo Provisório, nesse governo da burguesia que nos explora, reprime as nossas lutas, reprime as lutas do Povo contra os fascistas, como aconteceu no Porto, no sábado passado, aumenta diariamente o custo do vida e lança no desemprego milhares e milhares de Irmãos nossos. Se hoje estão divididos esses partidos da burguesia é unicamente sobre a forma de partilhar os lucros feitos à custa do nosso trabalho, sobro a melhor maneira de nos continuar a explorar e a oprimir. Eles pretendem com as suas manifestações atrelar a classe operária e o povo aos seus torpes desígnios e a usá-los como tropa de choque nos seus confrontos.
No dia 31 de Janeiro a classe operária recusará as manifestações dos partidos burgueses. A classe operária terá a sua manifestação própria: A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS.
CAMARADAS!
Na próxima 6ª feira, organizemo-nos em grupos e debaixo dos nossos cartazes e bandeiras, desçamos a rua com os nossos irmãos de classe e com o povo e numa grande manifestação patriótica, contra o fascismo e o social-fascismo, contra o imperialismo e o social-imperialismo, por um Governo Popular
TODOS A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS, 6ª FEIRA DIA 31/JAN.
AS 19,30 HORAS NO ROSSIO
TODOS A MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS.POPULAR E PATRIÓTICA!
CONTRA O IMPERIALISMO E O SOCIAL-IMPERIALISMO!
CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO!
GOVERNO POPULAR!

Simpatizantes do MRPP da COMETNA

1975-01-31 - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA - FÁBRICA DE MATERIAL DE GUERRA - MRPP

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA 
DIA 31 JAN.- ROSSIO - 19.30H


AOS OPERÁRIOS E TRABALHADORES DA FÁBRICA DE MATERIAL DE GUERRA

No próximo 31 de Janeiro as botas imperialistas de 11.000 marinheiros da NATO pisarão o solo da nossa Pátria trazidos por 25 barcos de guerra e submarinos, enquanto dezenas de aviões farão um ataque "simulado” a Portugal.
A nossa Pátria é hoje centro de disputa do imperialismo americano e do social-imperialismo russo.
Os lacaios desses dois imperialismos no nosso país, o chamado partido "Socialista" do ministro Soares e o partido, revisionista do ministro Cunhal estão bem juntos no Governo Provisório, nesse Governo da burguesia que nos explora, aumenta diariamente o custo de vida, reprime as nossas lutas e lança no desemprego milhares e milhares de irmãos nossos. Se
hoje estão divididos e vão realizar cada um a sua manifestação na próxima 6ª feira, ó apenas na procura do melhor naco das riquezas que nós trabalhadores produzimos.

1975-01-31 - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA - AOS ESTIVADORES! - MRPP

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA 
DIA 31 JAN.- ROSSIO - 19.30H

AOS ESTIVADORES!

CAMARADAS!
A nossa Pátria vai ser invadida pelas tropas da nato, comandadas directamente pelo imperialismo americano. Onze mil homens apoiados por um enorme arsenal bélico aí estarão dispostos a defender o consolidar as posições de rapina e saque dos imperialistas.
Nem a Junta, nem o MFA, nem o governo Provisório, nem qualquer dos partidos da coligarão levantou sequer a voz ou esboçou o mínimo proteste que fosse contra esta insolente invasão ajoelhando-se todos eles a quatro patas e lambendo as botas imperialistas.
Isto prova-nos, em primeiro lugar, que o 25 de Abril em nada veio modificar a situação de neo-colónia em que só encontra a nossa pátria, dominada pelo imperialismo ianque e agora também ferozmente disputada pelo social-imperialismo revisionista soviético é agora evidente para as grandes massas da classe operária e do nosso povo que o governo e o chamado movimento das forças armadas, a despeito das suas bonitas palavras, não passam de lacaios fiéis dos monopólios estrangeiros que nos exploram. Os dois imperialismos, o americano e o russo, tem as suas divergências, que são as divergências dos chacais a sabor qual deles é que vai ficar com a parte de leão. Os seus representantes e lacaios no nosso país, o chamado partido "Socialista" e o partido revisionista do ministro Barreirinhas Cunhal, que sempre estiveram juntos no governo, que sempre estiveram de acordo era nos lançar no desemprego e na miséria, em aumentarem os preços, em reprimirem o povo o as suas lutas, vêm agora, cada um por seu lado, pedir-nos que os apoiamos nas manifestações que convocaram para o dia 31. A sua intenção é a de nos utilizar como tropa de choque um contra o outro e na defesa dos interesses dos seus patrões imperialistas e social-imperialistas.
CAMARADAS! Nos trabalhadores da Emissora Nacional não vamos apoiar nem um nem outro, mas sim unir-nos e organizar-nos para participar na grande MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS, POPULAR E PATRIÓTICA, contra o fascismo e o social-fascismo, contra o imperialismo e o social-imperialismo, pelo GOVERNO POPULAR!
TODOS A MANIFESTAÇÃO POPULAR E PATRIÓTICA CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO, CONTRA O IMPERIALISMO E O SOCIAL-IMPERIALISMO, POR UM GOVERNO POPULAR, no próximo dia 31 de JAN pelas 19H.30 no ROSSIO.
Estivadores Simpatizantes do M.R.P.P.

1975-01-31 - MRPP - COMÍCIO EM ESTARREJA



1975-01-31- PS - MANIFESTAÇÃO 31 de Janeiro


1975-01-31 - 2º PLENÁRIO NACIONAL DE DELEGADOS - MDP-CDE


1975-01-31 - O Exército Informa Nº 28

A REVOLTA DO PORTO de 31 de Janeiro

Completam-se em 31 JAN do corrente ano de 1975 precisamente 84 anos sobre a primeira tentativa de implantação da República em PORTUGAL, facto que,
como se sabe, apenas veio a verificar-se efectivamente. 19 anos depois, em 50UT1910. Tentativa gorada, é certo, mas de uma tão grande importância, atentas as suas causas, os condicionalismos em que decorreu e as consequências dai advenientes que recordar, embora resumidamente, esse facto – da História é do maior interesse para todos os militares.
Porque se verificou ela então? O que se passava em PORTUGAL que a tal impelisse?
Em JAN 1890 começou à imprensa a referir a possibilidade de deflagração de um conflito com a INGLATERRA, uma vez que este pais pretendia apoderar-se dos territórios do NIASSA (MOÇAMBIQUE) onde, ao tempo, decorriam expedições portuguesas de carácter Científico. 
O conflito deflagra efectivamente erro 11 JAN 1890 com a apresentação pelo ministro inglês em LISBOA, Sir GEORGE PETRE, de um «ultimatúm» no qual se intima o Governo Português á enviar instruções imediatas ao Governador de MOÇAMBIQUE para que as forças portuguesas se retirem da região de CHIRE e de outras. Quando a notícia aparece confirmada fios jornais do dia seguinte «foi, de norte a sul, uma imensa explosão de cólera, que surpreendeu, porque se supunha o povo sem energias cívicas, e desnorteou completamente a Coroa e os partidos políticos, que nem estavam preparados para as secundar, nem para lhes resistir» (’).

1970-01-31 - O 31 de Janeiro - Movimento Estudantil

O 31 de Janeiro é, sem dúvida; uma das datas históricas mais sentidas pelo Povo do Porto. Foi nesta cidade que, pelo papel preponderante que ocupavam as massas operárias, relativamente aos outros sectores da população, pela maior experiência de luta pelas liberdades democráticas da pequena burguesia, pelo desenvolvimento do seu pensamento político, os anseios republicanos e democráticos, aliados aos sentimentos anti-imperialistas do Povo Português (subjugado por uma política anti-nacional, defensora dos grandes latifundiários, da expansão desenfreada das colónias, apoiada por uma repressão sistemática das aspirações populares) se concretizaram em revolução.
Devemos encarar o de Janeiro não saudosistamente, mas como um exemplo e uma experiência na luta actual do Povo Português pela democracia.
Em pleno século xx, continua Portugal a ser um país sub-desenvolvidos, na cauda da Europa, com uma economia dirigida pelos interesses de uma minoria privilegiada, sempre mais comprometida com o monopolismo estrangeiro. A economia portuguesa está em crise. E a solução proposta pelo regime é uma maior abertura ao capital estrangeiro, caminho certo para a dependência crescente do país a interesses alheies aos do Povo Português.

1970-01-31 - Exmo. Senhor Governador Civil do Porto - Oposição Democrática

Exmo. Senhor
Governador Civil do Porto

1. OS SIGNATÁRIOS democratas do Porto, ao tomarem conhecimento dos despachos que V. Exa. exarou com respeito às "comemorações do 31 de Janeiro de 1891” proibindo a realização, de sessões públicas em Matosinhos e em Rio Tinto, condicionando arbitrariamente uma sessão a realizar nesta cidade, proibindo um colóquio cultural sobre o "significado histórico da revolução republicana do 31 de Janeiro", intimando (através duma nota oficiosa publicada nos jornais) todos quantos - em tradicional romagem ao cemitério do Prado do Repouso - costumam homenagear nesta data os heróis e mártires republicanos;
2. CONSIDERANDO:
- Que as decisões de V. Exa. apenas contribuem para debilitar a consciência republicana do Povo português, e dai, o sistema político constitucionalmente vigente
- Que essas decisões são manifestamente arbitrárias;
- Nomeadamente quando declara "entender só serem de autorizar as sessões nas localidades cm que já é costume realizarem-se", em manifesto desrespeito da igualdade de todos os portugueses perante a lei;
- E quando proíbe uma realização cultural que, pelo decreto nº 22468, não necessita de qualquer autorização prévia
- Quando condiciona, despropositadamente as intervenções na sessão do cinema Nun’Alvares a exigências manifestamente anti—constitucionais (artº 8º. Constituição Política Portuguesa);
3. DECIDEM lavrar o mais veemente protesto por tais decisões;
4. MAIS informam que darão destes factos conhecimento às autoridades superiores, embora não mantenham ilusões quanto à eficácia do apelo de justiça que formulam.

Porto, 31 de Janeiro de 1970
(ASSINA ESTE DOCUMENTO E ASSOCIA-TE A DELEGAÇÃO QUE DEPOIS DA ROMAGEM O IRA ENTREGAR AO GOVERNO CIVIL);

1970-01-31 - Palavras pronunciadas pelo representante dos jovens democratas de Aveiro, na sessão comemorativa da revolta do 31 de Janeiro, realizada no Teatro Aveirense - Oposição Democrática

(Palavras pronunciadas pelo representante dos jovens democratas de Aveiro, na sessão comemorativa da revolta do 31 de Janeiro, realizada no Teatro Aveirense).

31 de Janeiro 1970
PAZ!!! Amnistia!!!

Senhor Presidente
Minhas Senhoras
Meus Senhores

Quem nos doí na memória, quem segura nossas mãos tremolas, quem serena nossa voz magoada, quem nos doma a impaciência, quem nos aponta as palavras exactas, quem há um ano, nesta mesma sala, nos segredou, com amargura e veemência, um grito de paz e generosidade - VIVA A LIBERTAÇAO! - foi o amigo límpido, o companheiro inquieto, o mestre das horas vazias, o mais jovens de todos nós – Mário Sacramento. 
Neste duro ofício da escrever o futuro, a sua solidariedade ainda viva, a sua presença cada vez mais nítida, que nos incentiva e estimula-nos esclarece e elucida, e nos ensina os caminhos do impossível - necessário que hão-de fundar a paz e construir o Socialismo,

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

1975-01-00 - Viva a Revolução - FORA A NATO


1975-01-30 - Yenam - Documentos - os intelectuais e artistas ao lado do povo!

os intelectuais e artistas ao lado do povo!
Todos à manifestação dos operários, patriótica e popular!

A burguesia convocou duas manifestações para o próximo dia 31 de Janeiro, um dos lacaios do imperialismo, com o americano à cabeça e outra dos lacaios do social imperialismo soviético, Ambos os exércitos de lacaios arreganhar os dentes e medem forças, representando os interesses dos seus anos na compra e venda da nossa pátria.
Enquanto isso se passa e as escaramuças entre as facções rivais da burguesia se intensificam, onze mil militares comandados por imperialistas americanos, numa autêntica provocação ao povo português, estão empenhados em operações militares contra-revolucionárias no território e águas territoriais nacionais, envolvendo dezenas de navios de guerra, um dos maiores porta-aviões do mundo e ataques aéreos a zonas do interior do país, preparando assim a guerra de agressão imperialista.
A posição dos intelectuais e artistas progressistas e revolucionários é calarem-se ante esta Miserável provocação e agressão do inimigo número um do nosso povo, o imperialismo americano? Não! É responderes, ao lado do povo, com a firmeza, a qualquer investida do inimigo. Os intelectuais e artistas progressistas e revolucionários sabem que é ao serviço dos milhões e milhões de operários e camponeses que devem por a cabeça e a arte ao serviço do povo indomável e poderoso que dia a dia avança na senda da Revolução. Esse é o nosso guia - o povo intrépido e corajoso que dia a dia exige de nós mais firmeza, mais vontade, mais perseverança na grande via da Revolução Democrática e Popular.

1975-01-30 - Unidade Popular Nº 029 - PCP(ml) - Mendes - IMPERIALISTAS FORA DE PORTUGAL!

IMPERIALISTAS FORA DE PORTUGAL!

À classe operária! Aos camponeses!
Aos soldados e marinheiros! A todos os revolucionários!
O braço armado dos imperialistas americanos - a NATO - preparou uma afronta ao povo português: um "ataque simulado a Portugal" que inclui um desembarque maciço de tropas.
Esta criminosa provocação obteve a autorização e concordância do governo português, como foi referido no comunicado do Comiberlant.
Este anunciado "ataque simulado" tem lugar num momento em que as forças mais reaccionárias da sociedade portuguesa voltam de novo à ofensiva com redobrada arrogância.
Quatro meses passados sobre o 28 de Setembro de novo o povo português se apercebe da extrema fragilidade do regime democrático burguês instaurado pelo 25 de Abril. O logro da "confiança no MFA e no Governo Provisório" é estilhaçado pela perspectiva imediata de um golpe fascista apoiado pelos imperialistas americanos.

1975-01-30 - IMPERIALISTAS E SOCIAL - IMPERIALISTAS, FORA DE PORTUGAL! - MRPP

LUTEMOS PELA MOBILIZAÇÃO DE TODAS AS FORÇAS PARA A FUNDAÇÃO DO PARTIDO.

IMPERIALISTAS E SOCIAL - IMPERIALISTAS, FORA DE PORTUGAL!

COMUNICADO DO COMITÉ EXECUTIVO DO COMITÉ LENINE, COMITÉ CENTRAL DO MRPP ACERCA DO MOMENTO POLÍTICO ACTUAL
O COMITÉ EXECUTIVO DO COMITÉ LENINE, COMITÉ CENTRAL DO MOVIMENTO REORGANIZATIVO DO PARTIDO DO PROLETARIADO (M.R.P.P.) efectuou hoje, dia 30 de Janeiro, entre as 16 e as
17 horas, uma reunião extraordinária, a fim de analisar no seu conjunto a evolução do momento político actual, à luz da linha geral marxista-leninista-maoista do nosso Movimento.
O COMITÉ EXECUTIVO saudou - e saúda - a amplitude assumida pelo movimento operário e popular, democrático e patriótico de luta contra o fascismo e o social-fascismo, contra o imperialismo e o social-imperialismo e em defesa da Liberdade, da Democracia e da Independência Nacional da nossa pátria.

1975-01-30 - TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR PATRIÓTICA - FEML



1975-01-30 - TRABALHADORES! DE PÉ CONTRA OS AMERICANOS! DE PÉ CONTRA O FASCISMO! - UDP


TRABALHADORES!
DE PÉ CONTRA OS AMERICANOS!
DE PÉ CONTRA O FASCISMO!


As manobras da NATO, anunciadas de surpresa, são uma interferência brutal do imperialismo americano na política interna do nosso país. Elas surgem em resposta às grandes manifestações populares do Porto contra os fascistas do CDS, em resposta às lutas cada vez mais enérgicas da classe operária e dos assalariados rurais contra o capital. Vendo que os trabalhadores não se dobram perante a sabotagem económica e os despedimentos, as multinacionais, de mãos dadas com os imperialistas e fascistas, resolveram fazer esta insolente exibição de força para assustar o povo. O embaixador americano exige: Protecção ao grande capital, viragem à direita, repressão sobre o povo. Eis o que se passa.
E o governo provisório, o que faz? Tenta disfarçar o ultimato, lança uma cortina de mentira e de silêncio, diz que não nos alarmemos porque nada se passa, manda-nos meter em casa!

1975-01-30 - Comercio do Funchal Nº 2272

O povo opôs-se vitoriosamente ao congresso fascista

Parte dos fascistas que afundaram Portugal no terror durante 48 anos, organizaram-se em partido, dando-lhe o nome de Centro Democrático Social (C.D.S.). Nesse partido estão a maior parte dos latifundiários, banqueiros, grandes industriais e a maior parte dos defensores do imperialismo americano e do capitalismo nacional e internacional e seus lacaios.
Como é lógico, é o partido preferido pelos legionários, pides, bufos de toda a espécie e de todos os criminosos que durante todos estes anos têm reprimido os verdadeiros representantes do povo português: os operários, os camponeses e outros trabalhadores. É por isso, natural, que o C.D.S. seja um partido com grande capacidade financeira, pois tem o apoio económico da grande parte dos imperialistas e capitalistas, que são aqueles que nada fazem, além de explorar o suor dos operários. É ainda natural, o apoio activo dado ao C.D.S. pela tenebrosa polícia secreta americana, a C.I.A., espalhada por todo o mundo na defesa dos interesses imperialistas.

1975-01-30 - COMUNICADO À POPULACÃO - AAP-C

ASSOCIAÇÃO DA AMIZADE PORTUGAL - CHINA

COMUNICADO À POPULAÇÃO
EM FRENTE NA LUTA PELA INDEPENDÊNCIA NACIONAL.
VIVA A AMIZADE FRATERNA ENTRE O POVO CHINÊS E OS POVOS DE TODO O MUNDO!

Neste momento em que a nossa pátria foi invadida por 11 000 homens, 6 submarinos, um dos quais nuclear, 29 navios de guerra cercam o país do norte a sul e centenas de aviões se preparam para sobrevoar o nosso território, apontando a alvos que não são mais do que o nosso povo, esta agressão e provocação a soberania e integridade do nosso país não pode deixai de ter uma resposta firme por parte do nosso povo.
O imperialismo deslocou para o nosso país, para além das forças militares um conhecido agente da CIA, Frank Carllucii como embaixador dos E.U.A. em Portugal, o qual foi o directo responsável pelo golpe fascista do Brasil, e colaborador activo no golpe fascista de Pinochet no Chile, assim como da tentativa de assassinato do Presidente Nyerev da Tanzânia.

1970-01-30 - Binómio - AE IST - I Série - Movimento Estudantil - A participação… E a sua história

A participação…
E a sua história

Durante vários anos, o Movimente Associativo reivindicou a participação no Conselho Escolar e Conselho Universitário (ou Senado Universitário).
O sentido desta reivindicação correlaciona-se com a actuação das autoridades académicas e do Governo, face às Associações de Estudantes nas diferentes fases do Movimento. 
Assim nas alturas de "Crise em que a repressão se fazia sentir com mais força sobre os estudantes, estes exigiram a participação, nesses órgãos para permitir uma informação, dos professores, e conseguir da parte deles uma tomada de posição. Na argumentação desenvolvida para apoio desta reivindicação, recorria-se à legislação relativamente ao Conselho (ou Senado) Universitário, revogada no ponto em que diz respeito à Representação, de alunos. Ainda recentemente (Coimbra 1969), este tipo de reivindicação, foi formulado, embora nesta altura, se pusesse já com certa nitidez a necessidade de os estudantes tomarem parte na gestão da Universidade.

1970-01-30 - Argumento - AE Iscef - Movimento Estudantil

COMUNICADO


Pela segunda vez neste período floresce a vitrina principal do átrio do ISCEF em documentos de solida arquitectura, onde se expendem, informados por evidentes tacto político e fôlego doutrinário, penetrantes pontos de vista sobre a conjuntura académica. Maravilhados com tão estuante e duradoura primavera teórica, não queremos deixar de nos- associar a esta festa do espírito, oferecendo o modesto óbolo de alguns comentários- que nos parecem mais pertinentes. 
Vai ocupar-nos, para já o estudo de um documento, de seu nome Apelo, datado de 30 de Janeiro e assinado pelo sr. director-substituto. 
Aí se começa por informar os "estudantes de que algumas paredes do Instituto apareceram "recobertas de slogans"; (...) Por outro lado (nas folhas avulsas "novamente se acusam professores e assistentes" (...) e "acrescentam-se algumas injúrias aos membros do corpo docente".

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

1975-01-29 - AO LADO DO POVO VIREMOS AS ARMAS CONTRA A BURGUESIA O IMPERIALISMO E O SOCIAL -IMPERIALISMO - RPAC!

AO LADO DO POVO VIREMOS AS ARMAS CONTRA A BURGUESIA O IMPERIALISMO E O SOCIAL -IMPERIALISMO!

TODOS À MANIFESTAÇÃO POPULAR E PATRIÓTICA
ROSSIO - 31 JANEIRO - 19.30 H.

CAMARADAS SOLDADOS E MARINHEIROS:
Para o próximo dia 31 de Janeiro os partidos da burguesia, o P”S" e o convocaram duas manifestações separadas, ambas de apoio ao MFA. -Entretanto tanto eles, como o partido do grande capital o PPD não se entendem e atacam-se mutuamente. Isto no momento em que a crise do sistema capitalista se agrava, aumenta a miséria, o desemprego e a fome do povo, intensifica-se a repressão militarista nos quartéis.
O que significa então esta luta entro os partidos e os preparativos intensos que cada um deles faz para uma guerra aborta? Todos estes partidos representem no nosso pais os interesses dos monopólios e dos imperialismos estrangeiros. Cada um deles é lacaio dos apetites vorazes do imperialismo americano e do social-imperialismo russo ainda que eles tenham um objectivo comum que é o de intensificar a exploração povo, eles divergem na forma com hão-de repartir o bolo sendo que cada um quer ficar com a fatia maior. Com esta luta voraz eles mais do que arrastar o nosso povo para uma guerra civil contra-revolucionária em que, através de promessas e demagogias, pretendem envolvê-lo puxando-o para um ou outro dos lados.

1975-01-29 - TODOS Á MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS - FEML

LUTEMOS PELA MOBILIZAÇÃO DE TODAS AS FORÇAS PARA A FUNDAÇÃO DO PARTIDO!

TODOS Á MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS EM LISBOA, NO ROSSIO
DIA 31 JAN. ÀS 19H30

Camaradas:

A Revolução está numa encruzilhada. A burguesia já não pode governar e a classe operária prepara-se activamente para o fazer.
A crise do capitalismo português desenvolve-se e aprofunda-se, reflecte-se em todos os sectores da sociedade e coloca as várias classes e camadas de classe em luta da máxima tensão. A burguesia organiza-se para fazer com que a classe operária pague, através da fome, da miséria e do desemprego crescentes, a crise desta sociedade podre e caduca. Por outro lado a vitoriosa experiência de luta das massas populares mostra-nos que estas têm rejeitado na prática os negros planos da Junta e do Governo Provisório, que estão dispostas a empurrar a burguesia para o abismo e não em dar-lhe a mão.

1975-01-29 - MRPP - RECUSEMO-NOS A DISPARAR SOBRE O POVO!

RECUSEMO-NOS A DISPARAR SOBRE O POVO!

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR E PATRIÓTICA
DIA 31 JANEIRO – ROSSIO - 19.30 H.

AOS SOLDADOS DO R.A.L. l
Neste momento em Portugal assiste-se a um glande confronto entre" aqueles que tentam assenhorear-se da nossa pátria para entregá-la, juntamente com o povo aos seus amos e patrões estrangeiro os imperialistas americanos e europeus e o social-imperialismo russo que lutam entre si para saber qual dentre eles ficará em melhores condições para aumentar a exploração, a miséria e a fome que se abate neste momento sobre o nosso povo.
O partido dito "socialista" do Soares, representante fiel dos seus patrões americanos e europeus e o partido traidor revisionista do Barreirinhas Cunhal, ou seja, o partido dito "comunista" e se, as compadres ao serviço dos russos, estão em grande luta para tentar cada um deles, fazer imperar a vontade e domínio do seu patrão sobre a nossa pátria. Assim cada um destes partidos, vestindo bonitos mantos com que se mascaram de "defensores da liberdade e democracia", de "defensores da classe operária e do povo", mais não fazem do que tuna porca mas vã tentativa de arrastar o nosso povo para as suas posições de vende-pátria e de traidores. Tentam assim por a classe operária e o povo a defender as posições dos seus patrões, que são os maiores inimigos da nossa pátria e a quem, desde sempre, a classe operária e o povo votou o maior ódio e rancor.

1975-01-29 - MRPP - MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR E PATRIÓTICA!

MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS POPULAR E PATRIÓTICA!

SEXTA, 31 • 19,30 NO ROSSIO
Aos operários da MAGUE
Na caótica e corrupta selva que é a sociedade capitalista, dois ferozes ursos se entreolham e se disputam aqui e acolá quando a altura é mais propícia.
Também no nosso país estes dois ferozes ursos que são o imperialismo e o social-imperialismo se têm entreolhado e disputado, mas a batalha mais feroz esta para vir.
Os servos dos amos imperialistas e social-imperialistas limpam o terreno e aprontam as forças para a batalha; P"PD", P"S"P e P"C"P convocam as suas forças e preparam-se para iludir e desarmar o povo para assim o poderem melhor dividir e combater. É este o significado das manifestações que os partidos reaccionários e seus lacaios tão afanosamente vêm preparando.
Mas da noite, nasce o dia, do caos e da desordem nascerá a nova aurora e ordem. Também a burguesia teme esta nova luz que é o poder dos explorados, porque sabe que ele é um poderoso facho que fara arder e transformar em cinzas o seu mundo caótico e podre. 
A posição do nosso Movimento ao convocar uma manifestação para o dia 31, às 19,30h no Rossio é a posição do raio que ilumina e aponta o caminho nas trevas. 
É este pois o significado da manifestação que o nosso Movimento convoca, é esta nova aurora jovem e poderosa que rebenta e faz tremer os alicerces de vime em que assenta o edifício caduco da burguesia.
E a burguesia presente de facto a força que a nossa manifestação representa, por isso tenta calá-la, mas ninguém o conseguirá fazer e o dia 31 ficará assinalado como um grande confronto entre o novo e o velho entre o povo e os exploradores, entre a revolução e a contra-revolução.
A classe operária como destacamento mais avança do da sociedade, compete dirigir esta jornada de luta. Mas também nesta jornada como na luta pelos objectivos que o nosso povo anseia: - o PÃO, PAZ, TERRA, LIBERDADE, DEMOCRACIA e INDEPENDÊNCIA NACIONAL, a classe operária não os poderá alcançar sem uni sua volta os seus irmãos camponeses, os soldados, os democratas e patriotas e todo o povo trabalhador.
Camaradas:
É no Rossio, no dia 31, às 19,30 h que o povo deve estar e estreitamente unido e sob a direcção da classe operária marchar na luta castra os imperialistas e social-imperialistas, na luta por um Governo que sirva e cumpra os seus justos anseios, na luta por um Poder de explorados e oprimidos, por um Poder e um Governo Populares.
MORTE AO FASCISMO E AO SOCIAL-FASCISMO!
GOVERNO POPULAR!
IMPERIALISTAS E SOCIAL-IMPERIALISTAS FORA DE PORTUGAL!

29/1/75 
Zona Estaline do MRPP

1975-01-00 - O Fuso Nº 03

1975 SERÁ O QUE NÓS QUISERMOS

(ORIENTAÇÃO E TAREFAS DO SINDICATO)

I. DE 25 DE ABRIL A 31 DE DEZEMBRO
1.1. Depois do 25 de Abril e aproveitando as melhores condições de luta criadas pelo M.F.A. e pelos movimentos populares, numerosas lutas tiveram lugar, tendo por objectivos essenciais a melhoria dos salários e das condições de trabalho, a luta contra os despedimentos e pelo saneamento.
1. 2. Através destas lutas que têm prosseguido sem interrupções, temos vindo a tomar consciência da necessidade de por termo à exploração capitalista e de lutar pelo socialismo.
1.3. A acção colectiva permitiu já algumas melhorias na nossa situação e neutralizar as manobras reaccionárias dos capitalistas que pretendem que tudo continue como dantes. Estas lutas e a discussão e reflexão sobre as mesmas, têm sido elemento importantíssimo na tomada de consciência dos mecanismos da exploração a que somos diariamente submetidos e na descoberta da dimensão colectiva dos nossos problemas. A acção colectiva em que temos estado empenhados contribui para que nós trabalhadores assumamos posições de classe cada vez mais conscientes.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

1975-01-28 - Voz do Povo Nº 026 - UDP

editorial
CONSOLIDAR A DEMOCRACIA BURGUESA OU LUTAR PELA DEMOCRACIA POPULAR?


Com a queda do fascismo, o povo português teve acesso às liberdades democráticas. Na euforia dos primeiros momentos, com o povo na rua e os fascistas e capitalistas nas suas tocas, muitos trabalhadores chegaram a pensar que estávamos já no socialismo. Pouco a pouco esse véu desvendou-se e a natureza real do regime tornou-se clara: a democracia enquanto existe capitalismo, ê uma democracia dos burgueses para a exploração dos operários.
Para a classe operária, a democracia burguesa tem a enorme vantagem, em relação ao fascismo, de permitir a associação para a luta económica — sindicatos — e para a luta política — partidos políticos. É claro que isso com limitações, de modo a ficar tudo dentro da ordem da sociedade actual, da sociedade em que há exploradores e explorados.
O maior perigo em relação à democracia é a possibilidade
de um golpe fascista. Mas a ditadura da burguesia pode também reduzir gradualmente as liberdades e já o fez: todas as leis que saíram como a lei anti-greve, a lei de imprensa, a das manifestações, a dos partidos políticos são passos atrás em relação â situação logo após o 25 de Abril.

1975-01-28 - COM AS ARMAS AO LADO DO POVO CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO! - RPAC

COM AS ARMAS AO LADO DO POVO CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO!

POR UM GOVERNO POPULAR!
TODOS À MANIFESTAÇÃO DE OPERÁRIOS POPULAR E PATRIOTA
DIA 31 DE JANEIRO, ROSSIO (LISBOA), ÀS 19.30

CAMARADAS SOLDADOS E MARINHEIROS!
Una profunda e violenta crise abala os podres alicerces da sociedade capitalista. Enquanto o povo vê aumentar a sua Miséria: o desemprego e a fome, e os soldados e marinheiros a repressão militarista, a burguesia que já não consegue governar divide-se quanto à melhor forma de assegurar aos seus anos imperialistas a continuação da exploração das massas trabalhadoras. No seio do governo provisório que, até agora não resolveu um único dos problemas fundamentais do nosso povo, tem-se travado ultimamente na luta feroz entre os diversos partidos, em que cada um deles, representando o papel de lacaios de outros tantos imperialismos, desde o americano ao social-imperialismo russo, procura chamar a si o aos seus patrões a fatia maior do bolo que, é o saque e a rapina das riquezas do nosso país. Mas apesar de desavindos quanto à forma de melhor satisfazerem os apetites dos chacais imperialistas estrangeiros, todos estes lacaios se encontram de acordo no essencial, resolver a crise económica à custa do povo trabalhador, agravando a sua situação de miséria e intensificando a exploração sobre ele.

1975-01-28 - CONFERÊNCIA DE IMPRENSA DA JSD

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA DA J.S.D.

Lisboa, 28 de Janeiro de 1975

A Juventude Social-Democrática, como organismo fortemente implantado e actuante nos meios laborais e estudantis, pretende com esta sua primeira Conferência de Imprensa dar a conhecer publicamente a sua posição clara e inequívoca acerca dos problemas que condicionam politicamente a vida do homem económica, a partir da consideração das forças produtivas e das relações de produção, tenras que levar em linha de conta o conjunto interligado de fenómenos e de processos que a condicionam.
Assim, as metas e metodologias de actuação para que aponta a J.S.D. resultam duma permanente confrontação teoria-realidade.
A J.S.D. esta profundamente empenhada na construção de uma sociedade socialista e democrática, entendida como modelo em que os centros de decisão e as alavancas do poder político e económico são controladas pelas classes trabalhadoras, com adopção de formas de participação autogestionária e respeito pelas liberdades e direitos fundamentais. O processo referido não e simples, propondo-se a J.S.D., em estreita aliança com outras forças democráticas e progressistas, contribuir decisivamente para essa marcha irreversível para o socialismo, de acordo com a vontade popular expressa pelo voto e, portanto, respeitando os mecanismos democráticos de decisão.

1975-01-28 - MRPP - TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS

TODOS À MANIFESTAÇÃO DOS OPERÁRIOS

EM LISBOA, ROSSIO DIA 31 JAN. Às 19H 30
À CLASSE OPERÁRIA E AO POVO

Camaradas: 
O começo da Revolução não está longe. A Revolução está na ordem do dia. Por todo o lado a guerra civil é o assunto que está na ordem do dia.
No poder estalam, as disputas como todos devem ter lido ou ouvido, os ataques mútuos entre o P”C”P e os restantes partidos da coligação, P”S”P e P”PD” intensificam-se. O partido social-fascista de Barreirinhas Cunhal, que controla já algumas unidades militares e postos na polícia, prepara-se para expulsar a seus comparsas do Governo e chamar para lá os seus cães de M”D”P-C”D”E e “MES”, etc. A luta pela posse exclusiva do aparelho de Estado alcançou uma forma bastante aguda: o P"S"P convoca uma manifestação para experimentar as suas forças e o P"C”P convoca Uma contra-manifestação para uma prova de forças. Como todos sabem, o P"C”P é a agência do social-imperialismo na nossa pátria e o P"S"P serve ao mesmo tempo dois patrões, os imperialistas europeus e o imperialismo norte-americano, entregando e cada vez mais a este último. Ao fim e ao cabo ê a luta entre as duas superpotências, entre o imperialismo ianque e o social-imperialismo soviético o que a actual situação política reflecte. O social-imperialismo mostra-se cada vez mais agressivo, e a Europa, particularmente a parte ocidental, tomou-se o centro da disputa entre as duas superpotências. Ambas estão interessadas em resolver a questão da Europa, para, depois, com os braços mais livres (segundo os seus pontos de vista) concentrar-se, ainda mais, suas forças no ataque à grande República popular da China, base vermelha da Revolução mundial.

1975-01-28 - MANIFESTAÇÃO OPERÁRIA POPULAR E PATRIÓTICA - FEML

Lutemos pela mobilização de todas os forças para a fundação do Partido!

MANIFESTAÇÃO OPERÁRIA POPULAR E PATRIÓTICA
GOVERNO POPULAR! 

todos ao rossio
31 de Janeiro 19,30h 

Camaradas! 
Na nossa pátria o tempo é de guerra!
As aves de rapina imperialistas e social-imperialistas aguçam os seus apetites, e preparam-se para cravar as suas garras criminosas na carne do nosso povo.
Tal como o MRPP previu e já tinha: anunciado, a quarta crise política e económica dentro da crise geral, do capitalismo português está prestes a atingir o auge. Todos os sectores, grupos e facções lacaios dos monopólios, do imperialismo é do social-imperialismo que detém o poder de Estado se lançam uns contra, as outras, envolvendo-se em guerras intestinas. A questão dos sindicatos do pluralismo ou da unicidade sindical sendo importante e decisiva quer para a burguesia quer para o proletariado encobre na realidade algo de mais profundo e mais decisivo: a luta entre as varias facções do imperialismo o do social-imperialismo, pelo controle do aparelho de Estado. Neste caso, ela significa um ataque em forma do partido social-fascista, do P"C"P. agente do social-imperialismo russo paio controle exclusivo do aparelho de Estado, pela imposição da sua sinistra ditadura social-fascista o social-imperialista.

1975-01-28 - Esquerda Socialista Nº 14 - MES


PELO AVANÇO DO PROCESSO REVOLUCIONÁRIO

A crise económica e política em curso entrou numa fase decisiva. Fase decisiva não só para a luta emancipadora dos explorados e oprimidos mas também para a burguesia dominante ameaçada nos seus privilégios de classe.
Plano económico, unicidade sindical, eleições e liberdades eis as questões em torno das quais a estratégia burguesa de recuperação política da actual situação, de procura de novas formas de exploração e dominação das classes trabalhadoras, se vai afirmando.
Impor uma reconversão da economia capitalista nacional à custa da miséria e do esforço redobrado dos trabalhadores, dividi-los, utilizar as eleições para impor uma estabilização política à custa da sua repressão e exploração e do isolamento dos oficiais progressistas do M.F.A. e em nome das liberdades burguesas, eis a estratégia da burguesia e das forças políticas que a representam. Com efeito, despojada no 28 de Setembro das suas facetas «progressista» e «liberal», a burguesia conta ainda, no seu arsenal de máscaras, com as facetas «democrática», «popular» e «socialista». A estas forças políticas, ao serviço da burguesia e do capitalismo internacional, que agora empunham o estandarte da liberdade para melhor submeterem o povo trabalhador é preciso responder afirmando que a verdadeira liberdade só existe numa sociedade sem classes, na sociedade comunista e que, portanto, longe de serem os seus defensores pretendem sim ser os seus coveiros. É sobretudo preciso responder lutando consequentemente pelo socialismo, onde apenas haverá liberdade para a classe operária e seus aliados na caminhada da revolução socialista.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

1975-01-27 - ESCLARECIMENTO - PPD

PARTIDO POPULAR DEMOCRÁTICO LISBOA


ESCLARECIMENTO


Chama-se a atenção de todos os militantes e do Publico em geral para o texto integral do comunicado da Comissão Política do Partido, publicado nos jornais diários de 27.1.75 nomeadamente no Diário de Notícias. Nele se poderá verificar que o título que a redacção daquele jornal e outros diários dão aos extractos que publicam deste importante comunicado não passa de mais uma "habilidade" tendente a diluir o efeito efectivamente esclarecedor do referido texto e a confundir os nossos militantes e a opinião pública em geral.
Com efeito a "aliança” de que se fala - e que no comunicado explicitamente se refere como "um compromisso semelhante“ ao existente "e sob o mesmo patrocínio"- deve entender-se no quadro da actual coligação e sob condições. A institucionalização do M.F.A. - que explicitamente se refere como "a consolidação do seu caracter de fiador supra-partidário da continuidade do processo democrático e da defesa do Programa do M.F.A.” - deve ser entendida como a sua institucionalização interna e não como a sua participação activa na Assembleia Nacional Constituinte,
A Comissão Política, pede a todos os militantes e aderentes do Partido que se mantenham atentos a todas as manobras de manipulação de opinião e que contribuam pelo seu exemplo e pela sua acção para uma atitude esclarecedora do público em geral.

Lisboa, 27 de Janeiro de 1975.
A COMISSÃO POLÍTICA DO PARTIDO POPULAR DEMOCRÁTICO